Menos glamour, mais cultura

Em Sharjah, nos Emirados Árabes, o charme é cultural

Diferentemente das cosmopolitas Dubai e Abu Dhabi, a cidade prefere investir em inúmeros espaços de arte

26/03/2014 | 18h01
Em Sharjah, nos Emirados Árabes, o charme é cultural Pablo Augusto Relly/Arquivo Pessoal
Sharjah City foi promovida à Capital da Cultura do Mundo Árabe pela Unesco e Capital da Cultura Islâmica Foto: Pablo Augusto Relly / Arquivo Pessoal

Pablo Augusto Relly*

Ele é o terceiro maior entre os sete Emirados Árabes Unidos e passa um tanto desapercebido pelos inúmeros turistas que geralmente querem conhecer Abu Dhabi ou Dubai. Se a faraônica Dubai vence no quesito cosmopolita, Abu Dhabi pela modernidade, Sharjah — com aproximados 950 mil habitantes — lidera em vida cultural.

É um título que vem da década de 1990. Em 1998, Sharjah City foi promovida à Capital da Cultura do Mundo Árabe pela Unesco, e, em 2014, ela é a Capital da Cultura Islâmica. O último título é resultado, em parte, de uma campanha dos últimos anos, chamada "Cultura sem fronteiras". Trata-se de um projeto para estabelecer uma pequena biblioteca de 50 livros em cada residência do Emirado, ou em outros números, alcançando 42 mil famílias.

O legado cultural de Sharjah baseia-se em espaços de arte e 16 museus, especializados em diversas áreas: caligrafia, ciência, arqueologia e arte contemporânea. O Emirado recebe festivais e bienais como a Sharjah Biennial — desde 1993 e reconhecida em âmbito internacional —, o Islamic Arts Festival, a Feira Internacional do Livro, entre outros.

Da próxima vez que pensar em Dubai, reconsidere, ou simplesmente adicione dias extras à viagem. Somente a um quarto de hora de distância do vizinho mais suntuoso (se o trânsito cooperar), Sharjah realmente oferece menos luxo, porém, com tantas atividades culturais, ele é dispensável. Menos glamour, e mais arte e cultura.

A importância da arte

Um bom ponto para começar a experiência Sharjah — caminhando, claro — é pela Heritage Area, a parte histórica. Ela é composta por um conjunto de prédios que pertencem ao patrimônio local, transformados em cafés e museus. É o berço da Emirates Fine Art Society, e da Sharjah Art Foundation. A última exibe, em grande parte, arte contemporânea (e em alguns casos, provocativa — vale lembrar do conservadorismo da sociedade dos Emirados, variando em grau), além de oferecer programas educacionais e culturais para a população local e visitantes.

O objetivo da fundação é "construir o reconhecimento do papel central que a arte tem na vida de uma comunidade". A programação das exposições, seminários, exibições de filmes para o ano de 2014 podem ser encontradas aqui.

Foto: Pablo Augusto Relly

Na casa do Sultan

Perto da Sharjah Art Foundation, ao caminhar pela Rua Corniche, costeando um "braço" de mar, chega-se ao Museu da Civilização Islâmica. Ele foi renovado e posteriormente reinaugurado em 2008 e abriga cerca de 5 mil artefatos islâmicos, organizados por temas. A ideia por trás desse museu é estimular o diálogo e a apreciação da arte, história, ciência e cultura islâmica.

A Barjeel Art Foundation é outra oportunidade para quem quer conhecer um pouco mais sobre arte no Oriente Médio. Ela é uma fundação independente, iniciada para gerenciar e exibir a coleção de arte pessoal de Sultan Sooud Al Qassemi, membro da família real de Sharjah. Um apaixonado por arte, e famoso comentarista sobre o mundo árabe, Al Qassemi faz da fundação uma extensão da casa, ou vice-versa— a residência também não poderia ser diferente: paredes cobertas com obras de arte preciosas de toda a região, e Sultan, sempre pronto a dar explicações sobre elas, as novas coleções e aquisições.

Como a Sharjah Art Foundation, a Barjeel Art Foundation busca a conscientização pública da importância da arte para a comunidade local. A nova exposição chama-se "TARĪQAH", e segue até 24 de outubro de 2014. Em exposição, estão artistas cujos processos de criação se concentram em maneiras não usuais de ver e referenciar a tradição islâmica.

De mesquita em mesquita

Entre um museu e outro, caminhar por Sharjah (e descobrir ruas, prédios, alguns deles aparentam idade avançada e com pintura a descascar) proporciona ao visitante um ensaio da vida normal em um emirado — com menos glamour, porém até mais interessante do que os vizinhos, dependendo do ponto de vista.

As mesquitas merecem atenção especial. São cerca de 600, e nem todas são abertas para não muçulmanos. A Al Maghfira, na sequência da Rua Corniche (perto do Museu de Civilização Islâmica), pode ser vista pelo público masculino — com jeitinho brasileiro, consegue-se entrar. A mesquita Al Noor é a mais famosa e abre as portas para todos visitantes, à beira da Lagoa Khalid. Lembre-se de vestir-se com algum recato.

Foto: Pablo Augusto Relly

Na mesma região, o Blue Souq, o mercado público — seis prédios enfeitados com azulejos azuis — é a experiência de compras recomendada. É um dos prédios mais fotografados de Sharjah, e nele, há centenas de lojas que vendem ouro, prata, tapetes, ornamentos tradicionais, roupas e artesanato. O local abre pela manhã e fecha às 13h, reabrindo às 16h.

A vida dos locais

Com as compras em mãos, e com o essencial de Sharjah visto, retorne mais uma vez às margens da Lagoa Khalid. O Buheirah Corniche é local para uma caminhada sossegada e democrática, onde os moradores de Sharjah City, tanto os locais, como os estrangeiros, reúnem-se com amigos e família para praticar esportes ou sentar para um piquenique.

Em seguida, o Al Majaz é mais movimentado em razão dos cafés, restaurantes e com show de água e luzes todas as noites. E como Sharjah é o centro cultural dos Emirados, arte neste espaço não poderia faltar.

O Maraya Art Park, ligado ao Barjeel Art Foundation, citado acima, é uma iniciativa que traz projetos de arte para as ruas de Sharjah. Em Al Majaz, ele toma forma através do parque das esculturas (projetos de artistas, arquitetos locais e internacionais). Isso sem esquecer das novas gerações. Com a intenção de introduzir o mundo da arte às crianças por meio de jogos interativos, esculturas e atividades educacionais, há um espaço só para elas.

Dicas

- Sharjah é encostado no vizinho famoso, Dubai, e por isso serve também como cidade dormitório para vários trabalhadores que viajam diariamente entre os dois pontos. No horário do rush, taxistas evitam transportar passageiros de Dubai para Sharjah.

- Sharjah geralmente tem hotéis mais baratos na comparação a Dubai. Para quem tenta viajar com orçamento limitado, é uma boa opção. Há linhas de ônibus que conectam os dois Emirados.

- Escute a chamada para reza, belamente entoada pelas mesquitas de Sharjah, sentado em uma praça, admirando a paisagem e a rotina dos moradores (comunidade diversa, forte presença de indianos).

- Ao seguir pela Rua Corniche, na direção contrária a Dubai, ela conecta-se com a rua Al Muntazah, ladeada pela praia com coqueiros. Dê uma caminhada à noite e veja o movimento de alguns casais locais, devidamente vestidos, em passeios românticos.

*Jornalista gaúcho, Pablo mora no Catar

Leia também
>>> Dubai: diversão e cultura para todas as idades
>>> Hotel mais luxuoso do mundo, em Dubai, promete momentos exclusivos de romantismo

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.