Saiba o que fazer

Como a mudança brusca de temperatura pode afetar o organismo

Amplitude térmica como a ocorrida neste domingo pode desencadear crises respiratórias

18/06/2017 - 19h32min | Atualizada em 18/06/2017 - 20h26min
Como a mudança brusca de temperatura pode afetar o organismo Lauro Alves/Agencia RBS
Massa de ar frio traz chuva e derrubando a temperatura no RS Foto: Lauro Alves / Agencia RBS  

A mudança brusca de temperatura sentida pelos gaúchos neste domingo pode desencadear crises respiratórias em pessoas que têm doenças ou alergias como asma, bronquite, enfisema pulmonar ou rinite. Por isso, quem já tem diagnosticado algum desses problemas deve ficar atento à previsão do tempo.

O pneumologista e chefe do serviço de pneumologia da Santa Casa, Adalberto Rubin, explica que organismo leva algum tempo até se adaptar com a mudança de temperatura. Além disso, o clima frio e a umidade elevada do ar irritam o aparelho respiratório, prejudicando principalmente idosos e crianças.

Leia mais
Em um intervalo de sete horas, temperatura cai 15ºC na Capital
Retorno do feriadão lota estradas rumo à Região Metropolitana

Para evitar as temidas crises de falta de ar, dor no peito e tosse, que podem levar a internação, é preciso redobrar o cuidado com o vestuário e manter as medicações já indicadas.

— É importante sair bem agasalhado, cuidando principalmente das extremidades (cabeça, mãos e pés). Evitar mudanças bruscas de temperatura como as por ar-condicionado ou com (a ingestão de)alimentos muito quentes ou frios.

Mesmo quem não tem problemas respiratórios precisa ficar atento à mudança de clima, já que a troca de temperatura é uma facilitadora para a proliferação de vírus gripais. Manter a vacinação em dia, principalmente das crianças, lavar as mãos, evitar o contato com pessoas doentes e lugares fechados são os principais meios de prevenção recomendados pelos especialistas.

O pediatra do Serviço de Pediatria do Hospital São Lucas da PUCRS Alexandre Fiori lembra que não é a mudança de temperatura que deixa as pessoas doentes, mas, sim, o contato com o vírus, exceto para quem já é portador de alguma doença respiratória.

— Obviamente que você tem de aquecer o corpo, é uma forma de prevenção de uma queda de resistência do organismo, mas você só vai contrair uma infecção viral respiratória como resfriados e gripes se tiver contato com alguém doente. O que deixa as pessoas doentes não é o clima, mas, sim, a virose — destaca Fiori.

Foto: Lauro Alves / Agencia RBS

Atenção com os bebês

Os bebês são os mais vulneráveis a esse tipo de virose. Nesta época do ano, o maior motivo de internação de bebês é a bronquiolite — uma inflamação dos brônquios causada por vírus que pode provocar tosse e falta de ar.

Portanto, o pediatra sugere que os adultos não toquem nos bebês sem lavar as mãos e evitem o contato com eles quando estiverem doentes.

— Mesmo que não estejam doentes, se eles tocarem o bebê com as mãos sujas já é o suficiente para deixá-lo doente — alertou.

Evitar ambientes com aglomerado de pessoas e arejar a casa são outras dicas importantes.

— No frio, alguns pais fecham a casa e não deixam a criança sair na rua. Ninguém fica doente porque foi para a rua. O vírus se pega em local fechado e cheio de gente — completou.

O pneumologista Adalberto Rubin sugere aos pais que, se possível, não levem os filhos doentes para creche até que estejam recuperados, pois eles podem transmitir o vírus da gripe para outras crianças. 


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.