Porto Alegre

Com edital atrasado mais de um ano, revitalização da Rua da Praia demora a sair do papel

Edital deveria ter sido lançado em novembro de 2015. Prefeitura afirma que licitação ocorrerá neste semestre

Por: Jéssica Rebeca Weber
29/07/2016 - 13h36min | Atualizada em 29/07/2016 - 13h37min

Em agosto do ano passado, os porto-alegrenses ficaram animados com as imagens do projeto de revitalização da Rua dos Andradas — popular Rua da Praia — divulgadas pela prefeitura. A Secretaria Municipal de Obras e Viação (SMOV) afirmou à época que o edital de licitação das obras no trecho de 305 metros entre as ruas General Câmara e Marechal Floriano seria lançado em 90 dias — prazo já atrasado com relação à primeira promessa, que apontava para o cumprimento da etapa ainda no primeiro semestre de 2015. Até hoje, ela não aconteceu.

De acordo com a pasta, a licitação não foi feita no último ano porque o município ainda não dispunha dos recursos da Corporação Andina de Fomento (CAF), mas agora a informação é de que o valor está disponível e o edital será lançado ainda neste semestre. O custo total da obra será de R$ 10 milhões, que devem ser financiados por meio do banco de desenvolvimento.

Imagem do projeto foi divulgada pela Secretaria de Obras em agosto do ano passado Foto: Smov / Divulgação

Leia também:
Após 4 anos, trecho em obras de corredor de ônibus da Bento foi entregue  
Buraco de mais de dois metros de profundidade é armadilha no Teresópolis
Três anos depois do incêndio, Mercado Público segue em obras

Enquanto as imagens de uma Rua da Praia mais valorizada não saem do papel, os frequentadores reclamam da sujeira, da insegurança, do calçamento estragado, dos prédios pichados, dos contêineres de lixo no meio da via e dos vendedores ambulantes que espalham seus produtos na passagem dos pedestres.

— Atualmente, a Rua da Praia é um lixo. Só pelos remendos (do calçamento) já dá para ver — diz o bancário Daniel Rocha, 54 anos, que trabalha no Centro há 36 anos.

— Eu já torci meu pé na Esquina Democrática (entre a Andradas e a Borges de Medeiros) por causa de irregularidade do solo — conta a comerciária Nádia Domingues Fernandes, 45 anos.

De acordo com o projeto, a rua será dividida em três conjuntos: a faixa central, em paralelepípedos de basalto, duas faixas laterais de concreto mais estreitas, que guardarão fiações e redes de esgoto, e, nas extremidades, o calçadão.

— Ela está precisando de uma revitalização urgente. Tomara que façam e que ela volte a ser o que era antes — torce Nádia. 

Problemas no calçamento é uma das reclamações mais frequentes dos moradores Foto: Reprodução / Reprodução

Leia as últimas notícias de ZH Pelas Ruas


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.