Obituário

Morre Lícia Peres, socióloga, feminista e militante política

Defensora dos direitos das mulheres, fundou e presidiu o Comitê Feminino pela Anistia no Rio Grande do Sul e foi dirigente da Ação da Mulher Trabalhista (AMT), órgão que congrega as mulheres do PDT

16/03/2017 - 14h23min | Atualizada em 16/03/2017 - 16h48min
Morre Lícia Peres, socióloga, feminista e militante política Lauro Alves/Agencia RBS
Foto: Lauro Alves / Agencia RBS  

A socióloga Lícia Margarida Macedo de Aguiar Peres morreu nesta quinta-feira, aos 77 anos, em Porto Alegre. Natural de Salvador, na Bahia, morava na Capital desde 1964. Ela era viúva do jornalista gaúcho Glênio Peres (1933-1988), que foi vice-prefeito de Porto Alegre no governo de Alceu Collares entre 1986 e 1988.

Formada em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), iniciou a militância política no movimento estudantil. Atuante na resistência à ditadura militar, filiou-se ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB). Admiradora de Leonel Brizola, foi uma das fundadoras do Partido Democrático Trabalhista (PDT), no qual atuou durante o período da redemocratização. Participou ativamente das campanhas eleitorais do partido e foi integrante tanto do diretório estadual como do nacional.

Leia as últimas notícias

Além disso, foi dirigente da Ação da Mulher Trabalhista (AMT), órgão que congrega as mulheres do PDT. Entre outras realizações, a socióloga participou da comissão do Acervo de Luta contra a Ditadura no Rio Grande do Sul desde sua criação, no início dos anos 2000.

Lícia disputou cargos públicos pelo PDT em duas oportunidades: em 2004, quando foi candidata a vice-prefeita de Porto Alegre na chapa em que Vieira da Cunha disputou a prefeitura, e em 2010, quando concorreu ao Senado.

Feminista, fundou e presidiu o Comitê Feminino pela Anistia no Rio Grande do Sul. Escrevia com regularidade artigos relacionados com a temática das mulheres.

Vieira da Cunha, que concorreu a prefeito ao lado de Lícia em 2004, conta que a garra e a firmeza eram características da socióloga.

– Estamos todos muito trites. Para nós, ela era uma referência no partido desde a sua fundação. Participou ativamente da luta pela anistia e foi uma das grandes líderes femininas no período de redemocratização do país – afirmou. – Era uma companheira inseparável do Glênio em todos os momentos. Dentro do partido, era uma das mais acatadas em relação a questões de igualdade de gênero. Sempre participou ativamente dos debates – acrescentou.

Conforme a família, Lícia era cinéfila, amante da literatura, da música e das artes. A socióloga, que considerava-se porto-alegrense de coração, deixa o filho Lorenzo. O velório está marcado para amanhã, às 9h, no Teatro Glênio Peres, na Câmara Municipal de Porto Alegre.


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.