Lazer

Revitalização do primeiro trecho da orla do Guaíba, em Porto Alegre, atinge 80%

Previsão é de que a parte entre a Usina do Gasômetro e a Rótula das Cuias seja concluída em outubro

29/06/2017 - 19h34min | Atualizada em 29/06/2017 - 19h34min
Revitalização do primeiro trecho da orla do Guaíba, em Porto Alegre, atinge 80% Joel Vargas/PMPA
Foto: Joel Vargas / PMPA  

Iniciada em outubro de 2015, a revitalização da orla do Guaíba atingiu 80% de conclusão nesta quinta-feira (29). Os trabalhos ocorrem em um trecho de 1,3 quilômetro entre a Usina do Gasômetro e a Rótula das Cuias. De acordo com a equipe de coordenação das obras, a previsão é de que daqui quatro meses — ou seja, em outubro — porto-alegrenses e turistas poderão "caminhar sobre a água" em passarelas metálicas e assistir ao pôr do sol nos decks de madeira.

Segundo o secretário de Infraestrutura e Mobilidade Urbana (Smim), Elizandro Sabino, a parte mais complexa, como fundações em água e instalação de redes de média tensão, esgoto, água e gás já estão prontas. Postes e passarelas também estão instalados. Para os decks serem finalizados, falta pouco: 2%.

Leia mais:
Trecho entre Beira-Rio e Anfiteatro Pôr do Sol depende da busca de recursos
Primeira obra da revitalização da orla do Guaíba é entregue
Depois de escola náutica ser despejada, Estado abandona área nobre no Guaíba

Precisam ser concluídos ancoradouros, reservatórios, edificações, o bar Quase Meia Noite, arquibancadas, passeios e bilheteria. A parte que mais falta evoluir é a implantação vegetal, que está em 28%.

O investimento é de cerca de R$ 68 milhões, com financiamento da Corporação Andina de Fomento (CAF).

O andamento:

– Praça Júlio Mesquita: 100% (já foi inaugurada)
Praça em frente à Usina do Gasômetro, revitalizada por meio da obra da orla

– Postes inclinados: 100%
Postes imponentes inclinados em 25° destinados à iluminação pública de todo o complexo

– Passarelas: 100%
Estrutura metálica que adentra o Guaíba, para passeio e contemplação de flora aquática nativa

– Decks: 98%
Estrutura que avança sobre a água, com piso em madeira Itaúba

– Ancoradouro: 91%
Estrutura situada atrás da usina, que avança sobre a água, com piso em madeira Itaúba, destinada a receber embarcações

– Reservatório: 86%
Estrutura metálica de 23 metros de altura destinada a reservar água para abastecer todo o complexo

– Infraestrutura: 78%
Redes de energia elétrica, água, esgoto, pluvial e gás natural

– Edificações: 75%
Compreendem quatro bares, dois ambulantes, um vestiário e uma edificação para segurança. Todas as edificações são térreas ao nível próximo do rio e suas coberturas de concreto funcionam como mirantes ao nível da Avenida Edvaldo Pereira Paiva

– Bar Quase Meia Noite: 63%
Restaurante circular com piso, teto e fechamentos laterais em vidro

– Arquibancadas: 60%
Estruturas em concreto armado destinadas a contemplação e acesso ao Guaíba

– Passeios: 58%
Duas Ciclovias (uma no nível da Edvaldo e outra no nível do Guaíba) e pavimentações gerais, incluindo um piso iluminado em fibra ótica e pavimentação em concreto em todo entorno da usina

– Bilheteria: 42%
Edificação que engloba a antiga tremonha, projetada para servir de bilheteria ao ancoradouro, revestida em vidro e aço Cortein perfurado

– Implantação Vegetal: 28%

* Ainda não iniciaram os serviços de restauração de obras e construção de quadras esportivas. Os serviços devem ser executados na fase final da obra.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.