Estudo

Especialistas dão dicas para passar em concurso público

Candidatos já começaram a se preparar para seleções concorridas, como Anatel, Ministério da Fazenda, Ministério Público e Tribunal de Justiça

11/08/2012 | 17h47
Especialistas dão dicas para passar em concurso público Félix Zucco/Agencia RBS
Laís Nisiane Quadros de Oliveira e Carla Rejane Bastos Cremer se preparam há dois anos para concursos Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

O momento é especialmente favorável para quem busca uma vaga pública. Quatro aguardados concursos, com cargos de salários atrativos, foram lançados recentemente — Anatel, Ministério da Fazenda, Ministério Público e Tribunal de Justiça. Quem vem se preparando para as seleções, garantem os especialistas, sai com vantagem. Mas ainda dá tempo de reforçar o estudo e buscar conquistar a vaga naquele detalhe que irá diferenciá-lo dos outros candidatos.

Segundo Paulo Marques, diretor do curso preparatório Cetec, aprofundar os conteúdos de língua portuguesa e dar atenção às questões de raciocínio lógico são grandes trunfos:

— Em concursos concorridos como esses, é preciso ir além. As bancas estão exigindo cada vez mais conhecimentos teóricos de português. Não basta saber que tal palavra é acentuada, mas por que ela é acentuada.

Rene Chabar Kapitansky, diretor de gestão pública da Associação Brasileira de Recursos Humanos no Estado (ABRH- RS) indica ao candidato se focar em concursos de áreas similares para facilitar os estudos, "pois as matérias são semelhantes e o conteúdo programático também".

— Quando se estuda para diversos concursos de áreas distintas, há uma tendência de dispersar o tempo em diversas matérias não correlatas, o que dificultará o aprofundamento do conhecimento — destaca Kapitansky.

Para quem pretende concorrer a uma das 950 vagas oferecidas pela Receita Federal, Sylvio Motta, autor de diversos livros sobre seleções públicas, como a obra Eu Vou Passar em Concursos, dá boas notícias:

— O conteúdo programático é o mais fácil que já vi, o número de disciplinas foi drasticamente reduzido e não faz parte da seleção o curso de formação que, antes, também reprovava o classificado na primeira etapa — salienta Motta.

Entre os muitos candidatos que largaram na frente nos estudos estão Laís Nisiane Quadros de Oliveira, 32 anos, e Carla Rejane Bastos Cremer, 50 anos. Ambas dedicam os três turnos do dia na preparação para concursos, e não descansam nem nos fins de semana.

Há dois anos, Laís largou o trabalho como recepcionista em uma farmácia para se dedicar exclusivamente ao objetivo de se tornar funcionária pública. Desde então, de manhã e de tarde, estuda por conta própria e à noite, na sala de aula.

Assim como a colega de estudos, depois de anos trabalhando como pedagoga, Carla decidiu que precisava dar um novo rumo para a sua vida profissional. Após um tempo parada, foi incentivada pelo marido a tentar a carreira pública.

— Depois de muitos anos, no início foi difícil voltar às apostilas. Mas depois que a gente pega o ritmo é mais fácil. Hoje me sinto bem mais segura para passar.

Dicas de especialistas

Prova de redação

A utilização constante de computadores tem prejudicado os candidatos nas provas de redação. Acostumados com a correção ortográfica de texto, muitos candidatos têm dificuldade em lembrar de regras de ortografia e acentuação, incidindo em erros de escrita. Outro fator que atrapalha é a utilização constante de chats na internet, onde alguns utilizam expressões abreviadas ou uma linguagem mais simplificada, o que não favorece o candidato na redação.

Deve-se praticar bastante o exercício da escrita, observando aspectos como estrutura da redação, objetividade, clareza e a utilização de uma linguagem que facilite a escrita, sem torná-la simples demais. Muitas vezes, na busca de utilização de palavras mais complexas, para demonstrar maior cultura verbal, o candidato pode incorrer em erro.

Outra dica é estar por dentro dos assuntos atuais, habituais temas das redações.

Atenção: O mensalão tem tudo para ser tema de redação em algum desses concursos públicos.

Busque ajuda nos estudos

Converse com profissionais da área para a indicação de outra bibliografia. Nas matérias jurídicas, por exemplo, há muitos livros disponíveis no mercado que não servem para concursos.

Não disperse

O tempo é escasso, e há uma tendência de estudarmos mais aquelas matérias que mais gostamos ou entendemos. O foco deve ser o contrário: fixar mais os estudos em assuntos que tenhamos maior dificuldade.

Equilibre o seu dia a dia

Estudar muito é necessário, mas o candidato não deve abrir mão de atividades de esporte ou lazer. É claro que haverá uma diminuição natural na frequência a festas, cinemas ou baladas. Mas é fundamental que o candidato reserve um tempo diário ou semanal para suas atividades físicas e de diversão.

Respeite seus limites

Nem todos têm a mesma capacidade de estudo. Cada um deve respeitar seus limites. Há momentos em que o candidato lê a matéria e não consegue absorver o seu conteúdo. Relaxe, faça outra atividade, descanse a mente. Quando se sentir melhor, volte aos estudos.

Informações específicas

Anatel

As provas aplicadas pela Cespe têm uma peculiaridade: para cada acerto, o candidato ganha um ponto, para cada erro, perde um ponto, se deixar a questão em branco, não soma nem perde pontos. Ou seja, cada questão errada anula uma questão certa. Nesse tipo de prova, o candidato deve ter certeza da resposta, porque o erro é penalizado. Assim, em caso de dúvida, a melhor opção é deixar a questão sem marcação.

Comparando ao modelo tradicional, as provas da Cespe exigem estudo bem mais aprofundado, pois no modelo de múltiplas opções, há sempre duas alternativas (pelo menos) totalmente erradas, possibilitando ao candidato optar, mesmo em caso de dúvida, por uma das alternativas que sobram.

Nesse caso, a possibilidade do "chute" é totalmente desaconselhada. Por exemplo, em uma prova de 120 testes, com acerto de 60% das questões pelo candidato, sua nota será de 24 pontos (72 pontos de acertos, menos 48 pontos pelos erros) e no modelo tradicional a nota será de 72 pontos.

Ministério da Fazenda

A dica é fixar mais os estudos no terceiro grupo de provas, no qual estão as matérias com maior dificuldade para atingir o índice mínimo de 40% em cada matéria e 60% neste grupo. Na parte de legislação tributária, há conteúdo novo, versando sobre Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e Imposto de Renda.

Ministério Público e Tribunal de Justiça

Geralmente, nas áreas do Direito, a parte de conhecimentos específicos é a grande vilã dos candidatos. Em estudos na área de legislação, a dica é utilizar o site da Presidência da República, que oferece desde a Constituição Federal até as medidas provisórias, passando pelos códigos e leis, além de disponibilizar uma revista jurídica trimestral.

Fonte: Rene Chabar Kapitansky, diretor de gestão pública da

Associação Brasileira de Recursos Humanos no Estado (ABRH- RS)

Confira vídeo com dicas:


 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.