Identidade

Transexuais terão nome social reconhecido em unidades do Ministério Público do Trabalho

Portaria garante aceitação do nome social em crachás, e-mails e comunicações internas. Uso de banheiros será de acordo com a identidade de gênero

02/12/2015 - 18h09min

Uma portaria publicada nesta quarta-feira pelo procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Fleury, regulamenta o uso do nome social por travestis e transexuais, ou pessoas cuja identificação civil não reflita adequadamente sua identidade de gênero, em todas as unidades do Ministério Público do Trabalho (MPT) no Brasil. A medida deve ser aplicada em um prazo de 90 dias.

Para transexuais, mudar de nome é duas vezes mais difícil

De acordo com o texto (Portaria 1.036/2015), a utilização do nome social passa a ser reconhecida no cadastro de dados e informações, no ingresso e na permanência nas unidades do MPT, em comunicações internas, e-mails institucionais, crachás e listas de ramais, nos nomes de usuário de sistemas de informática e na inscrição em eventos promovidos pela instituição. O artigo 4º garante ainda o acesso a banheiros e vestiários de acordo com o nome social e a identidade de gênero de cada pessoa.

Haverá ainda um campo "nome social" em todos os formulários e sistemas de informação nos procedimentos de denúncia, identificação das partes, MPT Digital, questionários e pesquisas.

Conheça a história de uma diretora transexual de escola da Capital

Na opinião de Ronaldo Fleury, a medida vai ter um grande impacto social, o que reflete o tamanho do desafio para efetivar a inclusão dessas pessoas na administração pública.

— Nós precisamos enfrentar essas questões da mesma forma que enfrentamos, nos anos 1990, quando começamos a fazer todo o projeto de inserção das pessoas com deficiência. Ainda há outras barreiras a vencer? Há. Mas a primeira barreira, que é a do preconceito, está sendo superada — afirmou.

A discussão sobre a necessidade de uma regulamentação sobre o assunto no âmbito do próprio MPT surgiu em encontros da Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidades e Eliminação da Discriminação no Trabalho (Coordigualdade) da instituição.

— Essa política é resultado de demandas apresentadas pela sociedade aos procuradores do Trabalho, que constataram casos de discriminação a transexuais em razão do nome social, por exemplo, tanto em empresas quanto no próprio serviço público. Então, primeiro, é necessário que reconheçamos que existe uma questão a ser enfrentada, e que ela deixe de ser invisível, para, a partir daí, acolher essas pessoas com dignidade — explicou Fleury.

Conceito de identidade de gênero enfrenta novas resistências

O procurador-geral do Trabalho avalia que o exemplo do MPT poderá inspirar outras instituições a adotar políticas semelhantes:

— Esperamos que os outros órgãos vejam isso como algo positivo, que trará inclusão, e que possam efetivamente replicar as medidas previstas nesta portaria.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.