Economia

Para driblar o aumento da gasolina, confira se o posto oferece desconto no pagamento à vista

Economia vale para quem tem o dinheiro na mão. Se precisar usar o usar limite do cheque especial, é furada.

24/07/2017 - 17h29min | Atualizada em 24/07/2017 - 17h29min
Para driblar o aumento da gasolina, confira se o posto oferece desconto no pagamento à vista Erik Farina/Agência RBS
Posto na Getúlio Vargas oferecia gasolina comum a R$ 3,859 para quem pagasse à vista. No crédito, custava R$ 0,10 a mais Foto: Erik Farina / Agência RBS  

Pagar à vista ou com cartão de débito o combustível pode revelar preços mais vantajosos aos motoristas. Diante do aumento do imposto sobre a gasolina, anunciado na quinta-feira passada (20) pelo governo federal, alguns postos passaram a reforçar promoções que diferenciam preços conforme o meio de pagamento.

Leia mais
Redes sociais reagem ao aumento da gasolina; veja críticas e memes
Postos contrariam previsão do governo e aumentam gasolina em até R$ 0,65
Ranking do Procon aponta preço da gasolina em mais de 50 postos na Capital

Na Avenida Getúlio Vargas, 525, quase esquina com a Avenida Ipiranga, no Bairro Menino Deus, em Porto Alegre, um posto de bandeira BR vendia gasolina comum por R$ 3,859 na tarde desta segunda-feira (24) para quem pagasse com dinheiro vivo ou à vista no cartão de débito. Quem pagava no cartão de crédito desembolsava R$ 0,10 a mais.

— Esse desconto para dinheiro corresponde às taxas do cartão que deixamos de pagar à operadora. No caso do débito, oferecemos um preço mais baixo porque, mesmo que paguemos taxas, o dinheiro entra mais rápido na conta do que quando é o crédito — explica a gerente Iris Maria Bobrowski.

Não vale entrar no rotativo

Para encher o tanque de um carro popular com 40 litros naquele estabelecimento, o valor era R$ 154,36 à vista. No crédito, a conta subia para R$ 158,36 (2,59% a mais). Entretanto, vale o alerta: deve-se pagar à vista apenas quando se tem dinheiro na conta, uma vez que quem for entrar no negativo irá esbarrar em outra "mordida": o juro do cheque especial, que passa de 13% ao mês — ou seja, muito acima do desconto.

Um pouco mais adiante na mesma avenida, um posto de bandeira branca oferecia descontos ainda mais audazes: o litro da gasolina comum baixava de R$ 3,789 para R$ 3,609 se fosse pago no débito ou em dinheiro.

— O patrão também consegue um preço melhor quando compra à vista da distribuidora e repassa ao cliente — explica o frentista Artur Bernardes.

Nesse caso, encher o tanque de um carro popular (considerando 40 litros), que custaria R$ 151,56 no cartão de crédito, sairia R$ 144,36 em dinheiro ou no débito. 

Tendência deve estimular a concorrência

Conforme o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes no Rio Grande do Sul (Sulpetro), Adão Oliveira, desde que a legislação passou a permitir a cobrança diferenciada para pagamento em dinheiro no comércio, diversos postos passaram a oferecer descontos na gasolina.

— Hoje, ainda são poucos os postos que oferecem essa diferenciação, mas a tendência é de que a concorrência estimule outros a seguirem o mesmo caminho — afirma Adão.

A nova norma, mencionada por Adão, vigora desde dezembro de 2016 e é reivindicação antiga dos comerciantes, pois ajuda a diminuir o impacto das taxas cobradas por operadoras nas transações feitas em cartões de crédito ou de débito. Uma das regras é que os comerciantes informem, de maneira clara e pública em placas, a possibilidade de descontos para pagamento à vista. 

Diretora-executiva do Procon Porto Alegre, Sophia Martini Vial salienta que o comerciante não pode destacar somente o valor à vista mais baixo nas placas, como fez o posto da Avenida Getúlio Vargas, 525:

– Tem que informar os dois valores (à vista e a prazo) em local visível para o consumidor. Ele não pode ser surpreendido na hora de pagar com um valor maior. 

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.