Longe do consenso

Antes de pontos para food trucks entrarem em funcionamento em Porto Alegre, decreto é questionado

Legislação prevê sistema de rodízio semanal para ocupar 10 espaços

Por: Zero Hora
28/06/2017 - 10h00min | Atualizada em 28/06/2017 - 10h00min

Sete meses após o decreto que regulamentou o funcionamento dos food trucks na Capital, proprietários de 20 veículos preparam-se para iniciar a atuação nas ruas — mesmo que envoltos em dúvidas sobre a viabilidade do negócio com a nova legislação. Os truckers vão operar em um sistema de rodízio semanal, definido por sorteio, ocupando 10 pontos da cidade autorizados pela prefeitura.

Segundo o presidente da Associação Portoalegrense de Food Trucks, Orlando Carvalho, falta apenas instalar estrutura de iluminação e placas de sinalização nos pontos onde os veículos serão estacionados. Ele estima que o grupo comece a atuar em até 15 dias.

Leia mais:
Empresas de Porto Alegre apostam em totens de autoatendimento para compras
Falta de iluminação aumenta sensação de insegurança nas ruas de Porto Alegre

— Estamos felizes porque finalmente vamos ir para a rua, mas não estamos plenamente satisfeitos com a legislação. O ideal seria que existisse um número maior de pontos e que a gente pudesse escolher onde ficar — explica Carvalho.

Antes mesmo de os truckers começarem a atuar, uma frente parlamentar da Câmara Municipal, liderada pelo vereador Felipe Camozzato (Novo), discute mudanças na legislação. Um esboço da nova proposta busca ampliar o número de lugares com permissão para o estacionamento de food trucks.

— A lei atual é restritiva, permite um número reduzido de locais. Isso pode prejudicar os empreendedores, porque alguns pontos não são comercialmente tão interessantes, não dão retorno — diz Camozzato. — Temos que pensar enquanto cidade: queremos ter food trucks? Como eles devem funcionar? É um debate que deve durar mais uns dois meses ainda, estamos recebendo contribuições.

Carvalho pondera que, apesar de ter queixas em relação ao decreto, acredita que o momento agora é "de trabalhar":

— Já se discutiu bastante a legislação nos anos anteriores, acho que não adianta mais debater antes de a gente ir para a rua. Depois disso, aí acho que pode ser interessante adequar a lei.

Pontos em Porto Alegre

BELA VISTA
Rua Jaraguá, junto a Praça Carlos Simão Arnt

BOM FIM
Rua Henrique Dias, números 220 e 236

CIDADE BAIXA
Rua Sarmento Leite, em frente ao Instituto Parobé

JARDIM BOTÂNICO
Avenida Ipiranga, em frente ao Hospital São Lucas da PUCRS

BOA VISTA
Rua Francisco Petuco, em frente ao número 45

PRAIA DE BELAS
Rua Dolores Alcaraz Caldas com a Rua Celeste Gobbato

JARDIM EUROPA
Avenida Túlio de Rose, em frente ao número 330

JARDIM LINDOIA
Avenida Panamericana, número 247

PRAIA DE BELA
Avenida Augusto de Carvalho, ao lado Acesso 3 do Centro Administrativo

PRAIA DE BELAS
Avenida Praia de Belas com Rua Costa

Regras pelo mundo

SÃO PAULO
700 locais definidos. A no mínimo 25m do comércio

BRASÍLIA
Sem pontos definidos, desde que a 200m do comércio

NOVA YORK
Funcionamento livre, exceto em pontos determinados.

BOSTON
21 locais, com divisão por turnos.

SÃO FRANCISCO
Sem pontos definidos, mas exige autorização para o local escolhido.

MIAMI
Permitidos em 5 zonas da cidade em horários específicos, sem locais definidos.

PARIS
19 locais disponíveis, com seleção feita pela prefeitura.

BUENOS AIRES
Sem pontos pré-definidos, mas exige licença para o local escolhido.

MILÃO
50 food trucks no centro, a, no mínimo, 250m entre si. Proibidos em algumas ruas e praças.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.