Caminho do Bem

Fotógrafa cria projeto para valorizar crianças com deficiência

Para Mari Schmitt, criadora do Especiais do Bem, a fotografia pode se transformar numa forma de inclusão social e de combate ao preconceito

19/10/2016 - 10h16min | Atualizada em 19/10/2016 - 10h20min
Fotógrafa cria projeto para valorizar crianças com deficiência Mateus Bruxel/Agencia RBS
Mari conquistou a confiança de Leonardo, um dos modelos do projeto Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Leonardo Trindade tem 18 anos e nunca havia participado de um ensaio fotográfico, apesar da vontade da mãe, a pedagoga Maura Reis, 50 anos, de fotografá-lo num estúdio. Nas vezes em que ela pensou na possibilidade, ouviu as mais diferentes recusas de profissionais: desde a questão da idade até a falta de fotogenia do jovem, que não costuma olhar para a câmera. A mãe acredita que as negativas estão relacionadas ao preconceito, por Leonardo ser portador da síndrome de Down. A possibilidade de o adolescente ter as próprias imagens surgiu com o projeto Especiais do Bem, criado pela fotógrafa Marileia Schmitt, 32 anos, mais conhecida como Mari Schmitt.

Leia as notícias do dia
Confira todas as histórias do Caminho do Bem

Ao contrário dos que se negaram a fotografar o filho de Maura, Marileia sempre quis registrar crianças portadoras de síndrome de Down, autismo e outras necessidades especiais. Quando se tornou profissional da imagem, em 2012, ela pesquisou cursos que lhe ajudassem a se aperfeiçoar na área, mas não os encontrou. Dois anos depois, por conta própria, decidiu que começaria a fotografá-las gratuitamente. No ensaio mais recente, crianças e adolescentes representaram esportes olímpicos. Leonardo foi um dos modelos. Para Marileia, a fotografia pode se transformar numa forma de inclusão social e de combate ao preconceito contra crianças e adultos com deficiências.

Leonardo sorri para Mari Schmitt Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Depoimento de Mari Schmitt

Iniciativa
"Por não encontrar cursos, comecei o projeto sozinha. Visitei escolas especializadas e convidei familiares de crianças portadoras de síndrome de Down e autistas para um primeiro contato. Na primeira vez, fotografei cinco crianças individualmente, mas em instituições especializadas. Neste ano, fiz diferente: postei no Facebook chamando possíveis interessados. Seis famílias se candidataram. Fiz todas as fotos no mesmo dia, com o tema Olimpíadas. Não cobrei nada."

Admiração
"As crianças e os adolescentes se sentem confortáveis quando demonstro minha admiração por eles. É preciso paciência, sim. Mas a dificuldade é a mesma com qualquer pessoa fotografada. Cada um tem uma personalidade e um temperamento diferente."

Inclusão
"Uso o projeto tanto para minha aprendizagem, quanto para mostrar às pessoas estas lindas crianças nas fotos. O mundo não precisa vê-las com olhos diferentes. Elas são como qualquer outro ser humano, mas com limitações."

Leonardo  com a mãe, Maura Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Depoimento de Maura

Desconfiança

"Inicialmente, fiquei desconfiada, pois estranhei o fato de uma profissional da fotografia ter interesse em fotografar uma pessoa com deficiência. Normalmente, as pessoas não querem olhar. Não veem beleza, enxergam a deficiência."

Preconceito
"Vejo as reações na rua, o medo e o preconceito diante de pessoas como o meu filho. Mas é preciso entender que todos têm a sua beleza."

Mágica
"Por ser mãe de um adolescente com síndrome de Down, sei o que essas crianças e adolescentes passam devido ao preconceito das pessoas. Esse projeto dá visibilidade e mostra que ser diferente é normal. Até em casa, o Leonardo abaixa a cabeça, mas a Mari consegue pegar ele olhando diretamente para a câmera. Ela é mágica!"

Confira o trabalho de Mari Schmitt: Especiais do Bem

Foto: Mari Schmitt
Foto: Mari Schmitt
Foto: Mari Schmitt
Foto: Mari Schmitt
Foto: Mari Schmitt


 






 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.