SUV da Peugeot

Surpresa: 2008 é o quarto veículo mais vendido em Porto Alegre

No ranking deste mês no Estado, segundo a Fenabrave, SUV aparece na sétima posição. É a melhor colocação da marca no Brasil 

16/09/2016 - 16h23min | Atualizada em 17/09/2016 - 09h29min
Surpresa: 2008 é o quarto veículo mais vendido em Porto Alegre Divulgação/Peugeot
Sucesso do 2008 entre os gaúchos é muito maior do que nos outros Estados Foto: Divulgação / Peugeot

Fosse o Peugeot 2008 um vivente, provavelmente usaria bombachas e tomaria chimarrão. Em um fenômeno que nem mesmo a montadora sabe explicar, o SUV, em setembro, é o quarto automóvel mais vendido em Porto Alegre e, no ranking do Rio Grande do Sul, aparece em sétimo lugar. De acordo com dados da Fenabrave, em nenhum outro Estado o 2008 aparece entre os 20 primeiros mais vendidos.

– Realmente o veículo caiu no gosto do gaúcho – admite o gerente da Avant Peugeot de Porto Alegre, Marcelo Barreto.

Na Capital, com 26 unidades vendidas este mês, ele só perde para o líder Onix, o Ford Ecosport e o Ford Ka. E por pouco: os veículos venderam, respectivamente, 29, 27 e 27 unidades. Surpreendentemente, supera HB20, Prisma e Corolla, cujas comercializações no país são bem maiores. No ranking nacional, o 2008 não figura entre os 20 primeiros do mês – a Fenabrave não informa a posição. No de agosto, figurou apenas na 34ª posição nacional e, no acumulado do ano, foi o 37º mais vendido.

No concorridíssimo segmento das SUVs, em termos nacionais, os dados do 2008 também não impressionam. É apenas o sétimo mais vendido, com 7.066 unidades até agosto, o que representa apenas 3,61% dos utilitários esportivos. Um nada perto dos 40.122 (20,49%) de Honda HR-V e 34.917 (17,84%) Jeep Renegade que saíram este ano das concessionárias. Os números tornam ainda maior o fenômeno de vendas do 2008 entre os gaúchos.

Franceses não abrem mão de alguns luxos, como os pedais em alumínio Foto: Divulgação / Peugeot

Barreto enfatiza que as qualidades do veículo, incluindo o custo/benefício são os principais motivos do sucesso de vendas

– É questão da qualidade do produto, os consumidores hoje procuram, além de preço, itens de série e demais recursos do carro. E o 2008, sem dúvida, é um dos mais completos pelo preço mais convidativo – avalia.

O porquê de o SUV ter feito mais sucesso entre os gaúchos do que nos demais Estados, para ele, pode ser explicado na qualidade do atendimento.

– Isso é um diferencial que batemos forte nas concessionárias do grupo. Tratamos o cliente com excelência.

Montadora aposta alto na ergonomia proporcionada pelo 2008 Foto: Divulgação / Peugeot

Quem compra

Um grande trunfo do 2008 é a versatilidade para se encaixar em qualquer perfil. Prova disso é que, segundo Barreto, 50% dos compradores são mulheres e não há predomínio de idade entre os 25 e 70 anos.

– Creio que a maior parte dos clientes compra pensando na familia. Mas é um carro que não dá para especificar muito o público. A gente vende para quem gosta de acelerar, mas outro dia uma mãe e uma filha vieram buscar uma unidade cada.

Barreto informa que o 2008 corresponde a pelo menos 60% das vendas da montadora no Estado – embora seja mais caro que os irmãos menores 208 e 308. Cerca de 80% dos clientes optam por modelos automáticos, e o número só não é maior porque o 2008 THP, com motor turbo de 173 cavalos de potência, só é vendido com câmbio manual.

A versão campeã de vendas é a Griffe automática, cujo preço é de R$ 82,4 mil. O THP (87,5 mil) e o Alluere básico (R$ 71,4 mil) respondem pela outra parte. Ainda conforme Barreto, a fama de carro de difícil revenda ficou para trás. E quando o assunto é o 2008, fica ainda mais fácil.

– Hoje é uma raridade ter um 2008 usado numa revenda, pois vende muito rápido. Entrou um dias atrás numa troca. Já vendemos.

Freio de mão lembra o manche de um avião. Funcionamento é igual ao de uma peça padrão. Foto: Divulgação / Peugeot

Que carro é esse

Lançado na Europa no final de 2012, o 2008 chegou no Brasil em 2015 e, desde então, vem ganhando espaço. Em relação a parte dos concorrentes, como HR-V e Renegade, tem como um dos trunfos o preço – comparando-se as versões top, é pelo menos R$ 40 mil mais barato.

O consumo perto de 14km/l a 100km/h também agrada muitos compradores, assim como o espaçoso porta-malas. Mas a fábrica está convicta de que o principal atrativo é o i-cockpit – a ergonomia privilegiada do motorista, que fica pouco mais alto que os demais (como em qualquer SUV), porém com todos os equipamentos à mão. A Fenabrave encaixa o 2008 no segmento SUV, mas alguns analistas consideram um veículo um crossover. mas não obteve resposta.

Gerente Regional de vendas da Peugeot, Claudio Rosito lembra que, historicamente, no Sul sempre teve boa aceitação de veículos do segmento Station Wagon. E a Peugeot sempre obteve bons resultados, vendendo muito bem o 207 SW e o 307SW, com um performance muito acima do Brasil. Com a chegada dos SUV, o cliente migrou . A marca já tinha um público fiel e "tem no 2008 um produto com o melhor custo x benefício da categoria". 

Em um ranking divulgador pela montadora, com dados a partir de números da Fenabrave, o 2008 é o segundo no ranking dos SUV mais vendidos no Estado. Tem pouco mais de 17,34% do mercado e só perde para a Ecosport (20,27%). Até o dia 14, vendeu 77 unidades, contra 90 do rival da Ford.

Herança hermana

Assim como Barreto, Rosito entende que o atendimento da Peugeot local é um dos diferenciais. Mas o representante da marca no Estado cita um motivo curioso para explica parte da maior aceitação gaúcha: 

– Acho que temos influência por sermos vizinhos de Uruguai e Argentina, países onde a marca tem resultados expressivos, sempre entre os primeiros. Faz com que o gaúcho tenha preferência e maior conhecimento da marca.

Para ele, a rede de concessionárias no RS também ajuda, pois tem boa cobertura no Estado. Segundo ele, o grupo com melhor performance e mais antigo da Peugeot no Brasil estão no Rio Grande do Sul.   

 






 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.