Saúde

Porto Alegre registra 11 emergências com superlotação

Com o frio, sobe a demanda em hospitais e Unidades de Pronto Atendimento na Capital

19/07/2017 - 18h40min | Atualizada em 19/07/2017 - 18h51min
Porto Alegre registra 11 emergências com superlotação Félix Zucco/Agencia RBS
Emergências que enfrentam superlotação trabalham com restrições no atendimento em Porto Alegre Foto: Félix Zucco / Agencia RBS  

Na tarde desta quarta-feira (19), Porto Alegre registrou 11 emergências - entre hospitais e Unidade de Pronto Atendimento (UPA) - superlotadas. Segundo a Secretária Municipal de Saúde (SMS), a procura por atendimento na rede aumenta consideravelmente com a chegada do inverno. 

Com exceção do Hospital Materno Infantil Presidente Vargas (HMIPV), todos os hospitais que atendem pelo Sistema Único de Saúde (SUS) na cidade estão com emergências superlotadas: Clínicas, Conceição, Instituto de Cardiologia, Restinga, Santa Clara (Santa Casa), São Lucas da PUCRS e Santo Antônio (Santa Casa).

A situação mais grave é a do Hospital São Lucas da PUCRS. Em 15 leitos disponíveis na emergência para adultos, 29 pacientes estão em observação. Outras quatro pessoas aguardam vaga na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e 19 esperam por internação. 

Leia mais: 
No dia mais frio do ano, telefone da prefeitura para ajuda a morador de rua não atendeu
Com R$ 500 mi comercializados, MedPlex começa a ser entregue em agosto em Porto Alegre
Polícia acredita que frio causou morte de homem na Avenida Goethe, em Porto Alegre

Na UPA do bairro Bom Jesus, há sete leitos para pacientes, com 19 pessoas internadas em observação - outras oito aguardam por vaga na UTI. Para agravar a situação, mais de 20 pacientes estão na fila por atendimento. Segundo a SMS, o tempo de espera na unidade é de cerca de 2h30min. Já a unidade Moacyr Scliar, na Zona Norte, apresenta dados alarmantes na emergência infantil: dos quatro leitos disponíveis, 10 crianças estão internadas e outras 10 aguardam por vaga.  

Os hospitais Moinhos de Vento e Dom Vicente Scherer, do complexo da Santa Casa, que atendem por convênio, também enfrentam restrições no atendimento adulto.

Para evitar a superlotação em emergências, a SMS orienta que a população busque atendimento conforme o quadro específico de saúde de cada paciente. Em casos sem gravidade, por exemplo, de acordo com um levantamento feito recentemente pela secretaria, 90% dos casos são resolvidos nas duas Unidades de Saúde Básica (UBS) que funcionam em horário estendido, até às 22h: Posto de Saúde Modelo, no bairro Santana, e São Carlos, no Partenon.

No total, são 141 UBSs em Porto Alegre. Com exceção das unidades que funcionam em horário estendo, as demais ficam disponíveis apenas para pacientes conforme a área de abrangência de cada unidade de saúde. No levantamento, a secretaria constatou que, por uma questão cultural, mais de 75% da população que procura unidades de emergência e urgência são classificados com pulseiras verdes ou azuis (casos sem gravidade emergencial).

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.