Três décadas de trabalho

Aposentado precisa de R$ 50 mil para concluir projeto de "carro-lancha" em Porto Alegre

Seu Telmo, 75 anos, já gastou cruzeiros, cruzados e cruzados novos na construção do Cabra — Carro Anfíbio Brasileiro

Por: Jéssica Rebeca Weber
21/07/2016 - 18h45min | Atualizada em 21/07/2016 - 19h53min

No segundo andar de um prédio usado como estacionamento no bairro Jardim Botânico, o aposentado Telmo Flores de Siqueira, 75 anos, guarda seu trabalho de três décadas: o protótipo ainda não finalizado do projeto Cabra. Ironicamente, o Cabra em nada tem a ver com o animal de chifres e barba — na verdade, seria mais justo se o nome lembrasse um sapo. Mas foi no que deu a sigla de Carro Anfíbio Brasileiro.

— É um sonho antigo, do tempo da juventude. Tive a ideia de fazer um veículo que pudesse ser usado não apenas nas rodovias, que estão sucateadas, mas nesse manancial hídrico maravilhoso que temos no Rio Grande do Sul — explica seu Telmo.

Leia também:
Para driblar a crise, pipoqueiro da Rua da Praia cria o cartão "Smilhos"
Veja onde fazer pequenos reparos de graça na sua bicicleta na Capital
Gaúcho Oriental é transferido e placa "erra as contas" da Revolução Farroupilha

Com exceção dos trabalhos de torno, o aposentado, que tem formação em engenharia agrônoma, construiu o veículo/embarcação: desenhou, fez a carroceria com fibras de vidro e carbono, trabalhou na parte mecânica. Nesta semana, chegou a carta da patente do "carro anfíbio multitração e multiversões", que havia solicitado em 2013. 

Com o ambicioso objetivo de ver sua invenção produzida em escala industrial, explica que o seu carro será tracionado por rodas, hélice aérea, conjunto de hélice e rodas, vela e a remo também — que servirá até como musculação, acrescenta o senhorzinho carismático que chama de "esmartphone" seu modelo antigo de celular pintado de esmalte na ponta. E ele ainda pretende instalar asa de kitesurf no anfíbio.

Seu Telmo guarda sua invenção em um estacionamento na Rua Chile Foto: Adriana Franciosi / Agencia RBS

Antes deste protótipo, Telmo já havia criado e testado um modelo mais simples, usando uma construção de tubos metálicos para representar o carro. Testou ele com sucesso no Guaíba e também no Rio Caí, em sua cidade natal, Montenegro. Conta que teve de desmontá-lo quando um motorista bêbado destruiu a traseira do veículo. Logo após, em 1985, iniciou o projeto em que trabalha até hoje. 

É difícil até de calcular quanto dinheiro já investiu.

— O projeto já passou por tantas moedas — diz bem-humorado, citando cruzeiros antigos, cruzados e cruzados novos.

Telmo diz que já tentou se reunir com vários governadores e secretários para buscar patrocínio e nunca foi atendido. Para terminar a obra, ele calcula que necessita de mais R$ 50 mil, verba da qual não dispõe.

Ainda falta bastante coisa para que possa sair com o carro pelas ruas e pela água, como a compra do motor e das caixas de câmbio (que foram furtados) e o reforço da estrutura em fibra de carbono. Telmo também sabe que precisará das autorizações do Detran e da Marinha. Mas é otimista: diz que, se conseguir patrocínio, no ano que vem, realiza seu sonho.

— Eu estou fazendo 76 anos no dia 25 . Antes de completar os 77, tenho que estar com ele pronto: rodando e navegando. 

*Colaborou Bárbara Müller

Leia mais notícias de ZH Pelas Ruas


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.