Apreensão

Mais de 500 produtos foram recolhidos em operação da prefeitura que terminou em protesto

Agentes da Guarda Municipal e da Secretaria de Desenvolvimento Econômico apreenderam frutas, verduras e mercadorias de comerciantes ilegais

Por: Zero Hora
23/06/2017 - 16h07min | Atualizada em 26/06/2017 - 08h21min
Mais de 500 produtos foram recolhidos em operação da prefeitura que terminou em protesto Isadora Neumann/Agência RBS
Foto: Isadora Neumann / Agência RBS  

Cerca de 324 mercadorias — sapatos, brincos, pulseiras, relógios e óculos — e 274 caixas com verduras, legumes e frutas foram apreendidas na última quinta-feira (22) durante a Operação Retomada, realizada no Centro Histórico de Porto Alegre. A ação acabou em protesto de ambulantes, incêndio em contêiner e confronto com a Brigada Militar. 

Veja também:
Em protesto, ambulantes trancam vias do centro de Porto Alegre e colocam fogo em caixas
Veículo pega fogo em garagem no bairro Bela Vista, em Porto Alegre

Cem agentes da Guarda Municipal e do setor de fiscalização da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico estavam mobilizados para coibir o comércio ilegal e furtos e tráfico de drogas. Segundo a Guarda Municipal, nenhuma droga foi encontrada. Questionado, Roben Martins, comandante da Guarda Municipal, disse que o foco era combater o comércio irregular nas ruas.

— Queremos, principalmente, conscientizar o pessoal que esse tipo de comércio é proibido. No momento em que um camelô joga um tecido no chão, com produtos que não sabemos a origem, no meio de uma via pública, está cometendo um ato ilícito. Passamos a manhã de ontem orientando essas pessoas a saírem das ruas. Quem não saiu, acabou tendo as cargas apreendidas durante a tarde. — explica Martins.  

Os pontos com maior incidência de comércio ilegal são nas avenidas Salgado Filho, Borges de Medeiros e ruas Voluntários da Pátria e Doutor Flores, onde a operação foi realizada. De acordo com Martins, a operação de combate a ambulantes está acontecendo desde o início do ano. A Operação Retomada deve acontecer em outras ocasiões também, mas ainda não há datas programadas. De acordo com a Guarda Municipal, a ideia é que, ao longo do tempo, exista a possibilidade de deixar um efetivo fixo no local para evitar a ocorrência de furtos. 

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico informou que as frutas e verduras — mamão, abacaxi, melão, maçã, pera, banana, aipim, batata, beterraba, cebola, laranja, cenoura — serão doadas a entidades como Lar Santo Antônio, Pão dos Pobres e Asilo Padre Cacique. As demais mercadorias serão entregues à Fundação de Assistência Social e Cidadania (Fasc) para serem doadas às entidades cadastradas, caso os proprietários dos produtos não procurem a prefeitura no prazo de 30 dias.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.