Rally dos Sertões

Veja quem é o gaúcho que superou os favoritos e ficou com o título

Gregorio Caselani praticamente abandonou as motos em 2013, mas resolveu voltar e, no final se semana, chegou ao ápice da carreira

12/09/2016 - 17h37min | Atualizada em 12/09/2016 - 21h34min
Veja quem é o gaúcho que superou os favoritos e ficou com o título Divulgação/Rally dos Sertões
Gaúcho soube a hora certa de andar forte, depois só administrou a prova Foto: Divulgação / Rally dos Sertões

Cansado das viagens, quedas e esforço das provas off-road de moto, Gregorio Caselani decidiu abandonar a carreira em 2013. Então com 26 anos, ele já pensava em fazer outra coisa na vida quando o pai, Sidnei Azevedo, comprou um UTV e começou a participar de provas. Para acompanhá-lo nas provas, Gregório continuou a andar de moto. Menos de três anos depois, o piloto atingiu, no final de semana, o auge da carreira: superando a mais otimistas previsões, ele conquistou o Rally dos Sertões, uma das principais provas do gênero no mundo.

–  Agradeço muito ao meu pai, pois se não fosse ele, eu teria parado. Mas para acompanhá-lo eu retomei a carreira, depois passei a me preparar ainda melhor.

Ao lado do ídolo Jean  Azevedo (D), Caselani (C) comemora a chegada na sétima e última etapa Foto: Divulgação / Rally dos Sertões

Sobre a prova, ele admite:

– Eu esperava ficar entre os primeiros, mas vencer, realmente, era algo muito difícil. Não consigo nem dizer o quanto estou feliz – disse hoje o piloto, já em Caxias do Sul, onde comemorou o título com a família e alguns companheiros de equipe em um churrasco.

O maior adversário de Caselani era justamente seu companheiro de equipe Jean Azevedo, que aos 42 anos é ídolo de toda uma geração de motociclistas. Jean foi quem mais venceu etapas (quatro) este ano, porém, com problemas mecânicos, não terminou a terceira etapa, foi punido e ficou apenas com a 16ª posição no final. Também da equipe Honda e candidato ao título, o paulista Tunico Maciel levou um tombo no segundo dia, perdeu vários minutos e praticamente deu adeus às chances de sagrar-se campeão.

Piloto gaúcho revelou que chegou a cair no segundo dia. "Mas nem tirei a mão do guidão, foi só um susto", conta  Foto: Divulgação / Rally dos Sertões

O quadro proporcionou uma situação impensável para Caselani: sem chances de título, Jean Azevedo passou a ser o mochileiro do gaúcho – na linguagem dos motociclistas, trata-se de um piloto de apoio, que não ultrapassa o piloto principal e, se for o caso, até cede peças da moto para ele. Numa comparação, seria como estrelar um filme e ter como coadjuvantes Brad Pitt e Al Pacino.

– Foi algo que eu nunca pensei na vida. Mas nossa equipe é muito unida, o Jean é um sujeito sensacional e na nossa equipe não tem estrelismo. Somo muito unidos, isso é algo maravilhoso – disse Caselani.

Em 2017, ele deve disputar o Brasileiro de Enduro. O título no Sertões alimentou em Caselani um sonho que ele tem desde que começou a andar de moto, aos oito anos de idade: participar do Dakar. O gaúcho nunca participou da principal competição de aventura do mundo, mas a conquista o faz pleitear uma vaga no time Honda, que ainda não anunciou a equipe.

Etapa de Maratona, com mil quilômetros, na opinião do gaúcho foi a mais difícil  Foto: Divulgação / Rally dos Sertões

–Nossa Senhora, seria um sonho! Eu cresci vendo os vídeos, as matérias na tevê, sempre fui grande fã. Para 2017, tenho nada programado e difícil, mas depois dessa vitória, sei que qualquer coisa pode acontecer – afirmou o piloto, que completou os 3,2 mil quilômetros entre as capitais de Goiás e Tocantins em 29h27min47s.

Sonho adiado

Já o porto-alegrense Marcos Colvero ficou longe de ter a mesma sorte. O piloto sofreu forte queda em um trecho escorregadio, teve avarias em sua KTM 500cc logo no segundo dia e abandonou a prova.

Colvero saiu ileso do acidente e já pensa em novas provas Foto: Divulgação / Arquivo pessoal

– Não completar a prova é um péssimo sentimento, mas não diminui minha vontade. Ano que vem, já estou inscrito no Brasileiro e vou participar do rali do Marrocos, na preparação para o Dakar de 2018 – disse.

Nos carros, o gaúcho Fabrício Bianchini e o navegador Caio Santos ficaram em segundo na categoria Protótipos T1, vencida pela dupla Pedro Prado/Joaquim Bicudo.

 






 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.