Cultura da bike

Veja onde fazer pequenos reparos de graça na sua bicicleta na Capital

Iniciativas de ciclista para ciclista buscam incentivar o uso da bike como meio de transporte e dar mais segurança a quem a utiliza

Por: Jéssica Rebeca Weber
27/06/2016 - 16h31min | Atualizada em 27/06/2016 - 18h12min

O pneu da bicicleta do técnico em hidrologia Marco Vinícius Martins, 37 anos, furou quando ele voltava de um ensaio da sua banda na Cidade Baixa. Ele podia deixar a bike pegando pó na garagem por semanas, ou até mesmo aposentar a pobre magrela por pura preguiça, mas foi ao biciponto perto da sua casa para fazer ele mesmo o reparo, sem gastar nada.

— Venho sempre que preciso subir o banco, trocar ou então consertar o pneu, como é o caso de hoje. Quando o assunto é bicicleta, o poder público deixa a desejar, mas os ciclistas estão bem engajados para que a gente possa andar na rua com mais segurança — opina Martins.

Projeto que busca incentivar o uso da bicicleta disponibilizando ferramentas de reparos básicos em pontos comerciais e gastronômicos, o Biciponto é uma das iniciativas feitas de ciclistas para ciclistas que têm pipocado pela Capital. No site biciponto.com, há um mapa com seis estabelecimentos onde o próprio ciclista pode ajustar o freio ou o câmbio, calibrar o pneu e fazer um remendo na câmara, e não é preciso pagar para usar a pequena oficina. O projeto lançado em maio ainda realizará um workshop de mecânica básica nesta terça-feira, a partir das 19h no Vulp — bici café localizado na Rua Bento Figueiredo, bairro Rio Branco, que foi o inclusive o biciponto piloto. O evento é gratuito e não é preciso fazer inscrição antecipada.

Martins vai com frequência no biciponto do café Vulp para fazer reparos na bi Foto: Jéssica Rebeca Weber / Agência RBS

Leia também:
Editor conta como foi passar um mês em duas rodas nas ruas de Porto Alegre
Taxista de Porto Alegre usa suporte para transportar bicicletas

Um dos idealizadores do Biciponto é o publicitário Cadu Carvalho, que também ajudou a fundar a associação Mobicidade, é voluntário na rede Bike Anjo e participou da Cidade da Bicicleta. Há oito anos Cadu tem a bike como principal meio de locomoção, e destaca que vê com esperança os novos projetos que surgem:

— Porto Alegre tem uma galera com muita disposição de fazer as coisas aconteceram. Mesmo você estando envolvido com isso há bastante tempo, é legal ver que tem gente nova fazendo coisas que você não imaginava.

Um dos projetos a que ele se refere é o WeBike, criado por jovens estudantes da UFRGS no ano passado para promover o compartilhamento de bicicletas. Os alunos de engenharia ambiental Lorenço Boettcher, 21 anos, e de administração, Ricardo Perozan, 21, contam que o grupo teve a ideia durante um churrasco, enquanto observava um monte de bicicletas juntando poeira na garagem de um prédio. Eles destacam que têm como objetivo contribuir com a mobilidade urbana e com o sonho de uma sociedade mais sustentável, além de fazer "o verdadeiro bike-sharing, de pessoas para pessoa".

— Se a bike está parada, por que não pode ser compartilhada? — questiona Ricardo.

Estudantes da UFRGS, Ricardo e Lorenço são dois dos idealizadores da plataforma de compartilhamento de bicicletas Foto: Jéssica Rebeca Weber / Agência RBS

Leia mais notícias de ZH Pelas Ruas

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.