Encare a Crise

Juro mais baixo está demorando a chegar ao consumidor; veja dicas para salvar o seu bolso

Queda da Selic não se refletiu diretamente nas taxas de empréstimos, cheque especial e no comércio. Confira como negociar dívidas em atraso e buscar alternativas aos juros altos. 

11/05/2017 - 20h00min | Atualizada em 12/05/2017 - 09h44min
Juro mais baixo está demorando a chegar ao consumidor; veja dicas para salvar o seu bolso Porthus Junior/
Foto: Porthus Junior  

Estão passando longe do consumidor os efeitos diretos da queda da Taxa Básica de Juros (Selic). Desde que o Banco Central deu início à sequência de cortes, em outubro do ano passado, o juro básico, que indica o custo do dinheiro que os bancos tomam para depois emprestar, caiu de 14,24% para 11,25% ao ano. Era de se esperar que os empréstimos pessoais, o cheque especial e o parcelamento no comércio também ficassem bem mais baratos, correto? Não necessariamente. 

Leia outras matérias do Encare a Crise

Levantamento mais recente da Associação Nacional dos Executivos de Finanças (Anefac) indica que a redução do juro nas linhas de crédito mais populares foi irrisória – em alguns casos, a taxa até subiu. Em abril do ano passado, o juro anual para empréstimos bancários chegava a 72,3%. Em abril deste ano, deslizou para 68,6%. Em outros casos, como o cheque especial, a taxa subiu. A única taxa que caiu com alguma força foi a do rotativo do cartão de crédito, mas em razão das mudanças nas regras que transformaram essas dívidas em parcelamentos convencionais. 

Leia mais
Alternativas para 10 carreiras em crise; entenda quais são os problemas e como se sair bem
Na disputa pelo consumidor, isenção de tarifas: entenda como funcionam os bancos digitais

– Apesar da Selic estar caindo, outros fatores que compõem o juro estão subindo, e até em ritmo mais acelerado – explica Alexandre Espirito Santo, economista da Órama Investimentos. 

O mais importante destes fatores é a inadimplência. Quando mais alta, maior o risco de os bancos levarem calote, portanto, mais cobram para se proteger. Quase 40% dos adultos têm alguma conta em atraso, conforme o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Isso significa que 59 milhões de pessoas no país estão devendo para bancos ou lojistas. Assim, o preço do dinheiro sobe, e quem paga a conta são as pessoas que quitam suas dívidas em dia, com juros e encargos.

Comprometimento da renda

Está querendo saber se a situação tende a mudar? Dificilmente, no curto prazo. Com o desemprego cada vez maior, o endividamento e o comprometimento da renda com parcelas só faz crescer – erguendo também o risco da inadimplência. Pesquisa da Fecomércio-RS mostra que o endividamento das famílias gaúchas registrou alta nos últimos 12 meses, passando de 70,4% para 75,2% do total. O levantamento indica ainda que a parcela da renda comprometida com dívidas em abril, na média em 12 meses, foi de 32,7%, acima dos 25% considerados "limite" por analistas financeiros. 

– Tendo em vista o cenário econômico atual, com aumento do risco de elevação dos índices de inadimplência e desemprego elevado, isto aumenta também o risco de novas elevações das taxas de juros aos consumidores – afirma Miguel Ribeiro Oliveira, diretor da Anefac.

A reportagem entrou em contato com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) para buscar os motivos que levam as instituições a manterem os juros elevados. Conforme a entidade, em posicionamento oficial, mais do que a alta taxa de inadimplência, é o custo dela para os bancos o principal fator determinante do alto spread bruto (a diferença entre o que os bancos pagam pelo dinheiro e quanto cobram no empréstimo): chega a ser quatro vezes maior do que a média de um conjunto de 12 países relevantes analisados em pesquisas da Febraban. 

"A taxa de recuperação dos créditos de inadimplentes é muito baixa no Brasil, consequência da lentidão de um Judiciário sobrecarregado e de um viés, tanto na legislação quanto na jurisprudência, em favor do devedor inadimplente. Apenas 16% dos créditos garantidos são recuperados no Brasil em casos de falência, comparado com uma taxa média de recuperação de 69% nos demais países", cita a entidade, que menciona, ainda, os elevados tributos cobrados sobre operações financeiras como causa do juro elevado. 


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.