Olha que legal!

Anjas de Batom levam amor e alegria aos moradores do Asilo Padre Cacique em chá das mães

Videokê, salgadinhos, bolos e presentes marcaram ação de grupo solidário da Capital neste domingo

07/05/2017 - 17h15min | Atualizada em 07/05/2017 - 17h15min
Anjas de Batom levam amor e alegria aos moradores do Asilo Padre Cacique em chá das mães Luiz Armando Vaz/Agencia RBS
Vanessa (de lenço no cabelo) e o grupo de voluntárias Anjas de Batom Foto: Luiz Armando Vaz / Agencia RBS  

Amor nunca é demais. Essa foi a justificativa da analista de recursos humanos Vanessa Rodrigues Silveira, 36 anos, para promover, na tarde deste domingo, um chá em homenagem às mães para moradoras do Asilo Padre Cacique, na Capital.

E como a solidariedade extrapola qualquer medida, a festa foi extensiva aos moradores homens e a todas as mulheres, mesmo aquelas que não viveram a experiência de gerar um filho.

Leia outras notícias:
Vídeo: em trote solidário, crianças com câncer cortam cabelos de calouros da Medicina
Festa beneficente na Suíça arrecada R$ 5,4 mil para ajudar meninas que têm aulas de balé em Alvorada


— A gente sempre é mãe de alguém por ter ajudado em algum momento da vida. Eu tive muitos sobrinhos e com as mães trabalhando fora, ajudei a criar filhos, mesmo sem os ter tido — disse Ludmila Ermel, 80 anos, moradora há 11 do Padre Cacique.

Célia (E) e Ludmila ajudaram a criar sobrinhos e se sentem também mães Foto: Luiz Armando Vaz / Agencia RBS

A amiga Célia Nunes dos Santos, 80 anos, que também não teve filhos, concorda:

— Eu cuidei de sobrinhos, afilhados, irmão, comprava leite e até roupinhas costurava.

No final do ano passado, Vanessa mobilizou os amigos para adotar cartas com pedidos de Natal. Com o retorno positivo, decidiu criar um grupo — maciçamente feminino, o grupo no Facebook tem 400 membros, entre eles apenas dez homens — chamado Anjas de Batom e promover o primeiro evento, para 150 pessoas, no Asilo Padre Cacique.

— Viemos trazer alegria, amor. Eu tenho um pouquinho, cada um tem um pouquinho, e não dói, estamos tentando fazer o bem — explicou Vanessa, que também quis fazer a festa no asilo inspirada na vitalidade da mãe, Nilda, 72 anos.

Sem dinheiro, com boa vontade

Terezinha contente com o mimo Foto: Luiz Armando Vaz / Agencia RBS

Além dos salgadinhos, bolo e refrigerantes, a festa contou com a animação de um videokê. Quando uma vovó pegou o microfone e cantou a marchinha Ô jardineira, o refeitório do asilo foi tomado pelas palmas e risadas. Cada moradora recebeu uma lembrança preparada com carinho pelo grupo de voluntárias.

— Queremos fazer algo por alguém — concluiu Vanessa.

Mãe de duas filhas, avó de três netas e bisavó do pequeno Mateus, oito anos, que estava na festa, Terezinha Moraes, 80 anos, resumiu o sentimento na festinha:

— Mãe é sempre mãe e o coração é do tamanho do mundo. Nessa época, muitas mães lembram do que viveram.

Leia outras notícias

Vanessa avisa que, no dia dos pais, pretende recrutar mais voluntários do grupo para promover um chá nos mesmos moldes. Já nos próximos dois meses, a vontade é de preparar um sopão em casa e distribuir no Centro. A proposta do grupo não envolve dinheiro, mas itens para a realização das festas (brindes, salgados, entre outros). Para saber mais, a página na rede social é Anjas de Batom.


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.