Contra incêndio

Bombeiros de Porto Alegre têm aproximadamente 4 mil pedidos de PPCI na fila

Informação foi repassada pelo comandante da corporação na cidade, ao comentar a destruição de quatro lojas na Azenha pelas chamas

Por: Rádio Gaúcha
21/06/2017 - 17h24min | Atualizada em 21/06/2017 - 17h24min
Bombeiros de Porto Alegre têm aproximadamente 4 mil pedidos de PPCI na fila Ronaldo Bernardi/Agencia RBS
Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS  

O Corpo de Bombeiros de Porto Alegre tem cerca de quatro mil pedidos para concessão de Plano de Prevenção e Controle de Incêndio (PPCI) a serem analisados. A informação foi confirmada pelo major Elemar Melo, comandante do Primeiro Batalhão dos Bombeiros da cidade, em entrevista à Rádio Gaúcha, ao comentar o incêndio de grandes proporções que atingiu um conjunto de lojas na Avenida da Azenha nesta quarta-feira.

— Estamos fazendo uma força-tarefa para atender a alta demanda de solicitações. Hoje, o prazo de liberação das análises leva mais de 90 dias. Queremos reduzir esse tempo para no máximo 90 dias — explica o oficial.

Leia mais:
Após bloqueios, trânsito é liberado nos dois sentidos na Avenida da Azenha
Saiba como funciona por dentro o consulado dos EUA em Porto Alegre

As quatro lojas destruídas pelas chamas no final da madrugada estão entre os estabelecimentos sem PPCI.

— São lojas antigas, que foram abertas antes da Lei Kiss, que ainda estão funcionando com o sistema antigo. Até 2019, todos os estabelecimentos devem estar regularizados — acrescenta.

Melo salienta que é responsabilidade do proprietário solicitar o PPCI. Estabelecimentos de baixo e médio risco podem apresentar os documentos do local e fazer a solicitação do alvará de forma eletrônica. Já em locais de grande risco, é necessário ir até o corpo de bombeiros, contratar um engenheiro e protocolar a solicitação de forma física.

Confira imagens do incêndio:


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.