Porto Alegre 

Gaúcho Oriental é transferido e nova placa "erra as contas" do centenário da Revolução Farroupilha

Estátua doada pela comunidade uruguaia em 1935 foi retirada da Avenida João Pessoa e levada até o eixo monumental da Redenção nesta quarta

Por: Jéssica Rebeca Weber
20/07/2016 - 15h30min | Atualizada em 20/07/2016 - 17h04min

O Gaúcho Oriental fez um passeio pela Redenção na manhã ensolarada desta quarta-feira. A estátua de bronze de aproximadamente sete toneladas foi removida do ponto junto à Avenida João Pessoa e levada por um caminhão até o eixo monumental do parque, ao lado do chafariz.

— Não se vê isso todo o dia — disse a estudante Tainá Coleto dos Santos, 18 anos, que parou para observar a passagem.

Junto com o novo endereço dentro do parque, ganhou também uma nova placa em granito, réplica da original que era de bronze e foi roubada. Há, porém, erros nela. O primeiro é a data do centenário da Revolução Farroupilha: assinala "1835-1895", em vez de "1935". Também grafa que foi uma "homenaje de la colonia Uruguya", e não "Uruguaya". Verônica Di Benedetti, coordenadora técnica do projeto que está promovendo a revitalização dos monumentos da Redenção, informou que as alterações estão sendo providenciadas.

Leia também:
Proteção dos deuses do Olimpo "falha", e estátua da Redenção é destruída
Alvo de polêmica antes da Copa, Mek Aurio funciona como food truck em jogos no Beira-Rio

Foi a primeira vez que a obra foi transferida desde que doada pela comunidade uruguaia nas comemorações do centenário da Revolução Farroupilha, em 1935. Com a construção do viaduto sobre a Avenida Loureiro da Silva, na década de 1970, ela ficou em área desprestigiada e vulnerável a atos de vandalismo, de acordo com o coordenador de Memória e Cultura da Secretaria Municipal de Cultura (SMS) de Porto Alegre, Luiz Antônio Custódio. Por isso foi levada para um local mais movimentado, onde, pelo menos em tese, ficará mais segura e será mais vista.

A transferência não teve complicações e foi muito mais rápida do que o esperado: levou aproximadamente meia hora. Para o vice-presidente do Sindicato das Indústrias da Construção Civil do Rio Grande do Sul, Zalmir Chwartzmann, é o "grand finale" do projeto de recuperação dos monumentos do parque iniciado em 2014 pelo projeto Construção Cultural — Resgate do Patrimônio Histórico, do Sinduscon-RS. O próximo passo, segundo Verônica Di Benedetti, será a reconstrução das esporas e do relho do Gaúcho Oriental, que foram roubados.

— Os dados históricos e fotográficos ainda não estão muito claros, a gente precisa aprofundar um pouco mais a pesquisa para fazer com fidelidade — diz. 

A escultura mais autêntica do gaúcho

O monumento do Gaúcho Oriental tem esse nome porque foi um presente da comunidade uruguaia, que oficialmente se chama República Oriental do Uruguai, como explica Luiz Antônio Custódio, e é um símbolo do homem do Mercosul. A obra de Frederico Escalada é o monumento mais autêntico de gaúcho do ponto de vista antropológico, na avaliação do professor de escultura José Francisco Alves.

— Pela indumentária, ilustra o gaúcho como trabalhador rural, do campo. O nosso Oriental veio com bota garrão de potro e chiripá, em vez da bombacha que, por incrível que pareça, é recente — destaca.

O gaúcho está escorado em uma árvore, em uma posição mais descontraída. 

Inaugurada nesta quarta, réplica da placa original apresenta erros  Foto: Jéssica Rebeca Weber / Agência RBS

Leia mais notícias de ZH Pelas Ruas


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.