Dia das Crianças

Sejam tradicionais ou tecnológicas, brincadeiras são fundamentais para o desenvolvimento infantil

E se o momento de brincar também for em família, melhor ainda

Por: Eduardo Rosa
12/10/2016 - 04h03min | Atualizada em 27/10/2016 - 13h46min
Sejam tradicionais ou tecnológicas, brincadeiras são fundamentais para o desenvolvimento infantil André Ávila/Agencia RBS
Aos três anos e 10 meses, Anita adora inventar histórias e brincar com suas bonecas de tecido Foto: André Ávila / Agencia RBS

O 12 de outubro é uma oportunidade para que pais pensem na importância da brincadeira na vida das crianças. Aos filhos, é mais um dia no qual lazer e aprendizado podem caminhar juntos — se os momentos envolverem a família, melhor ainda. Dá para ter atividades que remetam à infância dos adultos, com brincadeiras clássicas, ou buscar a melhor maneira de utilizar a tecnologia.

A psicopedagoga Sheila Leal, especialista em desenvolvimento infantil, defende que os adultos estejam presentes nas brincadeiras por pelo menos 15 minutos diários.

Leia também
Conheça cinco aplicativos que fazem sucesso entre as crianças
Excesso de atividades pode sobrecarregar as crianças
O mais importante na vida de uma criança é ter com quem brincar, diz especialista

— Gostaria que, a partir deste dia 12, os pais começassem a perceber como é válida a descoberta longe do computador e do trabalho. Estarem dispostos a brincar, com atividades dirigidas pela própria criança ou pelos pais — diz Sheila, autora da página Filhos Brilhantes (facebook.com/seusfilhosbrilhantes).

Graduada em Fonoaudiologia, ela explica que, quanto mais a criança brinca, mais linguagem ela consegue estabelecer.

— Quando está diante da linguagem do pai e da mãe, brincar fica ainda melhor. A criança começa a perceber que a questão não é só estar ali com o brinquedo. É muito mais: é explorar, resolver problemas, enfrentar dificuldades — conta Sheila. — É fundamental para todo o desenvolvimento cognitivo, emocional e comportamental — acrescenta.

À medida que a criança cresce, seu interesse por determinados brinquedos e o benefício que eles proporcionam vai se transformando. Envolvem coordenação motora, linguagem, imaginação, divisão, raciocínio e por aí vai.

Equilíbrio é a solução ideal

Aos pais, não vale ficar comparando qual infância é melhor: a das gerações passadas ou das atuais. A tecnologia está presente no dia a dia, e com as crianças não é diferente. Os produtos digitais não são um problema em si; o uso que se faz deles é que vai ditar se podem ou não ser benéficos.

Integrante do Grupo de Estudos sobre Adições Tecnológicas (Geat), a psicóloga Aline Restano sustenta que a tecnologia é um problema no momento em que gera prejuízos, como quando começa a influenciar no sono ou prejudicar o desempenho no colégio e a socialização:

— Um exemplo é se a criança deixa de estar junto da família ou de ir a aniversários para jogar videogame ou ficar nas redes sociais.

Aline, que é especialista pelo Centro de Estudos, Atendimento e Pesquisa da Infância e Adolescência (Ceapia), afirma que não há uma receita pronta. Verificar o impacto da tecnologia na vida das crianças passa pela observação.

— Incentivamos que os pais acompanhem o que os filhos fazem no videogame, que tentem jogar junto e saber como é o jogo. Como os adultos não entendem da ferramenta, é difícil entrar neste mundo, então as crianças ficam muito sozinhas — ressalta a psicóloga, lembrando que o percentual de crianças diagnosticadas como dependentes de tecnologia ainda é baixo.

Uma das dicas de Aline é que os adultos conversem com os pais de outras crianças. Trata-se de uma forma de ver quais jogos podem ser permitidos e quais devem ser evitados por dar medo ou tirar o sono. Outra sugestão é que a família crie suas próprias regras para uso de TV, tablet e videogame:

— Com criança, sempre que a gente combina antes, elas tendem a querer cumprir. O que importa é a família reconhecer qual os momentos importantes de estar junto e também combinar com o filho como os presentes serão usados antes de entregá-los. É importante os pais deixarem claro que, se der problema, os aparelhos podem ser retirados.

Bonecas e fantasias

Anita e suas bonecas de pano Foto: André Ávila / Agencia RBS

Antes de Anita nascer, a psicóloga Kátia Bressane, 29 anos, e o tradutor Paulo Santos, 31 anos, já haviam decidido: queriam que o uso da tecnologia pela menina fosse controlado. E é assim que acontece há três anos e 10 meses.

— Demorei a introduzir, pois vejo que o estímulo precoce prejudica o desenvolvimento. A gente faz o uso de forma bem moderada, pois não tem como fugir — conta Kátia.

A pequena diz que suas brincadeiras favoritas são com fantasias — e ela mostra isso vestindo uma roupa de abelhinha —, além da pracinha. À medida que vai vendo os brinquedos na sala, aponta um a um até finalizar:

— Eu gosto de brincar de boneca de tecido.

A mãe ainda acrescenta que busca fazer atividades com a participação de toda a família, como brincadeiras ao ar livre em parques, idas à feira e cozinhar junto.

— Ela brinca sozinha, mas também pede a nossa presença. Ela gosta muito de criar historinhas colocando coisas que aconteceram durante o dia nas brincadeiras. Também adora brincar com as bonecas — lembra Kátia, acrescentando que a última diversão a menina herdou da mãe.

Vídeos e jogos

Irmãs Sofia (E) e Alice adoram usar os dispositivos móveis para assistir a vídeos e curtir jogos infantis Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

Filhas de um relacionamento que começou pela internet, entre uma porto-alegrense e um carioca, Alice e Sofia têm a quem puxar. As meninas — de cinco anos e um ano e nove meses — adoram tecnologia desde que começaram a ver desenhos na TV e jogar no tablet. Hoje, vídeos e games baixados no celular estão entre as brincadeiras favoritas.

O gosto pelos produtos digitais faz com que os pais fiquem atentos: controlam ao que elas podem assistir e quais downloads são permitidos. Não é por que determinado desenho é voltado a crianças que a visualização está liberada.

— Identificamos os vídeos que têm estereótipos e não deixamos elas verem. Se já assistiram, aproveitamos para ensinar o que é certo e o que é errado — afirma o publicitário Alex Rodrigues, 45 anos.

Alice, a mais velha, enumera o que gosta de usar: YouTube Kids, Netflix e diversos joguinhos, como Bel para meninas e Brincando com Ariê. Ela diz que a mana, que ainda ensaia as primeiras palavras, tem um preferido:

— Peppa Pig.

Paula Guerra, a mãe da dupla, relata que as telas acalmam e entretêm as meninas.

— A Sofia nunca vê até o fim, mas vai trocando os vídeos sozinha — acrescenta a também publicitária, 37 anos.


 






 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.