Habitação

Famílias deverão deixar área ocupada na Vila Liberdade

Acordo foi discutido durante reunião entre lideranças dos moradores e Demhab, nesta semana. Departamento prometeu incluir as famílias no aluguel social

22/06/2017 - 16h09min
Famílias deverão deixar área ocupada na Vila Liberdade Tadeu Vilani/Agencia RBS
Área fechada sofreu tentativa de ocupação no mês passado. Agora, a ocupação ocorre nos fundos do terreno Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS  

Lideranças da Vila Liberdade, que aguardam a construção de um empreendimento na Vila Farrapos, Zona Norte de Porto Alegre, para as 700 famílias que faziam parte da comunidade, se comprometeram a conversar com os que estão voltando a ocupar o terreno onde deverá ser feita a obra. No dia 19 de junho, a reportagem do jornal mostrou que a suspensão dos pagamentos dos aluguéis sociais em Porto Alegre desde o início deste ano, motivada por uma auditoria da Controladoria Municipal que deverá se estender até agosto, vem causando a nova ocupação.
— Nos comprometemos em refazer a listagem dos que estão ocupando o terreno e de conversar com estas famílias para que voltem ao aluguel social. Faremos isso porque o Demhab prometeu voltar a pagar, assim que concluir a auditoria. Se elas continuarem no terreno acabarão prejudicando o andamento da obra, que deverá ser retomada — afirma Erlon Nogueira Lima, da Associação dos Moradores da Vila Liberdade (Amovil).

A promessa das lideranças ocorreu durante reunião com a direção do Demhab, que se comprometeu a manter um permanente canal de diálogo com a associação. A superintendente de Ação Social e Cooperativismo, Maria Horácia Ribeiro, será o contato do Departamento com as famílias. 

Leia mais
Pente-fino que está suspendendo o pagamento de aluguel social em Porto Alegre seguirá até julho
Famílias estão há mais de três anos em casas de emergência
Mais de 1,9 mil famílias de Porto Alegre convivem com a incerteza do aluguel social 

Segundo o diretor-geral do departamento, Mário Marchesan, a constatação do Tribunal de Contas de que pessoas estariam recebendo o benefício sem necessidade ou valores acima do permitido levou a prefeitura a realizar um pente-fino no serviço. Um dos argumentos é que famílias estariam alugando casas de condomínios construídos pelo Demhab, prática considerada proibida, mas que acabou sendo aceita na gestão anterior. A avaliação e as suspensões vêm sendo feita em lotes desde janeiro.

Funcionários do Demhab estão analisando os contratos e visitando os imóveis. Os maiores empreendimentos avaliados envolvem moradores da Vila Liberdade, do eixo da Avenida Tronco e do Arroio Cavalhada. De acordo com Mário Marchesan, a situação da Vila Liberdade é a grande preocupação da prefeitura na questão habitação. Mário afirma que foi retomado o projeto, em conjunto com o Estado, de construção de prédios para as 700 moradias necessárias.

Cerca de 450 famílias que viviam na Liberdade aceitaram a proposta de aluguel social com a perspectiva de receberem novas casas na mesma região.
— Com a dívida aumentando, elas estão sendo despejadas e ficando sem ter para onde ir. Por isso, pedimos ao Demhab que agilize a liberação dos pagamentos das famílias já auditadas _ afirma Erlon, que solicitou ao Departamento a lista dos moradores da antiga Liberdade que foram identificados com irregulares na auditoria. 


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.