Zona Leste

VÍDEO: Marchezan participa de evento no bairro Partenon e enfrenta protesto de sindicato

Chefe do Executivo participou do projeto Prefeitura nos Bairros, que oferece serviços à comunidade

02/09/2017 - 16h38min | Atualizada em 02/09/2017 - 20h08min

Ao participar da 6ª edição do projeto Prefeitura nos Bairros, neste sábado, o prefeito Nelson Marchezan enfrentou mais uma manifestação do Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa). O evento ocorreu na Praça Dom Silvério, no bairro Partenon, onde mais de 50 serviços foram oferecidos para a comunidade ao longo do dia.

As atividades começaram às 10h, mas Marchezan chegou por volta das 11h e passou a visitar estandes de serviços. Muito assediado para fazer selfies, demonstrou bom-humor e atendeu aos pedidos. Depois de sair da Escola Dr. José Carlos Ferreira, onde estavam sendo oferecidos serviços como de cartório, o prefeito deparou com o grupo de manifestantes, que pedia "Fora, Marchezan" e o chamava de "mentiroso".

Leia mais:
Marchezan nomeia auditor do TCE para Secretaria de Transparência
Governo Marchezan teve 12 baixas em oito meses

Foto: Adriana Irion / Agencia RBS

Marchezan, sempre acompanhado pelo secretário municipal da Cultura, Luciano Alabarse, prosseguiu no roteiro e caminhou entre os manifestantes, que balançavam cartazes e faixas e gritavam "a Carris é nossa, o Dmae é nosso, pague os salários". Em meio ao empurra-empurra, o prefeito parava para ouvir representantes da comunidade e atender a mais pedidos para fazer fotografias.]

Sobre a presença de manifestantes, o chefe do Executivo fez críticas:

— Este é um espaço da prefeitura para entregar serviços públicos. O Simpa está invadindo o espaço, atrapalhando os servidores que estão trabalhando e levando mais intranquilidade para a comunidade, que já convive com índices altos de criminalidade. O Simpa é um dos grandes responsáveis pela prefeitura estar em situação de falência, por essa raiva, essa briga interna, que nunca foi capaz de construir um caminho sustentável para a cidade, e é isso que vamos fazer, com Simpa ou sem Simpa. Convidamos eles para reuniões e para sugerir alternativas e sempre calaram.

O Simpa reagiu.

— O prefeito mente. Dia 31, quando parcelou os salários, pagando todas as contas da prefeitura, sobraria ainda R$ 280 milhões em caixa, a folha não chega a R$ 150 milhões. Ele está parcelando para desafiar a Justiça. Ele não conseguiu provar para o juiz a farsa da ficção da crise do caixa. Se olharmos essa praça, ele não foi capaz de mandar o serviço de poda para dar uma disfarçada. Vir aqui anunciar corte de cabelo como serviço público é uma tragédia para a cidade. Queremos política de educação, saúde e segurança. Não estamos aqui numa pauta corporativa, mas também para defender as condições do serviço público para a população — disse Jonas Reis, diretor-geral do Simpa.

Na praça, crianças e adultos aproveitaram as atividades. Teve jogo de futebol, capoeira, aula de música, teatro, escolinha de bike, serviços de saúde, testagem rápida para HIV, sífilis e hepatites, entre outros. Um dos serviços mais cobiçados foi o Cabide Solidário, tenda onde as pessoas podiam escolher peças de roupas arrecadadas na campanha do agasalho.

— Quando nos aproximamos da realidade, vimos que tem pessoas sem tempo durante a semana para acessar serviços públicos. Trazemos aqui quase todos os serviços da prefeitura e em parceria com outras estruturas. Os bairros escolhidos precisam ter dois critérios, os menores índices de desenvolvimento humano da cidade ou os maiores índices de criminalidade. Se a gente tivesse condições, gostaríamos de fazer essa atividade todos os sábados, pois proporciona interação da estrutura pública com a comunidade — disse o prefeito.

Diversos secretários municipais estiveram presentes no evento e eram chamados para atender reivindicações de moradores. Foi o caso do diretor de Esportes, Celso Piaseski, requisitado pelo prefeito para ouvir a demanda de Cauã da Silva Ullman e de José Cassiano da Rocha Moreira, ambos de 11 anos: "queremos uma escolinha de futebol, mas tem que ser perto".

Por volta das 13h, o prefeito subiu no palco do caminhão da secretaria da Cultura e se dirigiu ao Simpa:

— Não vamos deixar de estar presentes em qualquer comunidade de Porto Alegre para levar serviços básicos. O Simpa, fazendo essa gritaria, instigando o ódio, falando agressões, está aumentando o risco de um incidente. Quero pedir a compreensão do Simpa, que representa o PT e o PSOL, que permita a comunidade receber os serviços, que faça seus protestos em outros locais e não nessa estrutura municipal de trabalho.

Depois de falar, Marchezan participou de um almoço na comunidade.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.