Versão mobile

Calor para recordar (ou não)

Janeiro de 2014 é o mais quente da história em Porto Alegre

Desde que começaram as medições, em 1916, este é o janeiro com maior média de temperaturas máximas: 33,1ºC

30/01/2014 | 18h03
Janeiro de 2014 é o mais quente da história em Porto Alegre Fernando Gomes/Agencia RBS
Sucessivas ondas de calor causam desconforto nos porto-alegrenses desde o começo de janeiro Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

Os porto-alegrenses já andavam desconfiados, mas agora é oficial: este é o janeiro mais quente desde 1916, quando começaram as medições. O que significa dizer que janeiro de 2014 é o mais quente da história.

Até esta quinta-feira, a máxima média do mês é de 33,1ºC — quatro décimos acima do recorde anterior, em 1953. E nada indica que a temperatura nesta sexta baixe a ponto de contrariar a estatística final deste janeiro tórrido.

Conforme o coordenador do 8º Distrito do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Solismar Prestes, mesmo que hoje os termômetros marquem "apenas" 30ºC, a média do mês continuaria em 33ºC.

— Como a tendência é que a temperatura siga elevada, a média final ainda deve subir mais alguns décimos — projeta o meteorologista.

Leia também:
>>> Saiba como cuidar de seu gato ou cachorro nos dias de calor
>>> ZH tira suas dúvidas sobre táticas para enfrentar o calorão
>>> Por que a temperatura dos termômetros de rua não bate com a oficial

Tudo isso porque um bloqueio atmosférico impede o avanço de frentes frias para o Rio Grande do Sul, formando uma espécie de bolha de ar quente sobre o Estado, durante um período estendido de estiagem. A máxima absoluta deste mês na Capital foi registrada na quarta-feira: 38,2ºC, o dia mais quente de janeiro desde 2006.

Embora os termômetros ainda não tenham alcançado a marca dos 40ºC, a sensação térmica já ultrapassou essa barreira. Nesta quinta-feira, com temperatura oficial de 35,7ºC às 14h, a sensação de calor na Capital era de 40,7ºC. Em Pelotas, a sensação era de 44ºC — enquanto a estação meteorológica marcava 10ºC a menos.

A técnica em meteorologia Cíntia de Albuquerque Mendes, da Somar Meteorologia, explica que a diferença entre a temperatura real e a sensação era mais gritante em Pelotas pela ação da umidade relativa do ar: na cidade do sul do Estado, a umidade era de 63%, contra 50% de Porto Alegre no horário da aferição.

Conforme o meteorologista Celso Oliveira, o calor deve aumentar ainda mais nos próximos dias.

— Um sistema pré-frontal começa a pressionar o bloqueio que impede o avanço de frentes frias. Esse sistema fará com que a atmosfera fique ainda mais aquecida no Estado — explica Oliveira.

Tudo indica que fevereiro também termine com máximas acima da média, mas não deve superar as marcas de janeiro. A primeira quinzena, ainda sob a ação do bloqueio no Uruguai, deve ter calor mais intenso do que a segunda metade do mês.

Os dias mais quentes em janeiro
40,7°C — 01/01/1943
40,0°C — 02/01/1949
39,3°C — 01/01/1992
39,2°C — 19/01/1945 e 09/01/2005
38,2ºC — 29/01/2014

Os janeiros mais quentes da história
2014 — 33,1ºC*
1953 — 32,7ºC
2005 — 32,2ºC
1957 e 1997 — 32,1ºC
1943 e 2011 — 32ºC
*até 30/01/2014

Entenda por que está tão quente:

 

 

VEJA TAMBÉM

     
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.