Transporte público

Paralisação interrompe circulação de ônibus e afeta 140 mil passageiros, segundo a EPTC 

Em meio a discussão salarial, rodoviários de quatro empresas das zonas norte e leste interromperam o serviço entre 4h e 8h30min desta sexta-feira 

Por: Zero Hora
17/02/2017 - 09h56min | Atualizada em 17/02/2017 - 10h00min

A paralisação dos rodoviários das empresas Sopal, Nortran, VAP e Navegantes na manhã desta sexta-feira provocou transtornos a mais de 140 mil pessoas que dependem de ônibus nas zonas norte e leste de Porto Alegre. De acordo com a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), mais de 500 ônibus deixaram de circular.

Motivados pelo impasse sobre o reajuste salarial entre o Sindicato das Empresas de Ônibus de Porto Alegre (Seopa) e o Sindicato dos Rodoviários,  os rodoviários permaneceram nas garagens das empresas de ônibus desde as 4h da madrugada. Além disso, os rodoviários alegam que estão sem atendimento no plano de saúde — de acordo com eles, as empresas não realizaram o repasse mensal ao plano, mas descontaram o valor dos funcionários. 

Leia mais
Reunião sobre dissídio dos rodoviários de Porto Alegre termina sem acordo
Porto Alegre terá obras da Copa 2014 depois do Mundial de 2018
Prefeitura de Porto Alegre estima que capina seja retomada em março

— Eles estão nos desrespeitando. Eles cortaram nosso plano de saúde e não deram explicação. Eles simplesmente cortaram e no mês de janeiro foi descontado na folha — declarou Airton Maciel, diretor do Sindicato dos Rodoviários e funcionário da empresa Navegantes.

Conforme o assessor jurídico da Associação dos Transportadores de Passageiros (ATP) e do Seopa, Alceu Machado, as empresas ofereceram o índice de inflação do período — que ficou em 5,44% — em uma parcela. Na proposta anterior, esse percentual seria repassado em fevereiro e julho. O impasse, no entanto, ficou no vale-refeição: para manter o benefício durante as férias dos trabalhadores, as empresas querem manter o valor atual, de R$ 23,48.

Sem ônibus e com horário com o médico marcado na rede pública de saúde, Jackson e Daniela Costa, moradores do bairro Humaitá, na zona norte de Porto Alegre, caminharam cerca de quatro quilômetros com os filhos no colo na manhã desta sexta-feira.

Jackson e Daniela caminharam cerca de 4km para pegar o trem na Zona Norte Foto: Lucas Abati / Rádio Gaúcha

Enquanto carregava o bebê mais novo, Jackson explicou que o ônibus que normalmente pegaria, não passou na parada. A solução encontrada pelo o casal foi se deslocar até uma estação da Trensurb para conseguir chegar ao  Centro da Capital.

— Nós moramos lá perto da Arena e vamos até o Trensurb, para não perder o médico — afirmou Jackson.

Apenas perto das 9h a circulação de ônibus normalizou nas regiões afetadas, mas as consequências para quem depende do transporte público podem ser sentidas por mais algumas horas, segundo a EPTC.

*Com informações da Rádio Gaúcha.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.