Trabalho

Os millennials em busca de identidade: adaptada à crise, geração Y se afirma no mercado

Clichês acerca do comportamento dos jovens que iniciaram a carreira neste novo milênio não se confirmam na prática

29/04/2017 - 04h00min | Atualizada em 29/04/2017 - 04h00min
Os millennials em busca de identidade: adaptada à crise, geração Y se afirma no mercado Smartspaces/Divulgação
Foto: Smartspaces / Divulgação  

Com a geração que nasceu do início da década de 1980 até o começo dos anos 2000, veio uma série de rótulos baseados em enxurradas de pesquisas quantitativas. A chamada geração Y foi retratada como uma promessa, mas também como um desafio para o mercado. Em 2020, especula-se que 35% da força de trabalho do mundo será composta por adultos crescidos nesse período.

Apesar de terem acesso ao Ensino Superior, eles estariam malpreparados e não saberiam lidar com frustrações. Seriam narcisistas e hedonistas, não aceitando hierarquias e querendo tudo de imediato, já que se acostumaram com a rapidez da internet. Precisariam de constante feedback, mudando de emprego com facilidade. Isso estaria transformando radicalmente o mercado de trabalho. Os millennials, frequentemente descritos assim, são da geração que precisaria de chefes especialmente preparados para liderá-los.

O termo millennial não surgiu nos anos 2000; há registros anteriores do uso da palavra. Publicado em 1992, o livro Generations: The History Of America¿s Future, 1584 – 2069 (em tradução literal, "Gerações: A História do Futuro dos EUA"), de William Strauss e Neil Howe, já usava a expressão para descrever a geração de norte-americanos que nasceram entre 1982 e o ano 2000. O termo pegou.

Hoje, os millennials estão crescidos. Esses jovens, os primeiros a terem o domínio total das tecnologias de consumo, atualmente vivem em um cenário pouco favorável para o início do desenvolvimento profissional, dada a crise econômica do Brasil. E o mercado de trabalho, ainda que passe por constantes transformações devido à tecnologia, continua funcionando sob processos tradicionais corporativos adquiridos há décadas.

Entender as características de um grupo tão heterogêneo é o que diversas publicações e pesquisas tentam fazer. Um exemplo: no site da Amazon americana, em uma pesquisa de livros com o termo "millennials", mais de 4 mil resultados aparecem. O primeiro na lista descreve-se como um "guia para aprender a trabalhar com essa geração". Outro propõe-se a preparar o leitor para um futuro "ridiculamente otimista" com os millennials no comando.

Mas as expectativas que essa geração tem em relação ao trabalho não são surpreendentes ou exageradas, diz Márcia Almström, diretora de Recursos Humanos do ManpowerGroup, empresa recrutadora de profissionais. Ela avalia que a maioria dos trabalhadores – sejam eles millennials ou não – também deseja mais tempo livre, possibilidade de crescimento e bom salário:

– A grande diferença do jovem de hoje, profissionalmente falando, é que ele traz para a pauta a ideia de fazer o que se gosta, abrindo essa discussão, já que outras gerações eram mais submissas ao modelo corporativo instituído.

Porém, a geração que foi retratada como aquela que priorizaria a qualidade de vida ao escolher um emprego rendeu-se às oito horas diárias, ou até mais. No Brasil, as pessoas entre 18 e 35 anos trabalham em média 45 horas por semana, o mesmo que os jovens dos EUA e da Noruega. Ao redor do mundo, 26% dos millennials têm mais de um emprego, segundo dados do estudo Millennial Carreers, da ManPowerGroup.

– Há quebras de paradigmas. Todo mundo fala em descomprometimento, mas, pelos números, essa geração trabalha muito, até mais do que as gerações anteriores – diz Márcia.

Leia também:
Alternativas para 10 carreiras em crise
Como acompanhar o processamento da declaração de IR
Todas as matérias da seção Encare a Crise

Jennifer Deal, do Center for Creative Leadership, em San Diego, Califórnia, e autora do livro What Millennials Want from Work: How to Maximize Engagement in Today¿s Workforce ("O que os Millennials Querem do Trabalho: Como Maximizar o Engajamento na Força de Trabalho de Hoje"), critica o modo como a geração foi rotulada pelas pesquisas feitas até agora.

– Os millennials estariam tão imersos na tecnologia a ponto de não interagir com outras pessoas. Isso é um estereótipo comum visto nessas pesquisas. Sim, eles amam tecnologia, mas estão usando-a para interagir com os outros. É bom as pessoas ignorarem os estereótipos – alerta Jennifer.

Sidinei Rocha de Oliveira, professor da escola de Administração da UFRGS com doutorado em Mercado de Trabalho, refuta que exista uma geração Y do modo como sempre foi retratada. Do rico paulistano ao pobre do sertão nordestino, os jovens ainda têm estilos de vida demarcados por barreiras socioeconômicas. Ter acesso a um smartphone e nascer na mesma década não seriam o suficiente para inferir que os millennials têm as mesmas aspirações e comportamentos.

– A geração Y foi posta como uma corte planetária. Mas talvez não exista uma geração Y. O termo surgiu em uma revista e se tornou um conceito para pesquisas mercadológicas, não acadêmicas – sustenta Oliveira.

Pesquisador do mercado de trabalho com foco nos jovens, o professor enxerga tanto a onda de pessimismo quanto a de otimismo que se criou para esse grupo como uma maneira de controle. O que se falava sobre os millennials, afirma, nada mais era do que um reflexo da juventude – e não apenas da era em que nasceram.

– O conceito de geração Y era usado de um modo negativo, como instável. Ficava implícito que esses jovens transmitiam pouca confiança. Mas isso é próprio da juventude. Esse conceito foi uma forma de controlar esse jovem inquieto trazido pelas novas tecnologias dentro do mercado de trabalho. Essas argumentações eram muito mais midiáticas e para fins de consultoria – diz Oliveira.

O professor considera que a situação do país constitui um item importante ao avaliar como os jovens escolhem os empregos e aproveitam as oportunidades. Na época da bonança da economia, a oferta de trabalho é maior, o que faz ser mais fácil trocar de emprego ou arriscar novas empreitadas. Na crise, jovens pensam duas vezes antes de mudar.

– Essa geração cresceu durante a estabilidade econômica, viveu sempre com a democracia e enfrenta sua primeira crise agora. Viu-se uma expansão do Ensino Superior, e surgiram oportunidades de trabalho que não havia anteriormente. Quando muda esse contexto, não se vê mais essa geração Y – defende.

Empreendedores de fato?
– Nenhuma dessas pesquisas de mercado previa a recessão em que entraria o Brasil – comenta José Pastore, sociólogo e professor da USP especialista em trabalho, sobre a série de estudos que tentavam enquadrar um perfil para os millennials.

Pastore, referência no assunto mercado de trabalho, frisa que as dificuldades econômicas do país foram importantes para mudar algumas das perspectivas traçadas para a geração Y na última década. Ele explica que, com a crise, a legislação trabalhista atual favorece que as empresas busquem funcionários experientes.

– Esse é um dos entraves. O custo dos encargos sociais para contratar os mais experientes e os pouco experientes é o mesmo. As empresas que têm de contratar na recessão preferem alguém com melhor produtividade – afirma.

Nas pesquisas de Jennifer Deal, a economia é crucial para entender as oportunidades de trabalho. Para ela, a situação dos millennials é delicada por causa da interdependência entre as economias dos países, que se intensificou nos últimos 25 anos. Ou seja, crises em certos lugares afetam a estabilidade de outros.

Além disso, o ponto de partida de uma carreira é determinante para o restante dela, aponta Jennifer. Tal afirmação pode ser óbvia, mas a possibilidade de recuperar o tempo perdido é menor para quem começou a vida profissional na recessão.

– Aquela instabilidade que se atrelava ao jovem é substituída por uma procura de estabilidade. Trocar de atividade era mais fácil. Agora que a gente vive uma crise, e o discurso da crise assusta, se constrói um medo – afirma Sidinei Oliveira, da UFRGS.

Oliveira avalia que os postos de trabalho formal estão mais escassos – com exceção, talvez, dos estágios. Aqueles que ainda estão em fase de experimentação podem ter mais oportunidades, mas a cultura das empresas é, geralmente, exigir o mesmo dos estagiários e dos contratados.

– O estágio acaba sendo um emprego com contrato temporário para as empresas – pontua.

Em meio à turbulência econômica, além de procurar emprego, essa geração vê as políticas públicas de seguridade social mudando. Há uma incerteza sobre a aposentadoria, por exemplo.

– O mundo corporativo ainda vai mudar muito. Esse modelo de carreira e de carteira assinada vai diminuir. O papel de organizar e poupar será de cada um. Essa geração vai ter que trabalhar mais, isso é fato – afirma Ademar Bueno, coordenador do Laboratório de Inovação, Empreendedorismo e Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (LabIES-FGV).

Segundo dados da pesquisa do ManPowerGroup, no mundo, mais da metade dos millennials acredita que continuará trabalhando após os 65 anos. No Brasil, 10% acreditam que nunca vão se aposentar.

– É um efeito de uma transição de um Estado que cuidava e agora transfere as responsabilidades. Por isso, planejar é essencial. Os jovens já têm que pensar em como vão se aposentar – diz Oliveira.

Uma característica indiscutível dos millennials é que eles aproveitam bem as oportunidades de trabalhar em novos negócios digitais. Os influenciadores, os gerentes de redes sociais e os youtubers são exemplos disso.

– O mercado de trabalho está em evolução em termos de novas profissões por causa das tecnologias. E muitos jovens estão preenchendo essas funções. Mas o número de oportunidades é menor do que se pensava – afirma José Pastore.

Orian Kubaski, presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos no Estado (ABRH-RS), diz que esse fenômeno passou a sensação de que o digital seria a saída para todos os millennials:

– Isso envolveu bastante o jovem, e parece que o mundo virou um cone digital. Não é uma verdade absoluta. São poucos os youtubers que dão certo, e os criadores de games não são todos geniais. O mundo digital não é um fim, mas um meio.

O futuro de algumas profissões também tornou-se incerto. A evolução da robótica e da inteligência artificial abre uma série de oportunidades, mas diminui funções. No Japão, por exemplo, robôs humanoides já fazem funções como cuidar idosos ou vender crédito em bancos. O Uber já faz testes com carros autônomos.

– Algumas profissões diminuirão drasticamente. Haverá de surgir outros tipos de profissões e, com isso, a dúvida de quem vai pagar a aposentadoria dessa geração – observa Ademar Bueno.

Com as mudanças, o que é essencial para a população e só pode ser feito pelos seres humanos (e não por robôs) será mais valorizado.

– Emprego não é aumentar o número de vagas na indústria. Vamos ter de começar a olhar para serviços em geral, como construção, saúde. O emprego desejado, com estabilidade, vai diminuir, mesmo que a economia volte a crescer. Os jovens podem olhar para os microambientes, para os seus bairros, voltar-se para aquilo que é essencial para a população – aposta Kubaski.

Estabilidade é meta, sim
À luz de uma cultura de startups, fomentada pelo Vale do Silício, essa geração cresceu com exemplos de sucesso. Mark Zuckerberg, o fundador do Facebook, é um deles. Mas os millennials, segundo os especialistas, ainda colocam o mundo corporativo e até o concurso público nos seus planos de carreira, diferentemente do que já previram pesquisas que constatavam que grande parte desses jovens desejava empreender.

– Em 2003, havia muitas previsões, mas ninguém imaginava o que a internet de fato mudaria. Algumas dessas previsões eram furadas, como a de que o futuro era ter uma startup. Como qualquer outra empresa, uma startup pode dar errado – opina Ademar Bueno.

Bueno e Oliveira entram em um acordo: apesar de os jovens terem em mente o empreendedorismo, ainda há uma cultura forte que os motiva a procurar a carreira pública ou empregos com carteira assinada.

– Vejo muitos alunos com direcionamento para o setor público. Quem pretende abrir uma empresa é um grupo bem específico – comenta Oliveira.

O mercado de trabalho sentiu o impacto dos millennials, mas não como imaginado no início dos anos 2000, afirma Jennifer Deal. Para ela, quem está nos cargos de liderança das organizações ainda são os baby boomers e os integrantes da geração X (nascidos a partir dos anos 1960):

– A cada geração se dizia que era aquela que ia mudar o mundo. Mas a cultura das organizações, no fundo, é muito estável.Se quiserem transformar o mercado, os millennials ainda têm muito trabalho pela frente. As corporações, de modo geral, ainda têm pessoas mais velhas no comando que reproduzem a vivência das gerações anteriores. Temos um ambiente empresarial ainda bastante autoritário e, com isso, o jovem vira um problema – opina Jennifer.

O físico Matheus já pensou em se mudar para viver perto do mar, mas prefere a estabilidade que tem como concursado de uma empresa pública Foto: Robinson Estrásulas / Agencia RBS

Físico paciente
Matheus Adam garante ser um profissional feliz. Formou-se em Física na UFRGS e depois completou o mestrado. Tem 28 anos e há quatro é concursado de uma empresa pública de tecnologia da Capital. Antes de passar no concurso, foi contratado como funcionário temporário na empresa.

O físico lembra que trabalhava cerca de 10 horas no início do emprego. Havia dois motivos: o quadro de funcionários era menor na época, mas ele também queria ver resultados rápidos na carreira. Queria crescer. Aprendeu na prática o que muitos especialistas afirmam que os millenials ainda não compreenderam: esperar pela sua vez.

– Talvez alguns não tenham em mente que o crescimento profissional é um processo longo. Eu me frustrei muito no começo, mas já cresci lá dentro. As coisas têm seu próprio ritmo – diz.

Há pouco tempo, recebeu uma proposta para ir para Belo Horizonte trabalhar em uma empresa privada do mesmo ramo. A situação econômica do país pesou na decisão.

– Quando recebi a proposta em Minas Gerais, essa crise me fez repensar – afirma.

Além da estabilidade do emprego, a proximidade da família também foi um elemento decisivo para permanecer em Porto Alegre.

– Já pensei em largar tudo, morar em outro lugar, ficar mais perto do mar para surfar, mas vou fazer o quê? Também já pensei em abrir meu negócio. Mas tenho um emprego bom, então sempre procuro um meio-termo.

Motoristas temporários
A rapidez do processo para trabalhar como motorista de aplicativos motivou Gabriel Carminatti e Bruno Vasques a se cadastrarem nas plataformas de transporte Uber e Cabify. O primeiro está há um ano em seu novo emprego; o outro nem completou um mês. Para ambos, Uber e Cabify são garantia de dinheiro na conta todas as semanas. Em comparação com empregos formais nas suas áreas de formação, o serviço de transporte mostrou ser mais vantajoso: possibilita uma renda sem precisar passar por longos processos seletivos.

Carminatti, 24 anos, formou-se em Administração e faz um curso de pós-graduação. Antes de completar a faculdade, saiu de um estágio em uma empresa de mídia para buscar um emprego com carteira assinada em marketing. Apesar de ter experiência de mais um ano na área, ele acredita que a exigência das corporações não é compatível com o salário ofertado:

– As empresas não têm muito tempo para investir no funcionário ou muito dinheiro para treinamentos. Querem alguém pronto.

Ele colocou em espera a carreira no marketing para juntar dinheiro dirigindo pela cidade por cerca de 50 horas por semana com o carro da família. A experiência como motorista é gratificante, mas não vale muito para o currículo, ele acredita. Em alguns meses, pretende seguir na busca de um emprego na área.

– Fazer o que se gosta nem sempre é o que dá a melhor remuneração – afirma.

A situação de Vasques é parecida. Com 27 anos, ele está no sétimo semestre da faculdade de Direito. Teve diferentes experiências na área. Estagiava em um escritório de advocacia que passou por cortes no quadro de funcionários e que o enviou de volta ao mercado. Foram quatro meses entre entrevistas e espera por ligações.

– Eu não podia me dar ao luxo nesse momento. O valor da remuneração (de um estágio) mal dá para se manter na faculdade, e a maioria das oportunidades não dá chances de crescimento – explica.

Hoje, ele pensa em empreender. Não descarta que seja na área da advocacia, mas a experiência com o aplicativo ajudou a desviar a rota da carreira. Vasques expõe o ônus do trabalho atual, como a falta de segurança para dirigir pela cidade carregando passageiros e a atual regulamentação dos aplicativos de transporte urbano, que para ele é pesado para o motorista. Já a falta de vínculo empregatício não o incomoda tanto:

– A gente não vai conseguir se aposentar, ainda mais com as novas regras. Agora eu vou pegar esse dinheiro e vou investir como eu quero.

Bárbara fez estágios na área de publicidade e propaganda, mas optou por assumir a administração da transportadora de sua família Foto: Bruno Alencastro / Agencia RBS

Executiva e publicitária
Barbara Pagliarini trabalha desde os 16 anos, com carteira assinada, na empresa de transportes fundada pela família, em Canoas. Dos quatro irmãos, é a única mulher. E também a única a seguir no ramo familiar. Começou como secretária e hoje, aos 25 anos, é a cabeça da operação após a aposentadoria do pai.

– Ele me ajuda muito com a parte da mecânica, que estou aprendendo e é bem difícil de entender – afirma ela.

Barbara fez estágios em agências de publicidade e propaganda, sua área de formação, mas optou por assumir as questões administrativas do negócio que tem 10 funcionários. Desistiu de fazer um intercâmbio para dedicar-se à empresa.

– Já passou a vontade. Na época, não havia quem colocar no lugar. Não tinha como largar as contas, o financeiro da empresa. Levaria tempo para treinar alguém. Nesses períodos de crise econômica, já pensei em largar tudo para ser funcionária, não precisar ficar se preocupando o dia inteiro, afinal, tenho responsabilidade até com as famílias das pessoas que trabalham com a gente. Eu não tenho risco de ser demitida, mas a própria rotina pode ser instável – diz.

Marqueteiro empreendedor
Augusto Argenti Rocha, 31 anos, é hoje sócio de uma empresa de marketing digital na qual trabalha há nove. Cursou mais da metade da faculdade de Direito e começou Publicidade e Propaganda, mas não terminou nenhuma das duas.

Sua trajetória profissional foi construída colocando a mão na massa e apostando em metas a longo prazo. Logo que saiu da escola, já começou a trabalhar. Seus primeiros empregos foram em lojas de telefonia e empresas familiares. A carreira no marketing e na publicidade começou em 2006, quando foi contratado por uma agência de Esteio. Pelo desempenho, foram surgindo novas oportunidades e, principalmente, aquela da qual ele mais se orgulha: a de entrar para a Pmweb, um negócio que emprega cerca de 160 pessoas, a maioria jovens. Depois de liderar um processo importante para o futuro da empresa, foi convidado a ser sócio.

– Às vezes as pessoas querem ser reconhecidas no curto prazo. Talvez esperem mais do que conseguem entregar. Aprendi na carne a necessidade do tempo – conta.

Ele compara os anos na mesma empresa a uma relação amorosa: o longo envolvimento com uma empresa, desde o começo da vida profissional, foi uma escolha certeira para a sua vida, avalia. Ao empregar e trabalhar com tantos jovens, observa que há jovens dessa geração que se encaixariam no perfil típico dos millenials. Principalmente aqueles que vêm de universidades privadas.

– Quem se casa cedo não vai ter as mesmas experiências de quem fica solteiro. É uma escolha. Depois de certo tempo, as pessoas acabam sendo engolidas pela curiosidade ou pelo diferente. Existe, sim, esse perfil, de pessoas dessa geração que pulam de galho em galho, desistem fácil, mas é um recorte, um estereótipo – define.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.