Violência

Um terço dos brasileiros culpa mulheres por serem vítimas de estupros, aponta pesquisa

Levantamento encomendado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública foi divulgado nesta quarta-feira

Por: Estadão Conteúdo
21/09/2016 - 07h44min | Atualizada em 21/09/2016 - 11h25min
Um terço dos brasileiros culpa mulheres por serem vítimas de estupros, aponta pesquisa André Ávila/Agencia RBS
No Brasil, uma mulher é estuprada a cada 11 minutos, segundo registros oficiais Foto: André Ávila / Agencia RBS

Mais de um terço da população brasileira atribui à vítima a culpa por ter sofrido estupro. Pesquisa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública mostra que 37% dos entrevistados concordam com a frase "mulheres que se dão ao respeito não são estupradas". Se forem considerados apenas os homens que participaram do levantamento, o percentual chega a 42%; entre as mulheres, essa é a opinião defendida por 32%. A pesquisa também mostra que 30% das pessoas acreditam que a "mulher que usa roupas provocativas não pode reclamar se for estuprada".

O levantamento, feito pelo Instituto Datafolha com 3.625 pessoas em 217 cidades de todo o país entre 1º e 5 de agosto, traz outros dados considerados preocupantes por especialistas: 65% da população diz sentir medo de ser vítima de violência sexual, número que é de 90% entre as mulheres do Nordeste. O receio é maior entre os mais jovens, onde o porcentual médio é de 75%, decrescendo conforme aumenta a faixa etária.

Leia mais:
Especial ZH: o terror de ser violentada por um desconhecido
Em 25 casos de estupro investigados, apenas um indiciado está preso pelo crime
Declarações de promotor contra vítima de abuso sexual chocam desembargadores no Rio Grande do Sul

A opinião surge em um ano em que se discutiu a chamada "cultura do estupro", a partir do caso de um ataque coletivo contra uma adolescente no fim de maio no Rio. O resultado também contrasta com a celebração de 10 anos de vigência da Lei Maria da Penha, considerada a mais relevante na luta contra a violência doméstica.

Para os pesquisadores que coordenaram o trabalho, "é bastante comum que o comportamento de quem foi vítima seja questionado com base no que se entende serem as formas corretas de 'ser mulher' e 'ser homem' no mundo". 

"Este pensamento vem de um discurso socialmente construído, que considera que se a mulher é vítima de alguma agressão sexual é porque de alguma forma provocou esta situação, seja por usar roupas curtas ou andar sozinha na rua em certos locais considerados inapropriados. Com isso, há ainda a ideia do homem que não consegue controlar seus 'instintos naturais'", aponta a análise dos pesquisadores.

Faixa etária e escolaridade

Os resultados mostram que pessoas mais novas, com menos de 60 anos, tendem a não culpar as vítimas. A pesquisa aponta que 44% dos brasileiros com 60 anos ou mais acreditam que uma mulher que use roupas provocativas não pode reclamar se for estuprada. Por outro lado, a afirmação é considerada verdade por 23% dos ouvidos com idade entre 16 e 34 anos.

O nível de escolaridade é visto como um diferencial. Enquanto 47% das pessoas que cursaram o Ensino Fundamental acreditam que são estupradas mulheres que não se dão ao respeito, 19% daqueles que cursaram o Ensino Superior têm a mesma visão. 

Questionados se é necessário ensinar na escola meninos a não estuprar, 91% dos entrevistados responderam que sim. Os responsáveis pela pesquisa encararam a resposta como importante para notar que a educação sobre igualdade tem potencial para "alterar a cultura machista que perpetua a violência". A concordância sobre esse ensino foi confirmada em todas as faixas etárias, níveis de escolaridade e tamanho dos municípios.

Atendimento

Segundo os estudiosos do Fórum, que reúne 172 associados entre pesquisadores da iniciativa pública e privada, além de servidores da segurança pública, o registro e a investigação de crimes como estupro envolvem dificuldades como tratamento e assistência inicial à vítima, além da necessidade de um trabalho consistente em busca de provas e testemunhas.

"Nem sempre as vítimas apresentam marcas físicas da violência ou perturbação emocional, ou têm um relato absolutamente coerente, mas isso não quer dizer que o crime não aconteceu. Levar a sério uma denúncia de estupro não significa condenar sumariamente o suspeito, mas acolher a vítima, escutá-la, dar credibilidade a seu relato e buscar, por meio de investigação, a devida elucidação do caso", escrevem.

As dificuldades no atendimento são notadas na avaliação das polícias: 50% discordam da afirmação de que policiais militares são bem preparados para atender vítimas de violência sexual e 42% dizem não encontrar acolhimento nas delegacias. Quanto maior a escolaridade, mais crítica é a visão. Entre a população com ensino superior, 56% disseram não acreditar que as delegacias ofereçam o acolhimento adequado.

A reportagem não conseguiu contato com o Conselho Nacional dos Comandantes-gerais das PMs e não obteve resposta dos telefonemas feitos à Associação Nacional dos Delegados.




br>

 






 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.