Porto Alegre

Crianças e adolescentes de projeto social conquistam medalha de ouro em mundial de jiu-jítsu

Seis alunos da Aldeia da Fraternidade, no Bairro Tristeza, voltaram de São Paulo, onde aconteceu a competição, com medalhas de ouro e prata

19/07/2017 - 08h00min | Atualizada em 19/07/2017 - 08h00min
Crianças e adolescentes de projeto social conquistam medalha de ouro em mundial de jiu-jítsu Isadora Neumann/Agência RBS
A partir da esquerda:  Rian, Diana e  Evelyn (atrás), Ritchelly, Yasmim e Marcel (na frente) Foto: Isadora Neumann / Agência RBS  

Há três anos, o projeto de jiu-jítsu da Aldeia da Fraternidade, instituição do Bairro Tristeza para crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade, começava a transformar a vida da gurizada. Agora, eles tiveram mais uma prova de que treinar com disciplina e se dedicar ao esporte vale a pena: seis atletas da entidade trouxeram para casa, na segunda-feira da semana passada, medalhas de ouro e de prata do campeonato mundial disputado em São Paulo.

— Nos treinos, começamos a ver que tinha a gurizada que treinava para o lazer e a que treinava mais sério. Fizemos uma equipe de competição porque sabíamos que ia ter a disputa. O professor tomou a decisão de levá-los ao mundial. Era um sonho — conta Simone Oliveira, 35 anos, pedagoga e coordenadora do eixo Esporte e Lazer da Instituição.

Ao todo, sete atletas viajaram para participar do mundial: Diana Regina, 13 anos, Rian Costa Silva, 13, Evelyn Maciel, 13, Yasmym Oliveira, oito, Ritchelly Andrelis, nove, Miguel Soares, 12, e Marcel Maciel, 11. 

Dentro do centro de treinamento do Aldeia, idade ou peso pouco importam, ao contrário das competições. Meninos treinam com meninas, e mais velhos com mais novos. Uma maneira de variar os treinos e testar os limites de força de cada um. Para prepará-los, o professor cobrou com dureza nos treinos.

— Eu estou cansada, mas o professor diz: ¿Luta com ela! Agora, com ele... Agora, com ela...¿ — ri Yasmim.

Yasmim e Ritchelly (em cima): rivalidade só na hora da luta Foto: Isadora Neumann / Agência RBS

Transformação

O trabalho com as crianças na Aldeia, que ainda oferece aulas de música, recreação e esporte, serve para ajudá-las também nos desafios da vida. No jiu-jítsu, alunos agressivos aprendem que golpes só são aceitos nos treinos, que acontecem três vezes por semana. E para competir é preciso ter boas notas. Pouco a pouco, eles foram entendendo valores como disciplina e perseverança. 

— O objetivo do projeto não é fazer grandes campeões, mas ver a mudança no dia a dia desses jovens — diz o professor de jiu-jítsu Eduardo Oliveira Rodrigues, 32 anos. 

No dia a dia, os próprios jovens percebem as transformações.

— Agora, vou bem na escola — diz Diana. 

A atividade também ajudou Marcel, que costumava brigar com os colegas. 

— A mãe dele era chamada na escola toda semana — lembra Simone, enquanto ele concorda. 

Diana (D) e Evelyn foram medalhistas Foto: Isadora Neumann / Agência RBS

Campeões de perseverança

O projeto é considerado um sucesso também por unir a comunidade e aumentar a autoestima das famílias, que veem seus filhos progredindo na escola e no esporte. Porém, apesar de todo o empenho de professores e atletas, a realidade pesa: nas competições internacionais, as desigualdades ficam explícitas. 

Com falta de patrocínio e auxílio para competições, as famílias, para conseguirem arcar com os custos de levar de avião as crianças, precisam apertar o orçamento, complementar a renda vendendo alimentos e até trabalhar em mais turnos.

Os quimonos são contados, e os tamanhos, limitados. Uns herdam dos outros, mas, aos poucos, param de servir. É por doações que eles conseguem novos fardamentos. O sonho do projeto, entre tantos outros, é ter um vestiário com chuveiros. 

— Eles veem outras crianças chegando de táxi, com bebida isotônica na mão. Tudo isso pesa, mas eles nos dão uma grande lição de vida: continuam treinando, dividem as camas, ajudam uns aos outros com as roupas durante a viagem — pondera Simone. 

Para participar do programa e frequentar a escola, algumas crianças têm de pegar mais de dois ônibus para chegar ao Aldeia, onde eles encontram os amigos que consideram família. Os irmãos Marcel e Evelyn, que moram no Bairro Belém Velho, enfrentam uma longa jornada até a Tristeza, todos os dias, mas não se queixam. 

— Vale o esforço. Ela foi campeã, e eu, vice — diz Marcel apontando para a irmã.

Miguel leva os treinos a sério Foto: Isadora Neumann / Agência RBS

Saiba mais

/// Apenas jovens matriculados na Aldeia da Fraternidade podem participar do programa de jiu-jítsu. 

/// A matrícula é feita mediante cadastro e seleção com base no grau de vulnerabilidade social. 

/// Informações pelo telefone (51) 3268-3313.



 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.