Fique alerta

Confira dicas para jogar Pokémon Go em segurança 

Brigada Militar relaciona cuidados para diminuir os riscos durante o jogo 

Por: Jéssica Rebeca Weber
05/08/2016 - 19h36min | Atualizada em 27/10/2016 - 15h54min

Se já era um desafio não ser assaltado em Porto Alegre caminhando alerta pelas ruas, imagina se você estiver com o celular na mão e a cabeça no mundo Pokemón Go. O jogo de realidade aumentada foi lançado na última quarta-feira no Brasil, e desde então é possível ver muita gente perambulando pela cidade em busca dos bichinhos. A Brigada Militar também está ligada na novidade — especialmente no perigo que ela pode representar.

O major Euclides Neto, chefe da comunicação social da polícia, diz que ainda não há registros de crimes em decorrência do jogo — apenas um relato, não confirmado, de roubo na Capital. Mas destaca que houve complicações em outros Estados e países e ressalta que o jogador não pode se transportar para o "mundo paralelo" da realidade aumentada, esquecendo-se de prestar atenção no local em que está transitando na vida real.

Leia mais:
Cinco lugares de Porto Alegre que você vai conhecer por causa das pokéstops 
O que explica o sucesso do Pokémon Go

Confira algumas dicas da Brigada Militar:

— Os pais devem redobrar a atenção com as crianças, certificando-se de que elas não deixem de realizar suas atividades normalmente. Também é preciso tomar cuidado para que elas não saiam sozinhas.

— Alerte os mais jovens pra não interagir com estranhos.

— Ao caçar os pokémons, evite locais afastados e com pouca iluminação.

— As pessoas não devem utilizar o jogo em avenidas movimentadas, observando se o sinal de trânsito está aberto ou fechado, evitando um atropelamento.

— Evite espaços totalmente abertos como parques e praças com pouca circulação de pessoas, principalmente à noite.

— Saia em grupo para jogar. Permaneçam unidos e sempre atentos à aproximação de pessoas estranhas.

— Os usuários têm a possibilidade de soltar iscas para atrair mais pokémons e consequentemente mais jogadores a um local determinado. Ladrões ou pessoas malintencionadas podem usar a prática para atrair as vítimas. Leve isso em consideração e dê preferência para ir a locais que você conhece.

— Não entre em propriedade alheia ou locais restritos em busca de monstrinhos. Lembre que invadir propriedade privada é crime.

— Caso for vítima de roubo, o jogador deve registrar o boletim de ocorrência.

Jogar na companhia de mais pessoas é uma das principais dicas do major Euclides Foto: Jéssica Rebeca Weber / Agência RBS

Todo cuidado é pouco

O Pelas Ruas percorreu, na tarde desta sexta-feira, alguns pontos onde os jogadores se sentem um pouco mais seguros para jogar: um shopping, uma universidade (PUCRS), além de espaços públicos cercados e bem movimentados (Jardins do Dmae e Parque Germânia). Na PUCRS, foi possível avistar muitos jogadores em grupos — o que é mais seguro e pode ser ainda mais divertido.

— A gente marcou ontem de noite em cima da hora, viemos entre oito pessoas — conta Rubens de Lima, 22 anos, que estuda na UFRGS e foi à PUCRS "só pra pegar Pokémon".

Quando Rubens joga na rua, deixa o celular dentro do bolso, porque o aplicativo faz o equipamento vibrar quando tem Pokémon por perto.

— Daí a gente entra em alguma loja e fica lá dentro para caçar Pokémon — complementa.

O metroviário Juliano Balbinot levou a filha e a sobrinha para caçar Pokémons na Zona Norte. Os três têm o aplicativo instalado no celular, mas a função do pai é semelhante à de um segurança:

— Elas ficam mais no celular, e eu, cuidando na volta — disse, na entrada do Iguatemi. 

Pokémon no Parque Germânia, na Zona Norte Foto: Reprodução / Reprodução

Leia mais notícias de ZH Pelas Ruas

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.