Bete-ombro

Torneio de tacos de rua amador reúne nostálgicos em Porto Alegre

Mais de 40 duplas puderam matar a saudade do esporte neste domingo, no Parque da Harmonia 

Por: Zero Hora
09/10/2016 - 21h43min | Atualizada em 09/10/2016 - 22h51min

Nem mesmo o pôr do sol no Guaíba, uma das atrações mais tradicionais entre os porto-alegrenses nos finais de tarde, conseguiu tirar a atenção dos espectadores do 1º Torneio Mundial de Taco de Rua, que ocorreu neste domingo nos arredores do Parque da Harmonia. A atração reuniu 46 duplas amadoras, que aproveitaram o campeonato para matar a saudade de um esporte que não praticavam desde criança ou das viagens ao Litoral.

Foi logo após encontrar o evento no Facebook que Maíra Aristoy, 30 anos, ligou para o amigo de infância, Vinicius Motta da Rosa, 31 anos, e resolveu se inscrever no torneio. A dupla conta que o amor pelo taco surgiu há mais de 15 anos, quando eram vizinhos em Salinas, no Litoral Norte.

— A gente era a melhor dupla da praia — brinca Vinicius.

Leia mais
Domingo foi de sol e tempo seco no Estado
Adaptação ao horário de verão leva até sete dias, afirma médico
Em domingo ensolarado, milhares se reúnem para assistir à abertura da Festa Nacional da Música 2016

Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Maíra, que mora no Rio de Janeiro há cinco anos, conseguiu uma folga para voltar a Porto Alegre e participar do evento.

— A galera começou a se reunir, todos nesse ritmo de não se ver há muito tempo, então conseguimos mobilizar muita gente e matar a saudade. É muito nostálgico. Tá rolando até um churrasco, tem umas 15 pessoas que fizeram pompons para nos assistirem — relata Maíra, que não conseguiu chegar às finais com Vinicius, mas prometeu voltar na próxima competição.

A torcida, que em vários momentos fazia o papel de juiz, aprovou o jogo, organizado de forma independente por um grupo de amigos. Rafael Lopo, 31 anos, e Ralf Pires Santos, 29 anos, contam que a ideia de criar o evento surgiu quando foram cobrar uma dívida e resolveram levar o Cláudio.

— Eu perguntei para o Ralf: "Quem é o Cláudio?". E o Cláudio, na verdade, era um taco com que jogávamos. Nessa hora ele pensou: "Vamos fazer um evento de taco". Mas era pra ser uma coisa entre amigos, não esperávamos que o evento tomaria essas proporções — diz Rafael, que ficou surpreso com a adesão do público apesar da baixa divulgação.

Os organizadores, que fazem parte da comunidade de taqueiros Taquerides, dizem que o objetivo do jogo é levar as pessoas às ruas para confraternizarem em atividades recreativas e saudáveis. Essa motivação foi assimilada pela plateia, composta principalmente por curiosos que passeavam à beira do Guaíba.

— Estamos aqui desde a manhã e não houve nenhuma briga, tumulto. É um ótimo jeito de mostrar às crianças de hoje, que não tiveram a oportunidade de jogar taco na rua, que é uma experiência muito bacana — aprova Cristiano Knevitz, 30 anos, que foi acompanhado da família.

As três duplas vencedoras foram premiadas com refrigerantes, doces, carvão, cerveja e torresmo, comprados com a contribuição de R$ 10 por equipe.

— A gente pensou em algo que gostaríamos de ganhar quando era criança, na época em que jogava taco, e também que quem iria jogar é adulto, por isso a cerveja, o carvão pra fazer um churrasco — explica Ralf.

Para quem se interessou pelo evento e não conseguiu participar, o Torneio Mundial de Tacos de Rua — que é mundial apenas no nome, "só para fazer uma publicidade", brinca Rafael — deve ter uma segunda edição, maior e mais organizada, ainda neste ano.

O jogo

- O jogo de taco — também conhecido como bete-ombro ou bets — é disputado entre duas duplas. Uma delas fica em posse dos tacos e a outra fica em posse da bola.

- A dupla que possui a bola tem por objetivo derrubar a casinha (geralmente uma garrafa ou lata) através do lançamento da bola, conquistando, dessa forma, os tacos. O objetivo da dupla que está com os tacos (betes, ou bets) é impedir que a casinha seja derrubada, rebatendo a bola arremessada.

- Cada jogador da dupla que está com o taco fica posicionado em uma casinha, com o bete sempre tocando o chão. Ele deve rebater a bola e, durante o tempo em que a dupla adversária corre atrás dela, a dupla que rebateu pode ficar trocando de lado no campo, batendo os tacos no meio da quadra e encostando o taco na circunferência da casinha, fazendo assim 10 pontos.

- Se a dupla que correu atrás da bola derrubar a casinha ou "queimar" os que estão com os betes — acertar a bolinha nos rebatedores antes de voltarem a suas respectivas casinhas — esta dupla ganha os tacos.

- O jogo termina quando uma dupla atingir 100 pontos.

Leia as últimas notícias de Vida e Estilo

*Zero Hora

 






 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.