Guerra de versões

Vereador Nagelstein e servidor trocam agressões dentro de secretaria em Porto Alegre

Fato ocorreu na tarde desta sexta-feira, em prédio no Centro Histórico

Por: Eduardo Rosa e Bárbara Müller
07/07/2017 - 17h06min | Atualizada em 07/07/2017 - 20h49min
Vereador Nagelstein e servidor trocam agressões dentro de secretaria em Porto Alegre Montagem sobre fotos de arquivo pessoal e Ederson Nunes/CMPA/Divulgação /
Foto: Montagem sobre fotos de arquivo pessoal e Ederson Nunes/CMPA/Divulgação  

Uma briga entre um parlamentar e um servidor municipal dentro de um prédio da prefeitura de Porto Alegre na tarde desta sexta-feira (7) virou caso de polícia e guerra de versões. Enquanto o vereador Valter Nagelstein (PMDB) relata ter sido empurrado no corredor do edifício no Centro Histórico — o que teria originado uma reação sua —, o funcionário da Secretaria Municipal de Urbanismo (Smurb) José Augusto Marchand diz que foi chamado em uma sala e sofrido agressões do vereador.

De acordo com Marchand, a origem do conflito estaria no dia anterior — ele e mais alguns colegas comentaram uma publicação do vereador no Facebook sobre a polêmica de quarta-feira (5) na Câmara Municipal (que aprovou o aumento da alíquota da contribuição previdenciária dos servidores), o que causou contrariedade do parlamentar.

Leia mais:
Após tumulto, Câmara aprova aumento da contribuição previdenciária 
Após freada brusca de ônibus, cobrador é projetado contra vidro e fica ferido
Marchezan anuncia que Porto Alegre terá legislação para regulamentar parklets

Conforme Marchand, nesta sexta-feira, ele foi surpreendido enquanto estava na sala em que trabalha na Smurb, por volta das 14h20min:

— Ele (Nagelstein) me chamou, e fomos até a sala ao lado para conversar.

O vereador confirma que chamou o servidor, mas que eles permaneceram no corredor do prédio.

— Passei em frente à sala dele (Marchand) e o chamei: "Tu podes conversar comigo?" — conta Nagelstein. — Fui atacado no corredor da secretaria, com ofensas. Ele investiu para cima de mim, e eu apenas me defendi na circunstância — acrescenta.

Marchand, por sua vez, afirma que os dois entram em outro ambiente, onde o parlamentar teria começado a agredi-lo:

— Ele simplesmente me deu três tapas na cara. Eu nem encostei nele, nem esbocei gestos para me defender.

O vereador relata que não havia testemunhas no momento das agressões.

— Era só eu e ele, só nós dois. Depois, houve uma discussão. Quando eu me defendo e repilo a investida dele, se seguiu uma discussão. E, nessa discussão, vieram os servidores que estavam lá — sustenta.

De acordo com Marchand, a briga foi separada por cerca de 15 pessoas:

— Ele ficou totalmente enfurecido e talvez tivesse partido mais para cima de mim se não tivesse chegado gente para separar.

Por volta das 16h30min, enquanto o servidor registrava ocorrência na 2ª Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA), no bairro Santana, o parlamentar adotava a mesma medida a pouco mais de três quilômetros, na 1ª Delegacia da Polícia Civil (Centro).

Na quinta-feira, o vereador Valter Nagelstein publicou um texto no Facebook:

Foto: Reprodução / Facebook

Mais tarde, no mesmo dia, o servidor respondeu:


Foto: Reprodução / Facebook


Foto: Reprodução / Facebook
 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.