Porto Alegre

Chapa vencedora do DCE da UFRGS quer orçamento participativo na universidade

A Chapa 4 - Pra Mudar obteve 1,2 mil votos na eleição

Por: Angela Chagas
08/05/2017 - 17h22min | Atualizada em 08/05/2017 - 17h22min

Uma chapa de oposição à atual gestão – mas também com orientação política de esquerda – foi eleita para comandar o Diretório Central dos Estudantes (DCE) da UFRGS pelo próximo ano. Entre as propostas do grupo está o reforço no diálogo com os estudantes e com a reitoria, por meio da criação de uma espécie de orçamento participativo da universidade.

— O orçamento participativo será implementado dentro do DCE, para definir com os estudantes o que é prioridade para a utilização dos recursos. Mas também é uma bandeira para a universidade, queremos que ocorra um envolvimento dos estudantes na definição do que vai ser investido pela UFRGS — afirma Frederico de Lemos, um dos coordenadores do grupo vencedor.

A Chapa 4 - Pra Mudar obteve 1,2 mil votos na eleição realizada na última semana, superando a Chapa 1 - Ainda Há Tempo, que esteve à frente do DCE nos últimos dois anos. O grupo vencedor assume o comando do diretório central na quarta-feira.

Leia mais:
Enem 2017: inscrições estão abertas; veja passo a passo
UFRGS abre mais de 700 vagas para ingresso extravestibular
UFSM abre seleção para contratação de professores 

Estudante de Administração Pública e Social da UFRGS, Lemos diz que a nova gestão vai trabalhar intensamente na defesa da universidade pública e pela democracia. Ele afirma que o grupo começou a se mobilizar durante o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

— Boa parte da chapa se organizou ano passado em defesa da democracia, contra o impeachment. Temos uma concepção de universidade mais popularizada, mais diversa e democrática política e financeiramente.

Ele confirma que o movimento é identificado com partidos como PT e PCdoB, em oposição à atual direção, que tem em sua nominata militantes do PSOL e do PSTU. No entanto, Frederico Lemos diz que boa parte dos envolvidos na chapa não tem envolvimento partidário e que todas as correntes são aceitas.

Além da maior participação dos alunos na tomada de decisões, a Chapa 4 colocou como prioridades a política de assistência estudantil - com ampliação dos RU'S e da estrutura de moradia estudantil -, a consolidação de um comitê contra intolerância e discriminação e a ampliação da política de cotas, com a inclusão dos cursos de pós-graduação e dos concursos para professores e demais servidores.

A estudante de Agronomia Gabriela Silveira, também coordenadora da chapa vencedora, diz que outra bandeira do grupo é a luta pela segurança dentro da universidade e no entorno.

— Temos convivido com diversos relatos de assaltos pelos estudantes. Queremos a contratação de agentes para a guarda universitária e reforço na iluminação dos campi.

A eleição para o DCE foi realizada com cédulas de papel pela primeira vez desde 2010. Nos últimos anos, o processo havia sido realizado com urnas eletrônicas oferecidas pela reitoria. A eleição também atrasou, era para ter ocorrido no fim do ano passado, mas foi adiada em rezão das ocupações.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.