Conscientização

Espaço interativo chama atenção para prevenção e combate à aids em Porto Alegre

Visitantes são provocados a refletir sobre situações de risco e sobre o preconceito contra quem vive com a doença

Por: Bárbara Müller
01/12/2016 - 15h37min | Atualizada em 01/12/2016 - 15h58min

Uma estrutura fechada com tecidos vermelhos atrai olhares curiosos no Centro Histórico de Porto Alegre. Instalado nesta quinta-feira - Dia Mundial de Luta Contra a Aids, na Praça da Alfândega, o espaço provoca uma reflexão sobre a maneira como as pessoas encaram a doença. Organizada pela Secretaria Municipal de Saúde, a armação, chamada de "Os sentidos da prevenção", fica aberta ao público até o dia seis de dezembro.

—Nós queremos que as pessoas saiam com o olhar mais sensível. A gente tem que guardar o nosso preconceito no bolso e respeitar, tratar com dignidade e com solidariedade as pessoas que possuem HIV e aids — conta Simone Ávila, gerente de políticas públicas da SMS.

Com capacidade para até oito pessoas, a instalação tem cinco ambientes multimídia que buscam explorar os sentidos e as sensações de quem passa por cada um deles. Da entrada até a saída, o passeio de sete minutos estimula os visitantes a refletir sobre momentos em que o preconceito se faz presente, sobre situações de risco ao vírus e sobre formas de prevenção. O tour conta com a participação de três atores, que buscam sensibilizar o público, a fim de acabar com o estigma.

Veja também:
Ônibus de turismo é iluminado para passeios noturnos em Porto Alegre
Projeto social de Porto Alegre estimula crianças a se expressar por meio da arte  

Foto: Reprodução / ZH Pelas Ruas

A agente de saúde Márcia Schinoff, 41 anos, deixou a cabine com uma lição que levará para a vida:

— Foi maravilhoso! Essa visita é educativa, construtiva e é um acolhimento. Quem sai daqui, sai com um olhar diferente. O evento foi pensado com muito carinho e atenção para lidar melhor com o preconceito.

Na saída da estrutura, os visitantes ficam frente a frente com pessoas que têm HIV, que no mesmo instante recebem abraços e palavras de carinho. Para a empresária Yura Espíndola, 24 anos, portadora do vírus, essa troca, até então, tem sido bem bacana:

— A gente percebe que o sentimento e o carinho são verdadeiros. É muito importante nós estarmos nessa causa para mostrar que é possível viver com HIV, que a gente leva uma vida normal e que não precisa ter preconceito. Infelizmente, o vírus não está escrito na testa de ninguém, todos devem fazer o teste e ter esse cuidado.

As visitações podem ser feitas das 11h às 14h e das 17h às 20h nesta quinta, sexta e na próxima segunda e terça-feira. No sábado, os passeios serão realizados das 11h às 15h. A estrutura estará fechada no domingo. 

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.