Plantas para purificar

Conheça dez espécies de plantas que removem poluentes do ar

Livro publicado por ex-cientista da Nasa mostra 50 plantas com essa característica

02/07/2014 | 11h46
Conheça dez espécies de plantas que removem poluentes do ar Rodrigo Philipps/Agencia RBS
Orquídea está entre as campeãs no ranking de purificação do ar Foto: Rodrigo Philipps / Agencia RBS

A representante comercial Camila Fachin Ross e seu namorado, Vladimir Bergier Dietrichkeit, sentiam dificuldade para dormir durante a reforma do seu apartamento, localizado na Zona Sul de Porto Alegre. Os resíduos e cheiros fortes dos materiais utilizados na obra causavam dores de cabeça e incômodos respiratórios ao casal.

Vladimir iniciou então uma busca por formas de purificar o ar.Em suas pesquisas, deparou com o livro How to Grow Fresh Air: 50 House Plants that Purify Your Home or Office (Como produzir ar fresco: 50 plantas domésticas que purificam sua casa ou escritório,  em tradução livre), do engenheiro ambiental Bill Wolverton, ex-pesquisador da Nasa. 

O autor explica no livro que todas as plantas são capazes de remover poluentes transportados pelo ar, mas o grau disso varia. Segundo Wolverton, espécies como gérbera, babosa e lírio-da-paz têm em suas raízes bactérias que transformam poluentes, como monóxido de carbono, benzeno e fumaça de cigarro, em nutrientes para a própria planta.

Líderes do ranking de ar puro

O autor classifica cada espécie com notas de 1 a 10 em quatro quesitos: remoção de vapores químicos, facilidade de crescimento e manutenção, resistência ao ataque de insetos e taxa de transpiração.  Vladimir e Camila optaram por duas líderes desse ranking:  a palmeira-areca e a Dracena fragrans. A mudança no ar foi percebida de imediato pelo casal:

– Acordamos um dia e a dracena que fica na sala estava completamente branca – lembra Vladimir, observando que as dores de cabeça do casal diminuíram muito.

A bióloga e mestre em ecologia pela UFRGS Adriana Schüler amplia as particularidades de 10 das 50 plantas listadas no livro do ex-pesquisador da Nasa.  Suas dicas baixo junto a dados do livro nestas duas páginas, com a indicação de qual ambiente devem ocupar.

Confira:

Palmeira-areca

Origem: Original de Madagascar, a palmeira-areca recebeu nota 8.5 no livro. Tem alta taxa de remoção de xileno, benzeno e tolueno – substâncias utilizadas em solventes, tintas e outros produtos químicos.
Manutenção: Esta planta atinge até 8 metros de altura e tem rápido crescimento. Aprecia meia-sombra e luminosidade. Regá-la uma vez por semana é suficiente. Ambiente ideal: A palmeira-areca é indicada para salas de estar, jantar, varandas e espaços sem muito vento. A espécie não é resistente ao ar-condicionado. Portanto, em ambientes com esse equipamento é recomendado caprichar na rega.

Palmeira-ráfis

Origem: Natural da China, a Rhapis excelsa é uma das espécies com melhor nota no livro, 8.5, devido a dois quesitos: fácil manutenção e capacidade de purificar o ar. Manutenção: Precisa de uma espécie de meia-sombra e aprecia bastante a umidade, mas não o encharcamento. Regar uma vez por semana é o suficiente.
Ambiente ideal: É resistente ao ar-condicionado, por isso é bastante indicada para ambientes comerciais, como escritórios, bancos, shopping centers e aeroportos.

Orquídea phalaenopsis

Origem: Original da Austrália, Nova Zelândia, China e Índia, esta orquídea recebeu nota 5.5 no livro. A nota refere-se ao baixo grau de resistência a ataques de insetos e à necessidade de cuidados especiais.
Manutenção: Orquídeas apreciam meia-sombra e um pouco de sol. Devem ser regadas com cuidado, uma vez por semana no máximo. A bióloga Adriana ensina que, após a queda das flores, a dica é cortar o pendão, deixando apenas as folhas. Na nova temporada, a planta brotará um novo pendão. 
Ambiente ideal: Locais bem iluminados e sem vento são os mais indicados para essa espécie.

Chamaedorea
 
Origem: Natural do México e da Guatemala, esta palmeira tem alta capacidade de remover impurezas do ar. Recebeu nota 8.4 no livro.
Manutenção: Tem preferência por clima quente e úmido e precisa de regas frequentes.
Ambiente ideal: Meia-sobra, adapta-se a ambientes internos e externos.

Samambaia
 
Origem: Natural dos trópicos, a samambaia tem alta capacidade de remover poluentes do ar e grande taxa de transpiração. Sua nota no livro é 7,4.
Manutenção: Essa espécie tolera ambientes quentes e úmidos, mas não resiste ao vento. Gosta de iluminação e pouco sol.
Ambiente ideal: Conforme Adriana, samambaias podem ser colocadas até em banheiros, se iluminados, pois resistem bem a espaços úmidos.

Dracena fragrans
 
Origem: Essa planta também é de Madagascar e tem milhares de espécies. Recebeu nota 7.5 no livro, devido a sua capacidade de purificar o ar e sua resistência ao ataque de insetos.
Manutenção: As dracenas são de fácil manutenção, pois toleram baixa luminosidade e não necessitam de muita água. Conforme ensina a especialista Adriana, para acertar na rega de todas as plantas a dica é colocar a mão na terra. Se estiver seca, precisa ser molhada.
Ambiente ideal: Esta espécie precisa de pé-direito alto porque pode chegar a 5 metros de altura. É indicada para espaços com luz indireta, mas adapta-se a ambientes internos e externos.

Lírio-da-paz

Origem: O lírio-da-paz tem origem na Venezuela, Colômbia e outros países da América do Sul. De acordo com o livro, é uma das campeãs em remoção de impurezas do ar. Ganhou nota alta: 7.5.
Manutenção: É uma planta de meia-sombra e não resiste muito ao sol. Adubação anual e regas frequentes garantem folhas brilhantes e flores bonitas.
Ambiente ideal: O lírio-da-paz de adapta a ambientes internos e externos, desde que iluminados. Quando exposto em espaços com pouca luz tende a ficar com as flores esverdeadas.

Gérbera
 
Origem: Oriunda da África do Sul, a gérbera também tem alta capacidade de remover impurezas do ar. Sua nota no livro é 7.3, e a sua floração pode ser encontrada em diversas tonalidades.
Manutenção: É uma planta que aprecia o sol e o frio e deve ser regada com frequência. Seu florescimento ocorre de outubro a dezembro.
Ambiente ideal: Cozinhas, varandas, salas e até dormitórios podem ser bons lugares para cultivar uma gérbera, desde que recebam sol direto.

Espada-de-são-jorge
 
Origem: Natural da África, a espada-de-são-jorge é a espécie mais resistente entre as listadas nesta reportagem. Recebeu nota 6.3 no livro, pois tem menor capacidade de purificar o ar, característica compensada por sua durabilidade e resistência.
Manutenção: Deve ser cultivada a pleno sol ou à meia-sombra. Resiste tanto à estiagem quanto ao frio e ao calor. Regas semanais são suficientes.
Ambiente ideal: A cultura popular diz que essa planta espanta o mau-olhado. A dica é: cultive na entrada da casa.

Babosa
 
Origem: É uma planta suculenta, natural da África do Sul. Recebeu nota 5,0 no livro devido à menor capacidade de purificar o ar e à baixa taxa de transpiração. Entretanto, é muito usada em tratamentos medicinais e estéticos.
Manutenção: É uma planta capaz de tolerar estiagens, variações bruscas de temperatura e insetos.
Ambiente ideal: Adapta-se à lugares abertos e fechados.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.