Exemplo

Costureiras do Sarandi unem cooperação e sustentabilidade em cadeia nacional de produção de roupas

Algodão orgânico é usado por trabalhadoras da Vila Nossa Senhora Aparecida na confecção de roupas, geração de emprego e renda 

17/06/2017 - 08h00min | Atualizada em 17/06/2017 - 08h00min
Costureiras do Sarandi unem cooperação e sustentabilidade em cadeia nacional de produção de roupas Omar Freitas/Agencia RBS
Fábrica de roupas na Vila Nossa Senhora Aparecida Foto: Omar Freitas / Agencia RBS  

Da necessidade de emprego e renda para trabalhadoras da Vila Nossa Senhora Aparecida, no Bairro Sarandi, surgiu a Cooperativa de Costureiras Unidas Venceremos (Univens), que une economia solidária e atitude sustentável. Vinte e um anos depois da criação, a cooperativa que nasceu na Zona Norte de Porto Alegre com pouco capital de giro e praticamente sem maquinário criou uma cadeia produtiva que começa no plantio de algodão orgânico e vai até a comercialização de roupas, com parceiros nas cinco regiões do Brasil.

Trabalhar com algodão orgânico é o grande diferencial da cooperativa composta por 23 mulheres. A matéria-prima chegou em 2005, quando apenas 1% do tecido usado na fábrica era orgânico, percentual que hoje é de 30% a 40%. 

Parte das mulheres que fazem parte da Univens Foto: Omar Freitas / Agencia RBS


O algodão é produzido por cooperativas parceiras em Tauá, no Ceará e em Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul, enquanto cooperados de Pará de Minas, em Minas Gerais, fazem a fiação e a tecelagem do produto. O tecido, por fim, é transformado em confecção de roupas, com serigrafia, bordado e tingimento na Univens, em Porto Alegre. A cadeia conta ainda com sementes que viram botões e acessórios em Manaus. Toda esta rede forma a Justa Trama, que nasceu da Univens, e é composta por mais cinco cooperativas parceiras espalhadas pelo país.

A ambição de uma das fundadoras da cooperativa, Nelsa Inês Fabian Nespolo, é de que em pouco tempo todo o algodão manejado pelas mãos das cooperadas seja exclusivamente orgânico. Formada apenas por trabalhadoras da comunidade, a Univens se propõe a outro tipo de trabalho, com democracia nas decisões e foco na economia solidária.

— Nós começamos no salão de uma capela da vila, com 35 mulheres, e muitas desistiram. Queríamos algo que envolvesse economia solidária, que desse retorno para todas. Em 2005, recebemos o primeiro fio orgânico, que é um produto que tem outra lógica. Com esse negócio acho, que estamos fazendo nossa parte com o mundo.

Além da fábrica na Vila Nossa Senhora Aparecida, a Justa Trama têm pontos de venda no Centro de Porto Alegre e em Santana do Livramento, Porto Velho-RO e São Paulo. Participa de feiras alternativas, trabalha com encomendas e faz vendas pela internet no site www.justatrama.com.br. A nova coleção de roupas: "Moda que envolve: costureiras, artesãs e sustentabilidade" foi lançada no dia 3 de junho em um desfile na Redenção.

Leia mais notícias do dia

"Jamais imaginaria que tomaria essa proporção"

Entre as trabalhadoras, o espírito é de colaboração e orgulho das peças que produzem. Isaurina Alzira da Silva, 74 anos, é uma das cooperadas que está desde o início. Antes de entrar na Univens, trabalhou em lavoura, em malharias e como doméstica. Nem nos seus melhores devaneios poderia imaginar que faria parte de uma cadeia nacional com produtos vendidos em todo país.

— Eu não me imaginava nem como costureira, imagina fazendo roupas para todo Brasil. É uma emoção, um orgulho. Jamais imaginaria que tomaria essa proporção. Adoro trabalhar aqui e tenho pena de pensar que, uma hora, terei que parar por causa da idade. 

Inaurina está desde a abertura da cooperativa, há 21 anos Foto: Omar Freitas / Agencia RBS


Devido à pouca escolaridade — cursou até o quarto ano do Ensino Fundamental — Isaurina diz que, no local, sempre se sentiu aceita e parte daquilo que ela faz. Sentimento bem parecido é descrito por Simone Gitorotto, 31 anos, que trabalha na serigrafia das peças. Há oito anos ela diz que se sente à vontade entre as colegas e até para agradar o cliente.

— O patrão, se ele manda baixar cabeça, tem que baixar. Aqui, tem conversa, diálogo, podemos expor as ideias. É um orgulho trabalhar com algodão orgânico que trata a roupa com uma lógica diferente, sem agredir o meio ambiente —argumenta. 

Simone: orgulho trabalhar com algodão orgânico Foto: Omar Freitas / Agencia RBS


Gislaine Silveira Martinez, 54 anos, estava desempregada após trabalhar na indústria quando conseguiu emprego na cooperativa.

 — Nunca tinha pensado em trabalhar em cooperativa. Tive medo, achei que fosse instável, mas arrisquei e estou aqui há dez anos.

Pela cooperativa, já viajou para São Paulo, Bahia e Santa Catarina. Para ela, o acolhimento é diferente e a visão de negócio também:

— Aqui a gente ouve música, conversa, o ambiente é bom _ conta ela, que faz costura e corte de tecidos. 

Para Gislaine, ambiente é bom de trabalhar Foto: Omar Freitas / Agencia RBS


Como funciona a Justa Trama
Justa Trama é uma rede composta por outras cinco organizações das cinco regiões do país. Cada uma é responsável por uma etapa da produção da produção do algodão à confecção das roupas.

Plantio do algodão: cooperativas em Tauá, no Ceará, e Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul.
Fiação e tecelagem dos fios: em Pará de Minas, em Minas Gerais.
Confecção das peças: Porto Alegre.
Botões e acessórios: Manaus, no Amazonas. 

ONDE FICA EM PORTO ALEGRE
Justa Trama
– Endereço: Rua Afonso Paulo Feijó, 501. Sarandi, Porto Alegre
Telefone: (51) 3344-3454
– No momento, há duas vagas em aberto para mulheres do Bairro Sarandi, com experiência em costura.


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.