Mudanças

Ministério dá sinal verde a planos de saúde populares

Segundo o ministro da Saúde, com mais pessoas nos planos de baixo custo, o SUS terá condições de atender melhor terapias mais complexas

Por: Estadão Conteúdo
14/09/2017 - 14h21min | Atualizada em 14/09/2017 - 14h52min
Ministério dá sinal verde a planos de saúde populares João Pedro Lamas/Agência RBS
Foto: João Pedro Lamas / Agência RBS  

Documento aprovado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) abre caminho para que planos de saúde acessíveis (com mensalidades mais baixas e cobertura reduzida) sejam vendidos no país. Fruto de análise feita por grupo de trabalho convocado pela ANS, o relatório diz não haver obstáculos para os principais pontos sugeridos para esses planos.

A ANS dá sinal verde para a coparticipação (um valor que usuários devem pagar todas as vezes em que usam os serviços do plano) e para acabar com a exigência de que planos ambulatoriais garantam a internação de emergência a seus usuários nas primeiras 24 horas.

 Leia mais:
Planos de saúde: confira qual é o reajuste máximo permitido em 2017
Em dois anos, planos de saúde perdem 80 mil usuários no Estado
Novas regras para cancelar plano de saúde começam a valer 

"O relatório da ANS demonstra que os planos acessíveis podem ser implementados pelo mercado, sendo de livre escolha do consumidor optar pela adesão", informou, em nota, o ministro da Saúde, Ricardo Barros. "Tratam-se se ações previstas em resoluções e práticas do mercado. A ANS, portanto, deve garantir a qualidade desses produtos ofertados."

Barros propôs os planos acessíveis que, em sua avaliação, podem trazer benefícios também para o Sistema Único de Saúde (SUS). Quanto mais pessoas ingressarem nos planos de baixo custo, prevê ele, melhores serão as condições do SUS para terapias mais complexas.

A ideia tem sido criticada por especialistas. O argumento é o de que planos mais restritos têm alcance limitado e empurram ao SUS procedimentos mais complexos - e caros. Não haveria, portanto, economia para o SUS os usuários teriam gastos desnecessários, com falsa sensação de segurança.

Procurada nesta quarta-feira, dia 13, para comentar o relatório, a ANS não se manifestou até a publicação desta matéria.