Direitos

Teve o veículo furtado na área azul e quer pedir indenização? Saiba se é possível

Procon Estadual e Tribunal de Justiça do Estado afirmam que o motorista paga para ocupar a vaga do estacionamento público por tempo determinado, não pela segurança do veículo. 

05/07/2017 - 11h18min | Atualizada em 05/07/2017 - 11h53min
Teve o veículo furtado na área azul e quer pedir indenização? Saiba se é possível Lívia Stumpf/Agencia RBS
Foto: Lívia Stumpf / Agencia RBS  

Quem paga para deixar o carro em uma das 4,8 mil vagas do estacionamento rotativo de Porto Alegre, a área azul (fiscalizada pela Empresa Pública de Transporte e Circulação — EPTC), pode pensar que está garantindo mais do que o direito de permanecer no local. E isso pode ir ao ponto do proprietário acreditar que é justo ser ressarcido pelo furto ou roubo do veículo estacionado na vaga. Só que esse não é o entendimento da Justiça nem dos órgãos de defesa do consumidor.

Leia mais
Corte de recursos afeta Instituto Federal do Rio Grande do Sul
Cinco linhas de lotação de Porto Alegre terão mudança no trajeto. Confira quais

Segundo o desembargador Túlio Martins, presidente do Conselho de Comunicação do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS), o número de ações com essa reivindicação não é expressivo. Como chegam ao TJ-RS na categoria de Direito Civil não especificado, se misturam a centenas de outras demandas. Ele lembra de ter julgado o recurso de poucos casos. Em todos, a decisão manteve a posição da primeira instância: furto de veículo em estacionamento público como a Área Azul não dá direito a indenização.

— As decisões todas são nesse sentido. Não se reconhece o direito a ressarcimento porque não existe o dever de guarda no serviço, não é de segurança. É apenas de organização de determinados espaços públicos, na maioria dos casos terceirizado para uma empresa. No Centro de Porto Alegre, por exemplo, havia quem estacionasse às 8h30min e deixasse o carro na vaga até a noite, ninguém mais a usava — conta o desembargador.

É o mesmo entendimento da diretora-executiva do Procon RS, Maria Elizabeth Pereira, que vale para qualquer área pública com estacionamento rotativo.

— É uma simples locação de espaço público para controlar as vagas, proporcionar uma maior rotatividade. Por isso, não gera nenhuma responsabilidade para a prefeitura ou para a empresa que controla o espaço.

Em estacionamento privado, a história é outra

Maria Elizabeth pondera que, no caso de estacionamentos privados, o caso muda de figura, sendo possível pedir ressarcimento do prejuízo. Situação comum, lembra ela, em shoppings e supermercados.

— Aquelas placas de "não nos responsabilizamos" não têm valor nenhum. Porque não é espaço público, é privado. O estabelecimento está oferecendo uma vaga para estimular o cliente a consumir. E se o consumidor está lá, o veículo está sob responsabilidade deles — complementa a diretora-executiva do Procon RS.

Vale o mesmo para os estabelecimentos que não cobrem taxas, garante Maria Elizabeth, lembrando que a gratuidade é incentivo para comprar no local. O consumidor deve procurar, primeiro, o estabelecimento. Se o local não se responsabilizar, deve ir ao Procon mais próximo, que tentará a mediação. Em último caso, com a própria documentação do caso junto ao Procon, o consumidor pode buscar indenização na Justiça.


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.