Novos motoristas

Índice de reprovação para CNH tipo B é de quase 70% em 2016 no RS

No exame de direção, o candidato pode perder no máximo três pontos 

12/10/2016 - 15h39min | Atualizada em 12/10/2016 - 15h39min
Índice de reprovação para CNH tipo B é de quase 70% em 2016 no RS Felipe Daroit/Rádio Gaúcha/
Foto: Felipe Daroit/Rádio Gaúcha

Passar no teste para conseguir a carteira de habilitação não é tarefa fácil. Segundo dados do Detran/RS, 69% dos candidatos rodaram nos exames para o tipo B neste ano. De janeiro até agosto de 2016, apenas 23% das candidatas mulheres conseguiram passar nos testes práticos. Entre os homens, 55% foram reprovados. 

Há cinco anos, a aposentada Ana Maria dos Santos, 64 anos, tentou por duas vezes passar no teste e não obteve sucesso. Agora, ela decidiu tentar novamente. Mas conter o nervosismo está sendo difícil.

— Para quem tem mais idade, como eu, é muito difícil. Há cinco anos tentei e rodei na baliza duas vezes. Aí larguei tudo e voltei agora. Pior que eu sabia fazer baliza, mas no dia da prova comecei a suar, minhas mãos ficaram geladas. Foi um caos — contou.

Leia mais
EPTC começará a usar câmeras para multar nos corredores de ônibus
As últimas notícias de trânsito

Gabriela é instrutora de um Centro de Formação de Condutores (CFC) na Zona Leste há dois anos. Ela não vê diferença entre motoristas homens e mulheres. Os erros, segundo ela, geralmente são os mesmos.

— Eles têm muita ansiedade e pressa para acabar logo. Percebo também que há falta de disciplina para muitos. Isso impacta no resultado das provas — explicou.

O instrutor Luis Scarparo trabalha há oito anos em um CFC. Ele defende mais dias de treinamentos antes de os candidatos fazerem os testes.

— Eu acredito que deveriam ser mais dias de aula e diminuir a intensidade delas, que é de uma hora e 40 minutos. Na minha visão é muito tempo para o aluno e o instrutor. Para uma pessoa que está começando, ter que rodar 1h40min é bastante. Acho que fazendo isso, o aproveitamento seria melhor —avaliou.

Os números do Departamento Estadual de Trânsito mostram que em categorias específicias, como a A, que é para veículos de duas ou três rodas, a aprovação é bem superior. Foram 46 mil exames práticos com 72% de aprovação. Para as categorias C, D e E, a aprovação chega a 77%. Ainda de acordo com o departamento, os índices de aprovações e reprovações não mudam muito de ano para ano e estão dentro da média no Rio Grande do Sul.

No exame de direção, o candidato não pode perder quatro pontos. Errar a baliza, não colocar o cinto, avançar o sinal, ou desobedecer a sinalização, por exemplo, são consideradas infrações gravíssimas e o candidato reprova na hora.

Hoje, o custo para tirar uma carteira da categoria B é de R$ 1.959,94. Para categoria AB o valor chega a R$ 3.043,27. A pessoa tem que cumprir 20 horas de aulas práticas para depois poder fazer o exame. Sendo reprovada, ela remarca o exame e paga R$ 58,88 de taxas e mais R$ 39,90 de aluguel do carro.

Se ela não se sentir preparada, pode optar por fazer as aulas, novamente, pagando por hora. A pessoa tem 12 meses para conseguir ser aprovada no exame. Caso contrário, ela tem que fazer todo processo de novo e pagar o valor integral para tirar a carteira.

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.