Capital

Projeto federal pode ampliar restrições a aplicativos de transporte em Porto Alegre

Regulamentação que foi aprovada na terça-feira na Câmara dos Deputados faz mais exigências

05/04/2017 - 21h26min | Atualizada em 05/04/2017 - 21h26min
Projeto federal pode ampliar restrições a aplicativos de transporte em Porto Alegre Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS  

O projeto de lei federal que trata de aplicativos de transporte como Uber e Cabify, aprovado na Câmara dos Deputados na terça-feira, aumentaria as restrições em cidades que já regulamentaram esse tipo de serviço, como Porto Alegre.

A norma em tramitação no Congresso exige licenciamento com placas vermelhas — iguais às dos táxis — no nome do motorista, contribuição individual ao INSS e proíbe o uso de veículos licenciados em outras cidades. A norma vigente hoje na Capital também obriga o emplacamento no próprio município, mas a prefeitura já anunciou que derrubaria essa limitação. Outros pontos discutidos em Brasília estão previstos na lei porto-alegrense, como cobrança de tributos.

Como a proposta apreciada na Câmara estabelece obrigações mínimas e atribui aos municípios a tarefa de regulamentar o serviço prestado por meio dos aplicativos, a legislação local é bem mais minuciosa do que o texto federal. A norma aprovada pelos vereadores no ano passado e regulamentada pelo prefeito Nelson Marchezan em março detalha regras mais específicas a serem cumpridas, como o padrão de identificação dos veículos por meio de adesivos, inexistência de antecedentes criminais para cadastramento de motoristas, pagamento de taxa mensal, entre outros itens.

Leia mais:
Câmara exclui de projeto trecho que definia aplicativo como atividade privada
Aplicativos como Uber e Cabify terão de usar adesivos em Porto Alegre
Uber vai pedir CPF de passageiros que pagam corrida em dinheiro

Serviço público em vez de privado

Uma das mudanças mais significativas determinadas pelos deputados federais é a classificação do serviço como "público", em vez de "privado", como o que motivou críticas das empresas de que isso igualaria os aplicativos ao sistema de táxis e permitiria às prefeituras impor regras capazes de inviabilizar o novo modelo de transporte. Isso também exigiria adaptações das regulamentações já existentes, como a de Porto Alegre.

— Nossa lei trata os aplicativos como um serviço privado. Se fosse aprovada essa mudança para serviço público, certamente teria de haver mudanças, ficaria muito mais parecido com o modelo dos táxis. Mas não acredito que isso vá ocorrer, porque ainda tem de passar por uma discussão no Senado. Penso que vá prevalecer o modelo de um serviço privado com algumas condicionantes que cada município adapta às suas características — analisa o diretor-presidente da EPTC, Marcelo Soletti.

O deputado federal Carlos Zarattini (PT-SP) defendeu a classificação do modelo público:

— Se a intenção é que as prefeituras regulem este serviço, nós não podemos concordar que se coloque no texto que é uma atividade de natureza privada. Atividade de transporte individual de passageiro, para ser controlada pelas prefeituras, tem de ter caráter público.

Foto: Diagramação ZHDG / RBS

O que dizem as empresas

UBER
Sustenta, em nota, que o projeto federal "propõe uma lei retrógrada que não regula a Uber no Brasil, mas tenta transformá-la em táxi, proibindo então este modelo de mobilidade. O PL segue agora para o Senado Federal, onde o debate sobre a tecnologia deve continuar, garantindo que seja ouvida a voz de milhões de pessoas no Brasil que desejam ter seu direito de escolha assegurado."

CABIFY
Em nota oficial, afirma ser favorável a uma "regulamentação justa". Mas diz que as mudanças aprovadas na Câmara "inviabilizam o modelo atual de negócios dos aplicativos intermediadores, vão contra a voz da população e simbolizam um retrocesso ao movimento que acontece hoje no País — e no mundo — em prol da mobilidade urbana, oferecendo entraves que prejudicam o direito de ir e vir da população da maneira que lhe é mais conveniente."

Maia sugere que Senado recupere texto original

O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse na manhã desta quarta-feira esperar que o Senado recupere agora o texto original do projeto que regulamenta os aplicativos de transporte individual. Maia considerou que os destaques que alteraram o texto principal geram restrições que não são boas e sinalizou que, se o Senado não recuperar o projeto original, vai atuar junto ao presidente Michel Temer para restabelecer o texto e vetar as emendas.

Na avaliação de Maia, os destaques aprovados não inviabilizam a proposta, mas "atrapalham".

— Tenho certeza que o Senado pode rever isso, senão a gente tem a possibilidade de trabalhar com o presidente Michel Temer naquilo que a gente acha certo, que é defender o mercado do táxi e defender o mercado do Uber. Eles podem existir de forma diferente porque eles são sistemas distintos — declarou.

Ele disse contar com a possibilidade dos senadores derrubarem os destaques.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.