Reforma e reciclagem

Repaginação atualiza apartamento em tradicional bairro de Porto Alegre para as necessidades de jovem casal

Morada com mais de 40 anos e planta convencional agora acompanha o ritmo e atende aos hábitos dos novos moradores

Por: Ana Carolina Bolsson
17/01/2013 - 08h02min
Repaginação atualiza apartamento em tradicional bairro de Porto Alegre para as necessidades de jovem casal Maciel Goelzer/Divulgação
No living, destaca-se o conjunto de poltrona Eames Lounge & Ottoman, dos norte-americanos Charles e Ray Eames, com área estofada de couro preto, em foco pela luminária Arco, criação dos irmãos Achille e Pier Giacomo Castiglioni Foto: Maciel Goelzer / Divulgação  
O projeto de reforma realizado neste apartamento de 108 metros quadrados de área em Porto Alegre foi mais do que uma simples revitalização. Com iluminação deficiente, planta convencional e pouca manutenção, a morada estava com os revestimentos deteriorados – muitos eram originais da construção erguida nos anos 1970. O desafio foi adaptar o lar para o estilo de vida dos novos usuários: um jovem casal que sonhava com espaços amplos, flexíveis, atrativos e com uma linguagem contemporânea.

O potencial do imóvel localizado em tradicional rua no bairro Moinhos de Vento foi decisivo para a aquisição feita por Marta Kessler, proprietária e também autora do projeto de interiores, juntamente com Martina Jacobi, do escritório de arquitetura Maxma Studio.

– Apartamento com esta metragem ampla não se encontra atualmente. Além disso, a orientação solar é o que chamamos de perfeita (com a área social voltada para o Norte, e a íntima, para o Leste), e ainda há janelas generosas, característica rara hoje – enumera Marta.

Menos divisórias dinamizam a casa (clique sobre as imagens para vê-las em tamanho maior)

O ponto de partida da reforma foi a reorganização da planta, começando pela eliminação de algumas paredes. O antigo quarto de serviço, espaço característico das construções da época, foi extinto e tornou-se área de jantar, criando uma nova interface entre a sala de estar e a cozinha, agora aberta (acima e abaixo). Na cozinha de linhas simétricas, a parede acima da bancada recebeu vidro pintado de preto para isolar o “dente” da planta e, assim, tornar a parede reta. As arquitetas tiraram partido da solução, formando um nicho que serve de apoio para temperos e livros de gastronomia.

A solução, contudo, só foi possível em função da posição geográfica central do quarto. O banheiro de serviço foi transformado em lavabo social (abaixo), acessado pelo lado oposto da porta original (confira nas plantas ao fim da matéria). As paredes receberam tinta epóxi amarela, e o piso, cimento alisado pintado da mesma cor.

– A estratégia do lavabo foi diferente da do restante do apartamento. A ideia era criar uma surpresa, como se a visita estivesse entrando em uma caixa colorida –, explica Marta.

O banheiro e a sala de jantar foram os únicos ambientes da casa que receberam recurso de rebaixo de gesso no teto para iluminação embutida. O desejo dos proprietários era priorizar uma luminotécnica alternativa por meio de sposts e trilhos com refletores que valorizasse o pé-direito de 2,70cm de altura, vantagem dos apartamentos antigos.

– O conceito geral do projeto foi a reunião de aspectos, como a integração de ambientes, a flexibilidade, a uniformização de materiais, com bases neutras e coloridos pontuais, e um projeto luminotécnico adequado – resume a autora.

No living, destaca-se o conjunto de poltrona Eames Lounge & Ottoman, dos norte-americanos Charles e Ray Eames, com área estofada de couro preto, em foco pela luminária Arco, criação dos irmãos Achille e Pier Giacomo Castiglioni. No quesito design, há ainda a cadeira amarela Panton, de Verner Panton. Entre os elementos que permitem flexibilidade no uso, estão os bancos Cobogó (no alto, foto maior). De autoria das arquitetas, quando empilhados convertem-se em estante ou escada.

A utilização de piso único e paredes claras – off-white e cinza – em toda a zona social foi uma das estratégias para evidenciar a integração. Assim, foi criado um fundo uniforme para receber o mobiliário contemporâneo que se mistura a peças de design dos anos 1950, heranças de família: a mesa de jantar com pés palito e a cômoda (abaixo), apoio para os equipamentos de DJ do noivo de Marta.

A área íntima também foi reformulada para se adequar aos novos donos. Os dois quartos da fachada Leste foram integrados formando uma suíte (abaixo) dotada de generoso closet de 10 metros quadrados (foto na sequência) – um dos desejos dos proprietários.

Um painel de correr separa um ambiente do outro e possibilita seu uso independente. A área de vestir recebeu novo acesso ao banheiro (abaixo), antes voltado à suíte original, que foi convertida em escritório e quarto de hóspedes (sequência).

Confira as imagens de como era o apartamento antes da reforma:

Living

 
Dormitório


Revestimentos do banheiro


Cozinha

PLANTA ANTES

PLANTA DEPOIS

CUSTOS
Mão de obra e materiais gerais para a obra civil: R$ 29 mil
Revestimentos e pintura: R$ 14 mil
Esquadrias: R$ 8,5 mil Louças e metais: R$ 3 mil
Iluminação e acabamentos elétricos: R$ 1,7 mil
Total: R$ 56,2 mil

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.