Xô, crise!

Dá para dizer adeus ao desemprego em 2017

Especialista explica que não adianta ter o melhor currículo, você precisa é ser o exemplo do que oferece

02/01/2017 - 09h00min | Atualizada em 02/01/2017 - 09h00min
Dá para dizer adeus ao desemprego em 2017 Miro de Souza/Agencia RBS
Esteja aberto a oportunidades em novas ativadades, para ampliar o leque de opção de trabalho Foto: Miro de Souza / Agencia RBS  

Claudia Chiquitelli
Especial

Quem entra 2017 com o grande desafio de conseguir uma colocação no mercado de trabalho, em uma economia recessiva, precisa estar bem preparado tecnicamente e com um "estado de espírito" positivo. Nesses tempos, dicas e mais dicas pipocam nas redes e sempre há orientações que cabem direitinho na vida de muito profissional que amarga o desemprego causado pelas crises política e econômica que o Brasil viveu no ano passado e que está longe de acabar, conforme a previsão de analistas. 

O especialista em coach pessoal e empresarial Márcio de Oliveira, que atua em Porto Alegre e recentemente lançou o livro Sacadinhas, fez da sua vida a inspiração para orientar pessoas que estão em busca de trabalho. Em 2012, o profissional deixou a advocacia, com considerável salário, e começou a desenvolver atividades que levam pessoas e empresas a ter melhores resultados.

– Vejo dois paralelos: a crise do emprego e a crise do empregado – diz Oliveira, enfatizando que não dá dicas de curto prazo, mas dicas que "vão deixar você empregado sempre". Confira cinco orientações para deixar de ser desempregado.

1. Seja o melhor formato de você: assuma ser o que você admira e cobra nos outros. Vivemos uma crise de valores, e cobramos responsabilidades, honestidade, humildade, comprometimento, confiança nos outros e nem sempre somos assim. Deixe de ser medíocre (mediano) e seja excelente em seus comportamentos e atitudes.

2. Seja o exemplo do seu currículo: não adianta ter o melhor exemplo de currículo, você precisa ser o exemplo ali ofertado. É importante entender suas fraquezas, as questões que provavelmente estão deixando você nessa situação de desemprego e trabalhá-las com carinho e cuidado para se tornarem competências e assim deixa-lo mais forte.

3. Seja mais satisfeito: tire do seu discurso a frase "não gosto disso", demonstre interesse. Vivemos em um mundo com infinitas possibilidades, porém temos o poder de não gostar das coisas, e, com isso, eliminamos das opções existentes o que podem ser oportunidades, por exemplo: "não gosto de vender", "não sei lidar com pessoas", "não sou bom com números" etc. Quanto mais preconceito tiver com as coisas, menos coisas terá para fazer.

4. Posicione-se como alguém interessante: na era digital, somos mais conhecidos do que imaginamos. Todos os dias são possíveis para encontrar bons exemplos de quem você é nas redes sociais. É muito comum algumas pessoas exporem uma imagem negativa, e depois não entenderem porque sua imagem não é interessante.

5. Relacione-se bem: acredito que somos a média das pessoas com quem mais convivemos, e nossos relacionamentos podem ser fonte de indicação, pois, vendo tudo de bom que temos e somos (seguindo as quatro primeiras dicas), podem rapidamente nos indicar e oferecer oportunidades de emprego.


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.