Religião

Pessach, a ceia da Páscoa judaica, reúne integrantes do judaísmo e do catolicismo na Catedral da Capital

A atividade, tradicionalmente realizada nas sinagogas, teve como cenário o salão de eventos da igreja, em ato inter-religioso inédito no país

11/04/2017 - 21h56min | Atualizada em 11/04/2017 - 22h01min
Pessach, a ceia da Páscoa judaica, reúne integrantes do judaísmo e do catolicismo na Catedral da Capital Lauro Alves/Agencia RBS
Foto: Lauro Alves / Agencia RBS  

Um evento inter-religioso inédito no país foi realizado na noite desta segunda-feira em Porto Alegre, aproximando judaísmo e catolicismo. A Ceia de Pessach, a Páscoa judaica, foi celebrada na Catedral Metropolitana, em uma iniciativa da Arquidiocese da Capital e da Sociedade Israelita Brasileira de Cultura e Beneficência (Sibra).

Leia mais:
Ceia de Pessach, a Páscoa judaica, será celebrada na Catedral Metropolitana de Porto Alegre
Moacyr Scliar, 80 anos: livro de crônicas sobre judaísmo evidencia escritor como observador crítico

Cerca de 300 pessoas participaram do jantar, que teve comida típica e cânticos em hebraico e aramaico. Na entrada do salão de eventos da Catedral, judeus e católicos puderam pegar emprestado um kipá para colocar sobre a cabeça. O rabino Guershon Kwasniewski considerou o momento memorável:

— Depois de séculos de inimizade e perseguição, neste ato, entramos para a história para mudar a história. Para dizer que católicos e judeus podem conviver em paz, sem ódio, sem perseguição e sem rancores, tendo maturidade com relação ao passado — disse o rabino.

A ceia foi prestigiada também por padres, bispos auxiliares, seminaristas e até mesmo pelo arcebispo metropolitano de Porto Alegre, dom Jaime Spengler.

— Eu participo como, digamos, o irmão mais novo da família — afirmou Spengler, bem-humorado.

O arcebispo conta que a grande repercussão gerada pelo evento não era prevista, e acredita que está relacionada a um resgate de elementos de humanidade.

— Tenho a impressão de que, hoje, na sociedade, estamos marcados com uma espécie de medo do diferente. E essa é uma ceia onde homens e mulheres se decidem por algo tão simples — observou.

O professor de filosofia Denis Rosenfield fez questão de prestigiar o evento e enaltece o clima de tolerância religiosa e diálogo que, segundo ele, contrapõe-se às intolerâncias da sociedade. O desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores também elogia os laços nutridos entre católicos e judeus.

— Isso é o bonito do Brasil, a harmonia em que as religiões convivem. É uma honra para a gente estar aqui — afirmou.

O objetivo é "se aproximar para desenvolver a cultura do encontro", como dizia até mesmo o texto de divulgação do evento. O jantar, totalmente a rigor, ocorreu exatamente no dia do seder — o nome da ceia em hebraico. 

PESSACH

> A ceia do Pessach, tradicionalmente realizada nas sinagogas, teve como cenário salão de eventos da Catedral Metropolitana de Porto Alegre, espaço para reuniões culturais e sociais.

> O ato inter-religioso é considerado inédito no país.

> Na celebração chamada de Pessach, que recorda o êxodo do Egito, a ideia é de que as pessoas valorizem o significado da liberdade ao se colocarem no lugar de quem foi escravo. Fazendo isso, adotam a postura de não mais se deixar escravizar.

> A palavra "Pessach" significa "passagem", em hebraico, e dá origem à palavra "Páscoa", que também tem o significado de passagem e libertação.

> A Páscoa cristã é festividade religiosa que celebra a ressurreição de Jesus ocorrida três dias depois da sua crucificação no calvário.

> O jantar seguiu todos os rituais tradicionais, com comida típica e cânticos em hebraico e aramaico.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.