Zona Leste

Porto Alegre registra terceiro caso de leishmaniose humana  

Idosa de 81 anos está internada em estado grave no hospital

16/05/2017 - 09h07min | Atualizada em 16/05/2017 - 09h09min

A Secretaria Municipal da Saúde de Porto Alegre confirmou o terceiro caso de leishmaniose visceral humana. A paciente infectada com o protozoário é uma senhora de 81 anos, moradora do bairro Jardim Carvalho. A idosa está internada em estado grave no Hospital Nossa Senhora da Conceição.  

Segundo a secretaria, a vítima mora em área onde foram confirmadas duas mortes pela mesma doença _ uma menina de um ano e sete meses, em setembro de 2016, e um homem de 40 anos, em fevereiro deste ano.  

Leia mais
Entidades encaminham opção de tratamento para evitar eutanásia de cães
Prefeitura suspende eutanásia de cachorros com leishmaniose em Porto Alegre
Leishmaniose: causas, tratamento e como evitar

A leishmaniose é transmitida pela picada do mosquito-palha e atinge principalmente cães, mas o inseto infectado também pode picar humanos. A doença não é transmitida diretamente de uma pessoa para outra, nem dos cães para os humanos.  

A Coordenadora Geral da Vigilância Sanitária emitiu um alerta sobre a doença em março. Os profissionais do serviço de saúde devem ficar atentos a pessoas que cheguem com febre há mais de sete dias, aumento do tamanho do baço e do fígado, acompanhados ou não de palidez e emagrecimento.  

As áreas consideradas endêmicas são os bairros Jardim Carvalho e Morro Santana, onde foram encontrados cães infectados. Mais de 30 toneladas de lixo também foram recolhidos nessas áreas.  

Confira os sintomas da doença 

Leishmaniose visceral humana - Pessoas que apresentem febre persistente, principalmente aquelas que viajaram ou que residam próximo de casos confirmados de leishmaniose canina, devem ser levadas à unidade de saúde mais próxima. A medicação é fornecida pelo poder público após confirmação da doença. 

Leishmaniose visceral canina - É uma doença que exige notificação dos serviços veterinários à Equipe de Vigilância de População Animal. Entre os sintomas estão emagrecimento progressivo, feridas e descamações de pele, queda anormal de pelos, aparecimento de ínguas, crescimento anormal das unhas, inchaço de pernas e sangramento de nariz. Caso o cão apresente sintomas, a orientação é procurar um serviço veterinário e informar a existência de caso confirmado da doença próximo de casa. 


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.