"Obstáculo inútil"

Janot é contra restrição a doadores de sangue

Procurador-geral da República questionou as normas que impedem homens que fazem sexo com outros homens de doarem sangue

Por: Estadão Conteúdo
09/09/2016 - 10h58min | Atualizada em 09/09/2016 - 10h58min
Janot é contra restrição a doadores de sangue Diego Vara/Agencia RBS
Foto: Diego Vara / Agencia RBS

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, questionou no Supremo Tribunal Federal (STF) as normas do Ministério da Saúde e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que impedem homens que fazem sexo com outros homens de doarem sangue. Segundo o posicionamento de Janot, defendido na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5.543, as regras "criam obstáculo inútil à proteção do sistema de hemoterapia, uma vez que a este interessam os comportamentos de risco dos potenciais doadores, não sua orientação sexual".

De acordo com o documento, as normas vigentes promovem tratamento discriminatório. "Partem do pressuposto de que homens gays ou bissexuais estariam necessariamente inseridos nos denominados grupos de risco, compostos por pessoas mais suscetíveis a contrair e transmitir doenças sexualmente transmissíveis (DSTs)". Segundo o Partido Socialista Brasileiro (PSB), autor da ação, a proibição impede a doação de aproximadamente 19 milhões de litros de sangue anualmente.

Leia mais:
Atentado em Orlando reacendeu a polêmica sobre restrições à doação de sangue por homens gays
Saiba quem pode ou não doar sangue

Na manifestação, Janot defende ainda que o conceito de "grupo de risco" é ultrapassado e remonta ao início da epidemia de aids, na década de 1980. De acordo com o texto, o correto seria falar em "comportamento de risco", o que teria relação com o uso ou não de preservativos e não com a orientação sexual. "Risco em relações sexuais desprotegidas existe independentemente da orientação sexual ou de gênero dos indivíduos envolvidos", destaca o procurador-geral, citando relações heterossexuais desprotegidas.

Em análise no STF, a Anvisa sustentou que a determinação envolve evidências "epidemiológicas e técnico-científicas" e visa somente ao interesse coletivo na garantia máxima da qualidade e da segurança nas transfusões. "Tanto a Organização Mundial de Saúde (OMS) quanto a Organização Pan-americana de Saúde (Opas) recomendam inaptidão de 12 meses para a doação de sangue por homens que tiverem relações sexuais com outros homens, em razão de envolverem riscos maiores de infecção por doenças sexualmente transmissíveis." 

 






 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.