Pesquisa

IDH da população negra na Região Metropolitana de Porto Alegre é um dos piores do país

Estudo sobre desigualdades sociais compara negros e brancos, mulheres e homens e populações rurais e urbanas

10/05/2017 - 13h23min | Atualizada em 10/05/2017 - 13h23min
IDH da população negra na Região Metropolitana de Porto Alegre é um dos piores do país Fernando Gomes/Agencia RBS
Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS  

Novo estudo sobre desigualdades sociais no Brasil apresentado na manhã desta quarta-feira (10) pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no Brasil, o Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) e a Fundação João Pinheiro (FJP), apontou que a população negra da Região Metropolitana de Porto Alegre teve um dos piores índices de desenvolvimento humano entre as 20 Regiões Metropolitanas do país, em 2010.

Leia mais
Região Metropolitana de Porto Alegre tem melhora, mas não sobe em ranking
 
Negros têm IDH que brancos tinham em 2000 no Brasil, mostra pesquisa
STJ decide que transexual pode mudar sexo no RG mesmo sem cirurgia

A Região Metropolitana (RM) gaúcha ocupou a 19ª posição (0,691). A RM de Maceió foi a última colocada na avaliação (0,673). O mesmo índice de desenvolvimento da população branca também foi um dos piores, deixando a RM de Porto Alegre em 18º colocada. A região com maior índice de desenvolvimento em ambas as populações foi a do Distrito Federal e entorno.

Embora a pesquisa esteja distante da realidade atual, pois teve como base os censos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2000 e 2010, os órgãos responsáveis pela pesquisa entenderam que havia necessidade de desagregar as informações por sexo, cor e populações rurais e urbanas para identificar as necessidades de cada grupo.

Segundo a pesquisa chamada Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM), o Brasil é um dos países mais desiguais do mundo e ocupa a 10ª posição do ranking de 143 países. Apesar das gritantes diferenças sociais, o estudo mostra que houve melhora no desenvolvimento individual dos grupos analisados. O IDHM, que é o índice que afere a qualidade de vida, é representado por um número que varia entre zero e um. Quanto mais próximo de um, melhor.

Apesar de a Região Metropolitana de Porto Alegre ter sido uma das piores colocadas, o IDHM dos negros cresceu 22% na década analisada (de 0,563 em 2000 para 0,691 em 2010). Porém, continua abaixo do IDHM dos brancos que ficou em 0,778 em 2010. Com relação à educação, a frequência escolar dos brancos foi 22% maior que o da população negra (0,687 e 0,562) no mesmo ano.

— O IDHM da população negra foi o que cresceu mais rapidamente naquela década, ainda que continue com valores inferiores, se comparado ao IDHM da população branca — diz o estudo.

As maiores diferenças percentuais entre raças de 111 municípios avaliados foram em Porto Alegre e Feira de Santana, na Bahia. Na capital gaúcha, o IDHM da população negra foi 18,2% inferior ao IDHM da população branca.

A pesquisa mostra ainda que, de modo geral, as mulheres tiveram um desenvolvimento melhor que os homens no que tange à expectativa de vida e ao acesso à educação, embora continuem tendo salários mais baixos. As populações rurais também melhoraram os seus índices, mas continuaram com patamares inferiores aos das cidades, principalmente em estatísticas de educação e renda. 


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.