Educação

Escolas particulares de Porto Alegre iniciam ano letivo nesta semana

Algumas instituições anteciparam o calendário sugerido pelo Sindicato do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (Sinepe/RS)

Por: Camila Kosachenco
14/02/2017 - 07h43min | Atualizada em 14/02/2017 - 18h16min
Escolas particulares de Porto Alegre iniciam ano letivo nesta semana Tadeu Vilani/Agencia RBS
Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS  

Depois do recesso de fim de ano, parte das escolas privadas de Porto Alegre começou a receber os alunos nesta semana. Pelo menos sete instituições de ensino começam as atividades nesta semana, antecipando o calendário proposto pelo Sindicato do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (Sinepe/RS), que sugeria o começo das aulas na Capital e na Região Metropolitana no dia 20.

Nesta terça-feira, foi o primeiro dia de aula no La Salle Pão dos Pobres. Para outras escolas da rede – São João, Dores e Santo Antônio –, o ano letivo começa na quarta. Na quinta-feira, é a vez dos estudantes do Marista Ipanema e do João XXIII retomarem as atividades. 

Leia mais:
Ano letivo começa a partir de 20 de fevereiro nas escolas privadas
Atividades extracurriculares promovem diversão e aprendizado depois da aula
Alunas protestam contra a proibição do uso de shorts em escola de Porto Alegre

O Colégio Anchieta abriu as portas para os estudantes e seus pais nesta terça-feira com diversas atividades, na véspera de começar as aulas efetivamente, na quarta-feira.

Visitas guiadas pelo museu da instituição, hora do conto, passeios para conhecer a história dos prédios, atividades físicas e em meio à mata foram algumas das propostas desenvolvidas para a data, que antecedeu a volta às aulas efetiva — que ocorre nesta quarta-feira.

Acompanhando Valentina, aluna do 1º ano do Ensino Fundamental, e Franchesco, do 5º ano, a mãe Tatiana Menezes aproveitou a manhã para conhecer mais detalhes do colégio. No museu, eles aproveitaram para observar o acervo de minerais, ossadas, animais empalhados até artefatos utilizados por índios.

— Achei muito interessante este reencontro. É uma boa experiência para os pais — comentou Tatiana.

Segundo ela, a dupla estava tão empolgada com o retorno às aulas que pulou da cama cedo para participar das vivências. Outra que estava ansiosa com o primeiro dia de atividades era Isabela Arnt Herbst, que entrou neste ano na escola para terminar o Ensino Médio.

— Estou bem nervosa, pois é o colégio novo e tem vestibular neste ano — disse.

Espaço para mais debates sobre temas atuais

Passado um ano do início da discussão sobre a proibição do uso de short na instituição, que chamou a atenção nas redes sociais e na mídia, o Colégio Anchieta mantém o mesmo posicionamento, apesar de o primeiro dia de atividades ter sido marcado por dezenas de meninas vestindo a peça. De acordo com o diretor acadêmico, Dario Schneider, a medida tem como objetivo não expor ninguém.

— Devemos estar abertos a temas sociais e nunca fechamos espaços. Proporcionamos diálogos com as alunas e com as famílias sobre o tema — defendeu o diretor.

Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

Ana Cristina Morschbacher, mãe da jovem que encabeçou o abaixo-assinado que pedia a revisão das regras em 2016, confirma que a escola ampliou a discussão sobre temas atuais após o episódio:

— Eles procuraram a minha filha e a mim para saber se ela estava sofrendo algum tipo de preconceito e também se abriram para conversar. Os professores trouxeram debates sobre feminismo e política.

Giulia Morschbacher, autora do texto que acompanhou as assinaturas, concorda que o ano foi mais focado em questões políticas, econômicas e sociais, mas não sabe se o debate foi resultado das reivindicações do grupo.

— Não tem de ser algo que se fala só no 2º ano, mas deve fazer parte da nossa formação sempre — criticou a jovem, que já está discutindo com algumas colegas possíveis pautas para serem conversadas no Dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 de março.

Apesar de obter mais abertura por parte da instituição, Ana acredita que muita gente combateu o movimento.

— Várias pessoas apoiaram, mas outras criticaram e condenaram o movimento. Ouvi comentários de gente com vergonha da mobilização — afirmou.

Ciente das definições, Marta Leal Pacheco, mãe de uma aluna do 3º ano do Ensino Médio, defendeu a posição da escola:

— É uma instituição que pode estabelecer regras. É tranquilo exigir uniforme, e se eles determinarem, ela (a filha) vai cumprir.

Agora, o uso de uniforme completo é obrigatório até o 9º ano. Alunos do Ensino Médio são orientados a vestir uma camiseta da escola somente durante passeios externos.

Seguindo as datas sugeridas pelo Sinepe/ RS, as aulas iniciariam a partir desta terça-feira nas instituições do Interior.

Na rede estadual, o ano letivo está programado para  6 de março. As escolas municipais de Porto Alegre também retomam as aulas do Ensino Fundamental no dia 6. A Educação Infantil já iniciou as atividades no último dia 7.



 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.