Caça ao tesouro

Garis ou garimpeiros? Limpeza no Arroio Dilúvio mostra descaso da população

DMLU inicia nova etapa de limpeza do arroio. Em limpezas anteriores, garis encontraram sofá, colchões, bicicleta, roupas e até uma banheira de hidromassagem

Por: Jéssica Rebeca Weber
14/09/2015 - 15h22min


O banho que Maurício Padia da Silva, 38 anos, tomou na manhã desta segunda-feira no Dilúvio em nada tem a ver com os mergulhos que dava três décadas atrás — costumava saltar da ponte para nadar próximo à Avenida Érico Veríssimo quando criança. Um dos 25 garis que participam da operação de limpeza do arroio, realizada por cooperativa a serviço do Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU), Maurício acabou caindo dentro da água quando o galho sobre o qual se apoiava para pegar o bote quebrou.

— Há 30 anos, o cara tomava banho e não dava nada. Agora tá aqui: puro esgoto — diz, mostrando a roupa suja. — Sem contar que está fedendo.

De Graforréia a Magal, projeto espalha trechos de clássicos por Porto Alegre
"Vai ser um baque", diz comerciante que será removido do Gasômetro

A limpeza de superfície deve durar cerca de 50 dias, com a remoção de resíduos sólidos entre as pontes das avenidas Edvaldo Pereira Paiva e Antônio de Carvalho. Neste ano, é a segunda grande ação realizada: entre fevereiro e março, foram removidas 15,5 toneladas de lixo, que se somam às mais de 450 toneladas retiradas em 2013 e 2014. Além do descarte direto, a sujeira do Dilúvio provém de ligações irregulares de esgoto e resíduos arrastados pela água da chuva.

Na manhã desta segunda-feira, a equipe encontrou até um cachorro morto dentro de uma sacola de lixo. Os operários contam que, em limpezas anteriores, já acharam colchões, bicicleta, sacos com seringas, pneus, roupas, sofá, cama, carrinho de supermercado,  grande quantidade de garrafas pet e até banheira de hidromassagem:
 
— Bah, foi um caos para tirar de dentro, um peso do cão — lembra Antônio Freitas.

Estreantes em ONG, novos doutores palhaços levam sorriso a hospital de Porto Alegre
Técnico de máquina de escrever resiste há 44 anos no centro de Porto Alegre

Para ele, se os moradores tivessem que fazer o trabalho que ele faz, pensariam duas vezes antes de poluir.

— Com certeza, eles iam se conscientizar — afirma.

Conforme o Novo Código de Limpeza Urbana, jogar, descartar ou abandonar resíduos nas margens ou dentro de rios, córregos e arroios é considerado infração gravíssima, e o infrator fica sujeito a multa de R$ 4.757,62.

Direitos iguais: piscina de bolinhas na Capital também permite adultos
Com talude do Dilúvio pronto, ciclovia da Ipiranga volta a ser liberada

*Zero Hora

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.