Portas abertas

Saiba como funciona por dentro o consulado dos EUA em Porto Alegre

Expectativa é de que atendimento seja mais ágil do que em São Paulo

Por: Priscila de Martini
21/06/2017 - 07h00min | Atualizada em 21/06/2017 - 18h00min
Saiba como funciona por dentro o consulado dos EUA em Porto Alegre Mateus Bruxel/Agencia RBS
Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS  

Quem já entrou no consulado dos Estados Unidos em São Paulo para fazer o visto americano sabe que a experiência não é das mais confortáveis. São filas e filas em espaços muitas vezes inadequados para receber tamanho afluxo de pessoas. Para os gaúchos, a boa notícia é que a seção consular de Porto Alegre, que abriu no início do mês, tem ótima estrutura para receber com conforto os solicitantes, que também gastam menos tempo no processo em relação à capital paulista.

Em antecipação à inauguração oficial, que será na próxima segunda-feira, com a presença do embaixador Michael McKinley, o consulado abriu as portas nesta terça-feira à imprensa para mostrar, com detalhes, o passo a passo de quem solicitou o documento no prédio, na Avenida Assis Brasil, 1.889, bairro Passo D'Areia.

Leia mais:
Consulado dos EUA em Porto Alegre reduzirá gastos para quem vai fazer o visto
Consulado dos EUA inicia operação, atrai negócios e muda rotina na Zona Norte

Quem acompanhou os jornalistas foi o chefe da seção de Imprensa, Educação e Cultura dos Estados Unidos em Porto Alegre. John Jacobs não deu números específicos sobre quantas pessoas já passaram pelo procedimento desde a abertura, mas garantiu que foram "mais de 500", com a expectativa de serem "milhares" até o fim do ano.

— Temos o objetivo de ser o consulado campeão de vistos no Brasil, com um serviço eficiente e cordial — disse Jacobs.

Nesse sentido, o esperado é que o atendimento seja muito mais ágil do que o de São Paulo, onde os interessados chegam a esperar várias horas. Jacobs não quis precisar o tempo que a pessoa gasta em todo o processo dentro da seção consular, mas guardadores de objetos que trabalham ao redor do prédio — itens como câmeras fotográficas, celulares e isqueiros, por exemplo, são proibidos de ingressar — afirmam que o tempo médio tem ficado entre 20 e 25 minutos. A ida ao consulado é a última etapa para a obtenção do visto, depois da passagem pelo Centro de Atendimento ao Solicitante de Visto (Casv), na Avenida Carlos Gomes, 1.501, onde são coletados os dados biométricos, e da solicitação online, no site br.usembassy.gov/pt.

PASSO A PASSO

1) Chegada ao Consulado

Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

A entrada para os solicitantes de visto é feita pela Avenida Assis Brasil. Na porta, funcionários conferem se está tudo certo com o agendamento — só entra no prédio quem tiver hora marcada. Em seguida, é preciso passar pela segurança, com detector de metais e raio X. A lista de itens não permitidos é extensa (confira no quadro). Por isso, já floresceu nas redondezas um mercado de guardadores de objetos.

2) Sala de espera

Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Depois da segurança, o solicitante passa rapidamente por um corredor com as paredes cheias de obras de artistas plásticos gaúchos e pôsteres norte-americanos. Dali, chega-se a uma ampla sala de espera, onde funcionários conferem se agendamento e documentos estão corretos. Se faltar alguma coisa, os solicitantes serão informados que deverão voltar em outro momento com a documentação completa.

3) Atendimento a americanos

Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Saindo da sala de espera, os solicitantes passarão por um corredor onde, à esquerda, há uma sala reservada para o atendimento aos americanos, realizado no período da tarde.

4) Atendimento final

Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

No saguão principal, o solicitante passará primeiramente pelo guichê 1, onde pegará uma senha de atendimento. Depois, é chamado ao guichê 2, onde um funcionário americano confirma novamente o agendamento e os documentos. Então, pode sentar-se nas cadeiras para esperar que a senha seja chamada em um telão e também por meio do sistema de som. Nesse espaço, há banheiros e água disponíveis.

5) Entrevista

Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

O solicitante, então, é direcionado a algum dos outros 12 guichês, onde um funcionário americano analisará os documentos e fará algumas perguntas sobre sua viagem (para qual cidade irá, o que fará nos Estados Unidos, onde irá se hospedar, o que pretende visitar...) e sua vida no Brasil (profissão, emprego, família...). Com base nessas informações, o agente aprova ou rejeita o pedido de visto. O solicitante não sai com o documento em mãos — deve escolher entre retirar o passaporte no CASV ou que ele seja entregue pelos Correios.

O que levar
- Passaporte válido
- Qualquer outro passaporte antigo com visto
- Página da confirmação da solicitação (a ser impressa depois que o solicitante concluir o processo online)
- Qualquer documento que ache necessário para a entrevista

O que não levar
- Relógios e pulseiras
- Aparelhos com USB, funções de frequenciamento, GPS e bluetooth; pendrive e cartões de memória
- Lanternas e laser e calculadoras
- Câmeras digitais, modens, computadores, CDs, DVDs e blu-ray
- Telefones celulares (mesmo desligados); carregadores, cabos e similares; fones de ouvido
- Armas (caneta tinteiro, facas, canivetes, cortador de unhas, tesouras, alicate de unhas, lixas com pontas finas)
- Isqueiros, cigarros
- Perfumes, cremes, xampu, creme dental, maquiagem em geral, aerossol, remédios
- Alimentos, líquidos, mamadeiras

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.