No Prato  

Lenice Carvalho: paradoxo do mundo

Parece que, ao tentarmos evoluir, ainda fazemos muita bobagem

11/03/2017 - 05h00min | Atualizada em 11/03/2017 - 05h00min

Excesso de informação, falta de ética. Muitos alimentos, falta de nutrientes. Tudo muito prático, mas tudo muito contaminado. Muitos medicamentos, e as pessoas cada vez mais doentes. Essa incoerência é chocante!

Quanto maior a evolução do homem, mais regredimos em alguns aspectos. Acompanho estudos ao longo da minha vida profissional e, normalmente, o que parecia ser uma grande ideia trouxe questionamentos pouco tempo depois.

Lembro quando lançaram a margarina light com a promessa de ser mais saudável, assim como os adoçantes artificiais, que contribuiriam com a queda drástica do consumo de calorias. E as mamadeiras e potes plásticos coloridos? Que bonito!

As inovações eram muito atrativas, e a maioria de nós achou tudo isso muito legal.

Já sabemos o mal provocado pelas embalagens plásticas em contato com alimentos, sabemos que podem ser cancerígenas e liberam toxinas no nosso organismo que podem provocar alterações hormonais. Por que elas ainda embalam frutas, carnes, água etc? Por que isso não é amplamente divulgado? Por favor, deixe a embalagem plástica para a situação em que não houver opção, mas não guarde alimento em plástico, não aqueça alimento em plástico. Guarde em vidros. E aquele cafezinho em copinho plástico uma, duas, três, oito vezes ao dia? Ao longo do ano...

Lembram quando ninguém alertava para as pilhas descartadas no meio ambiente? Custou para começar a conscientização de que aquela bateria libera substâncias tóxicas para o ambiente e, consequentemente, para nossa saúde.

Lembram quando começaram a falar em legumes orgânicos? Parecia coisa do outro mundo. Tem gente que ainda nem sabe o que isso significa, mas se perguntar para um produtor rural se ele acha saudável o legume que ele planta com agrotóxico, muitos vão afirmar que não comem aquele alimento com veneno. Não precisa muita informação técnica, só bom senso.

Parece que, ao tentarmos evoluir, ainda fazemos muita bobagem. Ok, sei que precisamos aumentar a produção de alimentos e evitar pragas, mas custa muito não envenenar todo mundo?

Questione, sem radicalismo. Procure o que pareça ser mais adequado. Pouco adianta tentar comer bem se você se expõe a tantas toxinas. Ter quantidade de comida sem qualidade pode ser pior.

Não precisamos ser extremistas, mas que prevaleça o bom senso. Com alguns cuidados, já melhoramos muito. Isto, sim, é evolução!

Leia outras colunas de Lenice Carvalho

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.