Ressaca antecipada

Volta às aulas antes do Carnaval reduz contingente de veranistas no Litoral Norte

26/02/2014 | 06h06
Volta às aulas antes do Carnaval reduz contingente de veranistas no Litoral Norte Mauro Vieira/Agencia RBS
Nas ruas, nos bares, nas lojas, nos restaurantes e nas areias das praias gaúchas, o clima é de final de festa Foto: Mauro Vieira / Agencia RBS

O Litoral Norte está de cara feia para a Copa do Mundo. Mas, diferentemente de Porto Alegre, as queixas nas praias não são contra as obras prometidas e inacabadas ou contra os gastos exorbitantes do torneio da Fifa. A reclamação é mais simples, mas não menos importante: o evento esportivo antecipou o recomeço do ano letivo e quebrou a tradição de volta às aulas após o Carnaval, celebrado neste ano em 4 de março.

Por isso, nas ruas, nos bares, nas lojas e nos restaurantes das praias gaúchas, o clima é de final de festa. Uma espécie de ressaca carnavalesca antecipada. Bom para quem gosta de tranquilidade e pechinchas, ruim para quem busca fervo ou, no caso dos comerciantes locais, aumento nos lucros.

Em 17 de fevereiro, as escolas particulares e algumas universidades retomaram as atividades. Na última segunda-feira, dia 24, foi a vez das redes estadual e municipal e de instituições de Ensino Superior, como Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos) e Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), voltarem às aulas. Com isso, houve uma debandada do Litoral, já que muitos pais precisam acompanhar os filhos no recomeço das atividades, seja no Interior ou na Capital.

A Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Tramandaí estima uma queda de 15% no movimento em relação ao esperado para o período. Zero Hora percorreu mais de 20 estabelecimentos comerciais e a constatação foi unânime: a alta temporada de 2014 acabou no fim de semana de 15 e 16.

– Dos 11 anos que estou aqui, é o fevereiro que mais tem deixado a desejar. Desde o dia 15, é este público que se está vendo. Espero que bombe no Carnaval para que eu consiga, pelo menos, empatar – diz Sérgio Paz, 50 anos, dono do Restaurante Cachoeira, no centro de Capão da Canoa.

O público a que Paz se referia era escasso e atípico para uma noite de verão de tempo bom em fevereiro. O centrinho, que costuma ferver na alta temporada, estava quase silencioso. Não havia filas para comprar crepe, pizza ou sorvete. E era possível caminhar e ver as vitrines das lojas tranquilamente, sem esbarrar em alguém.

Calorão de dezembro e janeiro foi positivo

Na mesma noite, as luzes da maioria dos apartamentos estavam apagadas, PMs bocejavam escorados em uma viatura e garçons atacavam os poucos clientes que circulavam pelo tradicional ponto de encontro dos veranistas. Em Xangri-lá
e Atlântida, o esvaziamento era percebido no grande número de casas fechadas à beira-mar.

– Além da Copa, o tempo também foi feio neste mês. Mas não podemos nos queixar totalmente, pois dezembro e janeiro foram maravilhosos com aquele calorão. A gente quer tudo, claro, só que nem sempre isso é possível – ressalta Gislani Pires, que há 35 anos comanda o Restaurante Jurema’s, em Capão.

Ivan Martins, 30 anos, gerente da sorveteria Neves, em Tramandaí, teve prejuízo de 20%:

– Já era previsto que isso ocorresse por causa da mudança do calendário e da Copa. Fevereiro é mais curto normalmente, e este superou, porque muita gente antecipou as férias.

Para quem foge da muvuca, porém, o fevereiro não podia ser melhor. É o caso de Gualberto Fioritti, 68 anos, veranista de Tramandaí há 10 anos:

– Aqui (em veraneios normais), fica apinhado de gente no final da tarde, quase uma disputa. Pude escolher meu lugar e aproveitar sem afobamento – comemora, enquanto enche o balde de lambaris e assiste, sem atropelos, ao pôr do sol na ponte Tramandaí-Imbé.

Carnaval será chuvoso

Esperança de uma nova onda de alta na temporada praiana, o feriadão de Carnaval não deve empolgar os veranistas, principalmente em razão da previsão do tempo. Conforme a Somar Meteorologia, na sexta-feira e no sábado, o sol até chegará a aparecer entre nuvens, mas, a partir de domingo, a chuva se aproximará e atingirá o Litoral com força na segunda-feira.

– Será um dia bem chuvoso, que pode comprometer a festa. Antes, as temperaturas ficam amenas, e o fim de semana é agradável – projeta a meteorologista Graziela Gonçalves.

O prejuízo só não será maior devido às reservas antecipadas de hotéis e pousadas. Hoje, a ocupação caiu para 40% nas praias, em média, número considerado baixo pelo Sindicato de Hotéis, Bares, Restaurantes e Similares do Litoral Norte. A exceção será Torres, que tem lotação mínima  assegurada de 70%.

A diretora Ivone Ferraz diz que a procura esfriou nos últimos dias:

– Se o sol sair, e o calor voltar, poderemos ter uma reversão da expectativa. O pessoal não vai querer pagar diárias caras se não for assim.

Para amenizar as perdas, segundo ela, só baixando as tarifas:

– Bons hotéis estão com até 30% de desconto, ajustando-se pela demanda. Há pacotes para todo o feriadão de R$ 500 a R$ 3 mil.

A Concepa estima que até 139 mil veículos devam ingressar na freeway entre a sexta-feira e o sábado, praticamente o mesmo número de 2013. Já sobre as rodovias estaduais ERS-030, ERS-040 e Estrada do Mar, ainda não há uma projeção de tráfego por parte do Comando Rodoviário da Brigada Militar.

LEIA MAIS
De Paraíso a Jardim do Éden, conheça as praias indicadas para fugir do agito
Inovações tecnológicas invadem as praias gaúchas
Literatura na praia é uma prática quase terapêutica

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.